As estatísticas de lesões e fatalidades no Mergulho Comercial

Recentemente, os avanços técnicos no mergulho comercial de plataforma, foram prioritariamente direcionados para a segurança e avanço das profundidades de saturação das imersões.

Atualmente, mergulhadores comerciais atingem profundidades de 457 metros. As estatísticas da segurança Comercial são difíceis de quantificar e variam de país para país. No entanto, publica-se anualmente uma estatística do mergulho no Mar do Norte e diversas empresas divulgam os seus papéis de conferência técnicos. Muito se mudou, nos últimos 30 anos, desde a “infância” do mergulho de plataforma.

No livro, “Descanso de um Mergulhador”, o autor e mergulhador Jackie Warne, reconta 54 fatalidades de mergulho no Mar do Norte, U.K., no período de 1971 a 1984. A partir dessa data, o mar do Norte teve apenas duas fatalidades, sem que houvesse, alguma, nos anos de 1996 e 1997. O Golfo do México, é menos regulado, mas ainda assim possui uma estatística anual de poucas fatalidades.

Similarmente, a incidência de Doença Descompresssiva foi dramaticamente reduzida, tanto no Mar do Norte, como nos Estados Unidos, com uma média de 0.3% de incidência, sendo que algumas empresas atingiram a marca de incidência de 0.02%. Essa redução, nas lesões e fatalidades de mergulho foi atingida, ao se rever a história dos casos e ao aprimorar as práticas e regras do mergulho.

No mergulho recreacional, houve queda nas lesões e fatalidades desde 1996. Em 1996, a estatísca do mergulho recreacional da DAN, reportou 935 casos de DD e 85 fatalidades entre os cidadãos americanos, reduzindo os números de 1995, que eram de 1132 casos de DD e 110 fatalidades. O simples fato de se estar debaixo d´água, fornece similarmente entre os mergulho comercial e o recreacional. Enquanto há mais mergulhos recreativos do que comerciais, tipicamente as condições do comercial são bem mais extremas e o número de mergulhos descompressivos é maior.

No entanto, mergulhadores recreacionais, que mergulham dia-a-dia, especialmente com múltiplas imersões ou imersões de pouca visibilidade, água fria e corrente, devem tomar precauções com a DD. Um velho ditado no mergulo diz: ” As estatísticas não são um bom substituto para o bom senso”.

Pontos Básicos do Megulho Comercial nos EUA

A Guarda Costeira Americana (USCG) e a Administração Ocupacional de Segurança e Saúde (OSHA), ditam as regras que se aplicam aos mergulhos de plataforma e em terra. A USCG permite a profundidade máxima de 40 metros, enquanto a OSHA permite 30.5 metros, com equipamentos Scuba.

A maioria das Empresas Comerciais, de plataforma, utilizam um fornecimento de gás respirável de superfície, comunicação hardware e o mergulhador preso a uma linha de segurança. Enquanto muitos países têm um programa de certificação de mergulho comercial, os mergulhadores comerciais Americanos, ainda não possuem tal certificação. A maioria são treinados em escolas de mergulho, escolas de mergulho comercial e por ex-militares (Navy).

Observações de segurança no mergulho comercial

Os fatores: segurança e lesões, têm relevância no mergulho comercial, e no recreativo.

Aqui estão algumas comparações:

1. Mergulhadores comerciais têm fornecimento de superfície e comunicações. Já os mergulhadores recreativos ou não têm ou essa comunicação é limitada.

