Baía de Ilha Grande – Angra dos Reis

Foto: Sandro Cesar

Meu contato com a Ilha Grande vem de muito tempo atrás, quando comecei a visitar a ilha nos anos 80. Naquela época não havia muitas pousadas como hoje, casas de pescadores serviam como abrigo e todos se acomodavam em algum canto da casa. Não havia conforto, mas era muito divertido. De lá para cá, a Ilha Grande evoluiu muito, varias pousadas abriram as portas para os turistas.

Mergulhador2Apesar de recentemente ter sido palco de uma tragédia, a Ilha Grande é, cada vez mais, procurada por viajantes do mundo inteiro, todos querendo conhecer as belezas desta paradisíaca região.

A baía da Ilha Grande possui 365 ilhas, que como dizem, existe uma ilha para cada dia do ano, e em muitas delas, os mergulhos são ótimos. Além das ilhas menores, a Ilha Grande, que é a maior de todas, possui muitos pontos em suas enseadas e naufrágios de vários tipos e formatos.

Existem pousadas em diversas praias, sendo a Vila dos Abraão, a praia com o maior número delas. Há também, algumas destinadas aos mergulhadores em outras praias menos povoadas e mais atrativas. Em alguns casos, existem bases de mergulho e localizam-se próximo de principais pontos de mergulho.

Outra opção são as embarcações de Live Aboard (Mergulho Embarcado), que são barcos com acomodação, restaurante, oferecendo com todo o conforto de um hotel, porém, flutuante. Basta alguns passos em direção à proa e toda a estrutura de mergulho está a sua espera. E não estou falando de um barco só não, hoje a região conta com pelo menos três grandes barcos com este serviço.

Já o principal atrativo para região, são as águas tranquilas, com pouca profundidade e muitas vezes, tão claras e com temperatura agradável. Com essas características, muitos mergulhadores são atraídos para incríveis aventuras subaquáticas.

Estrela-do-Mar

Melhores Points

Laje Branca

Esta pedra no meio da baía entre Angra dos Reis e a Ilha Grande, possui um dos melhores mergulhos do lado de dentro, o chamado “Canal”. A laje em formado redondo está com o cume aparente, isso dá uma boa referência para a navegação. Os mais diversos tipos de animais podem ser encontrados por exemplo: Tartarugas, moréias, lagostas e dezenas de espécies de peixes. Como a laje não tem um diâmetro muito grande, o mergulhador pode dar a volta no seu entorno, desde que não desça mais de 12m e preste atenção no consumo de ar. Mas atenção, cuidado com a corrente. Neste caso o melhor é fica próximo do barco.

Parcel da Laje Branca

Pouca gente conhece, pois é um parcel submerso. Fica ao lado da laje branca e é mais indicado para os mais experientes a profundidade é maior entre 16 e 18m, e como não há referência como a laje, o mergulhador deve usar uma bússola para orientação. Você pode encontrar polvos, arraias e peixes maiores, como badejos e garoupas neste mergulho.

Praia Vermelha e Naufrágio do Califórnia

Tenho um carinho especial com este ponto, pois meu batismo foi neste ponto, e lembro da emoção que passei até hoje. Só tenho boas recordações do velho naufrágio Califórnia.

Por mais incrível que possa parecer, uma vez ocorreu um encontro com um Tubarão-Baleia passando em cima do naufrágio, foi um das raríssimas aparições na costa brasileira.

O acesso pode ser pela praia ou de barco. Apesar de estar desmantelado, ou seja, já não há mais o formato de um barco, e sim, peças espalhadas pela areia, este pequeno vapor de rodas está a aproximadamente a 12m de profundidade desde 1866 e mergulhar nele, é como entrar numa máquina do tempo. Observando as peças, você fica tentado a montar um quebra-cabeça em forma de pensamentos.

Além do Califórnia, o costão também reserva muitas surpresas: moréias, pequenas arraias e várias espécies de peixes são encontradas em mergulhos diurnos e noturnos.

Mergulhador1Laje do Matariz

Próximo a Praia do Bananal, esta laje está totalmente submersa e estando aos 3m apenas. Somente em dias de mar agitado, é possível assistir as ondulações estourando no local. Por não ser avistado na superfície, um marco foi instalado para avisar os navegantes. E esta é a nossa marcação para circundar a região com suas agradáveis surpresas. Uma delas é o naufrágio de um Helicóptero, isso mesmo um Helicóptero !

Depois de um trágico acidente nas proximidades de Angra, a aeronave foi rebocada para o local, e se tornou um atrativo aos mergulhadores, que nem precisava, pois este local é repleto de vida e não é difícil encontrar arraias e tartarugas passeando pelo local. A profundidade varia de 3 e 16m nas bordas da grande laje.

Gruta do Acaiá

Se você tem vontade de explorar cavernas e se aventurar em pequenas grutas com lanternas em mãos, lá é um local bem interessante para começar a sua aventura, mas devemos lembrar que o mergulho em lugares onde não há acesso direto a superfície, requer treinamento específico, e se você não possui treinamento para tal, não entre !

Esta pequena fenda na rocha tem um bonito visual de dentro para fora, pois a diferença de claridade destaca ainda a mais o azul das águas. Com o uso de uma lanterna, é possível encontrar peixes típicos de grutas.

Naufrágio Pinguino

Este navio graneleiro de 50m de comprimento afundou em 1967 devido a um incêndio e virou um dos mais conhecidos naufrágios do Brasil. Como ainda está inteiro, mergulhar nele é emocionante. Com profundidade máxima de 18m, o navio está de lado, com um bordo no Mergulhador3fundo e o outro a apenas 9m de profundidade, sendo possível vê-lo da superfície em dias de boa visibilidade.

O Pinguino está dentro da enseada de Sítio Forte e o fundo possui um sedimento muito fino, tornando a sensibilidade sensível, sendo recomendado aos mergulhadores, que não toquem no fundo. Por isso nem sempre há condições favoráveis para ver o barco como um todo. Normalmente vemos até onde a visibilidade permite, mas podemos identificar cada parte dele. Hoje, já com mais 40 anos embaixo d’água, não é aconselhável a penetração em seus porões, sala de máquinas e cabine, havendo placas soltas e estrutura enfraquecida e comprometida. É muito melhor procurar cavalos marinhos, peixes cachimbos e outros habitantes em seus destroços pelo lado de fora.

Laje ou Parcel do Coronel

Para alguns, é o melhor ponto da região, porém, nem sempre o mar permite um mergulho por lá. Por estar fora do abrigo da Ilha Grande e em sentido Parati, a laje e o parcel estão sujeitos ao mais agitado. Normalmente suas enormes pedras formam grutas e passagem incríveis, com peixes grandes passando tranquilamente, dando um show à parte. Peixes de passagem são frequentes.

Há muita vida e um visual espantoso, fazendo a alegria dos mergulhadores. Dando a sorte de ir mergulhar em um dia certo e com boa visibilidade então, certamente irá sair da água com um sorriso de orelha a orelha e querendo mais.

Bons mergulhos.

Barco-Embarcacao

Sandro César
Sandro César do Nascimento também conhecido como “Sandrão”, é Técnico em turismo, Guia de Turismo Nacional e Internacional, agente de viagens especialista em mergulho. Mergulhador há mais de 25 anos, é instrutor de mergulho desde 1993, fotógrafo especialista foto submarina e diretor da Oxigenação Turismo e Empreendimentos.