Belize e o famoso Blue Hole

Foto: U.S. Geological Survey (USGS)

Belize, destino caribenho muito conhecido pelo “Great Blue Hole”, considerado o maior buraco azul do mundo. Localizado quase 100 quilômetros mar adentro a partir do continente, possui a forma de um círculo perfeito, com pouco mais de 300 metros de largura, atingindo 124 metros de profundidade.

Não é muito fácil chegar até San Pedro Belize, mas vale muito a pena.

A partir de São Paulo, voamos até Lima no Peru, de Lima a El Salvador, e de lá até a cidade de Belize. A partir de Belize pela Troppic Air, pegamos um voo de 15 minutos em um Cesna com 14 lugares somente, com uma paisagem exuberante abaixo de nós, chegamos a San Pedro, nossa casa por uma semana no paraíso. Muita emoção e diversão.

A cidade de San Pedro é pequena, cheia de lojinhas para compras de artesanato e pequenas lembranças, sendo seu principal meio de transporte os carrinhos de golf, que podem ser alugados em todo lugar, ao custo de médio de US$ 15/hora. A língua oficial é o inglês, e o povo é bastante gentil, recebendo os turistas com muita alegria.

O Resort escolhido foi o Ramons Village, muito confortável, com chalés em meio a uma pequena floresta muito tranquila, e pé na areia, que é o que mais gosto nesses lugares – andar descalço, descarregar o stress e carregar as energias.

O resort conta com uma operadora de mergulho, bem organizada, com barcos bem equipados e rápidos, pois os pontos melhores de mergulho não são próximos.

Existem mergulhos mais próximos a San Pedro (cerca de 10 min de navegação), mas não tão ricos em vida marinha quanto aos atóis de Turneffe e Lighthouse Reef (onde está o Blue Hole).

De lancha rápida gastamos cerca de 2:30h de navegação em mar alto, enfrentando ondas consideráveis em um mar muito azul. Passamos por manguezais, pequenas ilhas repletas de coqueiros, onde inclusive, paramos para o almoço, pois nos dias de mergulhos nos atóis ficamos o dia todo no mar e fazendo 3 mergulhos. Desembarcamos nestas pequenas ilhas para um almoço feito pelo próprio staff dos barcos. 

Quanto aos mergulhos, alguns pontos são mais abrigados e tranquilos como o Blue Hole, sendo a descida e subida mais tranquila. Em outros, por estarmos em mar aberto, normalmente na superfície devido as grandes marolas temos alguma corrente e certa dose de dificuldade para as descidas e regresso ao barco. Mas a barreira de corais, a grande quantidade de tubarões, peixes de muitas espécies, esponjas, gorgônias e muito vida macro fazem jus a fama do lugar.

Um fundo bem preservado com muitos cânions e paredões incríveis.

A água na temperatura em torno de 28°C, torna os mergulhos muito agradáveis mesmo utilizando uma roupa de 3mm. Com profundidades entre 10 a 25 metros, podemos desfrutar entre 45 min a 1h de mergulho tranquilamente.

Foto: Denize Serafim

Blue Hole

O Blue Hole sendo um pouco mais profundo, temos permissão de ir até 40m, e a cerca de 36-38m podemos ver estalactites e estalagmites, o que demonstra que o Blue Hole é uma caverna que se formou há milhares de anos, quando o nível do mar era muito mais baixo, e com a subida do nível do oceano, ficou submersa preservando as estalactites e estalagmites, hoje povoada por vários tubarões.

Uma das coisas que me chamou atenção foi a preocupação dos staffs quanto a preservação do local, as recomendações para o cuidado dos fotógrafos com a vida marinha, e também da prática de caça ao peixe leão durante os mergulhos, pois tomos sabemos que esta espécie infesta os mares do Caribe (senão do mundo todo), e por não ter predadores naturais, acaba causando um desequilíbrio nos locais onde aparece. Por se tratar de parque marinho, nos pontos dos atóis não se pode mergulhar de luva ou utilizar facas durante os mergulhos.

Ainda há outros passeios muito legais em Belize, como snorkel com arraias e pequenos tubarões, snorkel com mannatees (peixe-boi), passeios de barco, kitesurf, etc.

Sem dúvida alguma é um local a se considerar a colocar na “Wishlist”. Um Caribe bem diferenciado e bem preservado.

Denize Serafim
Nascida em Porto Feliz-SP, reside em São Paulo. Formada em Administração e Análise de Sistemas, é mergulhadora pela PADI desde 1999, e instrutora de mergulho desde 2006, e fotógrafa subaquática e de natureza.