  • Os computadores de mergulho não são muito utilizados nas imersões comerciais em plataformas, mesmo com muitos dos projetos envolvendo imersões multi-nível.
  • A maioria das empresas comerciais (Offshore), permitem apenas duas imersões por dia, especialmente se uma delas for descompressiva.
  • As empresas comerciais possuem suas próprias tabelas especializadas de descompressão.
  • O tempo entre a informação e o tratamento de uma DD, ao final de uma imersão comercial, é geralmente de 1 a 2 horas, ao passo que os mergulhadores recreativos têm um atraso, na assistência, de até 31 horas. Apenas 1 em 3 mergulhadores recreativos, procuram assistência nas primeiras 4 horas após se iniciarem os sintomas.
  • A maioria dos “Bends”, na industria comercial, são somente de dores nas juntas (aproximadamente 1/3). Em comparação, no mergulho recreativo os “Bends” envolvem o SNC e o sistema nervoso periférico (PNS), na maioria dos casos (aproximadamente 2/3).

2.Todo o perfil da imersão e da descompressão, são realizados com um supervisor, permitindo que o mergulhador apenas se concentre no trabalho a ser feito. A monitorização é realizada através de comunicação e vídeo.

3. O mergulho comercial de plataforma, exige uma câmara de descompressão, para todas as imersões a mais de 40 metros. Os estândares ADC, exigem uma câmara, para imersões abaixo dos 24 metros. Na água, a descompressão só acontece, quando ela faz parte, no geral, da tabela de descompressão. Muitas tabelas de mergulho, possuem tempos menores de parada embaixo d´água, antes de se subir à superfície. A maior parte de descompressão tem lugar na câmara, com o mergulhador respirando 100% O2.

4. Pelo fato de apenas 1 ou 2 mergulhadores estarem na água, na mesma vez, o controle da atividade e as tabelas, são simplificados.

5. As operações comerciais exigem contingências médicas de emergência, por lei. A maioria, tem acesso ao transporte, por helicóptero.

6. Mergulhadores comerciais necessitam fazer exames físicos anuais. As estatísticas recreativas mostram que, 20% das fatalidades, no mergulho recreacional, têm fatores cardiovasculares envolvidos. Há pouca evidência de que as lesões, no mergulho comercial, tenham relação com problemas de saúde.

7. Atualmente, em muitas empresas comerciais, o lema é: “Se há qualquer dúvida sôbre a DD, o tratamento é dado”.

Observações da deco comercial, que podem melhorar a segurança na deco recreativa

Apesar de ser pequeno, em relação ao grande número de imersões anuais (estimado em 1.5 a 2 milhões de imersões ao ano), o número de casos de “Bends” e fatalidades no mergulho recreativo, podem diminuir. O mergulho comercial é realizado num ambiente extremamente controlado e, por isso, há poucas lesões e fatalidades. Aqui, seguem algumas sugestões para melhorar a segurança no mergulho recreativo:

1. A prática atual de se preencher o questionário médico, para o treinamento de mergulho recreativo, é válida se:

  • A pessoa entende as questões básicas médicas e,
  • Não há uma causa já existente, que contra-indique o mergulho.

2. A instrução de mergulho, deve mostrar a severidade de um caso de “Bends”, incluindo o potencial para a paralisia. Deve mostrar como é fácil entrar numa situação de descompressão, usando o equipamento convencional. O treinamento deve ensinar aos alunos os sinais e sintomas da DD, como os da pele, somente dor, e os “Bends” neurológicos.

3. Um bom hábito é saber os seus limites de não-descompressão e os requisitos de descompressão.

4. Planejar para o inesperado.

5. É uma boa idéia, balancear a descompressão, para situações tipo: má visibilidade, água fria e fortes correntes.

6. O treinamento tem uma progressão lógica (tipo pára-quedismo e vôo) a fim de permitir que a pessoa consiga uma habilidade avançada.

Carlos Nelli Borges
Carlos Nelli Borges é Master Scuba Instructor pela PADI, Instrutor de Rebreather pela TDI (E.1211.I) e Instrutor Trainer Rebreather pela RAB (BR-133-02/98), possindo mais de 1.200 mergulhos com rebreathers. Foi representante da Dräger no Brasil entre 1997 e 2000. Atualmente atua como instrutor na África do Sul.