Caixas Estanques e alguns cuidados

Foto: Clécio Mayrink

É muito comum encontramos nas embarcações de mergulho, algumas bacias e compartimentos de água doce, para que sejam colocadas as câmeras de mergulho. Mas o que a grande maioria não sabe, é que isso pode gerar um grande problema, e explico.

Bacias e Compartimentos

Quando saímos para mergulhar, vemos aquelas bacias com água doce, onde os mergulhadores colocam suas câmeras, pois nos cursos de foto e vídeo sub, aprendemos que logo após o mergulho, devemos deixar as caixas estanques na água doce, para evitar a possibilidade de cristalização do sal.

Mas o que é isso ?

Como a água do mar possui sal, o excesso de calor sob os restos da água do mar presentes em uma superfície, fazem com que a água seque, ficando apenas o sal. Este sal irá endurecer, e formarão pequenos cristais. Esses cristais quando presentes nos o-ring das caixas estanques, podem criar fissuras microscópicas, aumentando ainda mais a possibilidade de inundação da caixa estanque.

Como os o-ring´s são fabricados em borracha ou silicone, esses materiais não são resistentes aos cristais, e por isso, aconselha-se a deixar a caixa estanque na água doce, pois ela irá dissolver a água salgada, e consequentemente o sal presente nela.

O grande problema, é que quando colocamos a caixa estanque nessas bacias (ou compartimentos), dificilmente ela estará sozinha. É muito comum vermos um monte de caixas em um mesmo compartimento, e a tal água doce nem sempre é tão limpa quanto parece. Haverá um acúmulo de água salgada dissolvida no recipiente, sendo proveniente das próprias caixas estanques, e por mais limpa que essa água esteja, ela estará impregnada de sal, sendo o correto, a colocação da caixa estanque em uma água completamente doce e livre da possibilidade de sal.

Em alguns casos, alguns mergulhadores acabam tendo a péssima mania de encher os o-ring´s com silicone pastoso, fazendo com que a água tenha um composto químico oleoso, o que acelera ainda mais a degradação dos o-ring´s, sejam eles fabricados em borracha ou silicone. Além disso, essa água oleosa, contribuirá ainda mais para que minúsculos grãos de areia penetrem nas áreas dos botões de acionamento da caixa estanque, contribuindo não só para a degradação dos o-ring´s, como até para a inundação da própria caixa estanque.

Choques e batidas

Você já viu uma embarcação ficar totalmente parada e estável em algum ponto de mergulho ?

Pois é, eu também não, e exatamente isso, é um ponto crítico para as caixas estanques quando estão imersas nesses tanques com água, principalmente no que diz respeito às lentes da caixa, pois elas estão à mercê de um arranhão ocasionado pelo braço ou partes de outra caixa estanque que esteja nesse mesmo compartimento, e você jamais saberá de onde partiu esse arranhão.

Lentes acrílicas, são ainda mais vulneráveis e são as mais encontradas no mercado, principalmente quando falamos de caixas estanques de câmeras compactas.

Portanto, se você é um adepto a essas bacias de água doce, pelo menos proteja sua caixa estanque com algum tipo de acessório que não deixe a sua caixa arranhar com o balançar da água presente nesse compartimento.

O-ring´s e a Pressão

Você sabia que a trava da tampa traseira de sua caixa estanque só funciona para a superfície ?

A trava da tampa traseira tem como objetivo, unicamente fazer pressão da tampa traseira contra o corpo da caixa estanque, fazendo com que o o-ring da tampa, faça a vedação inicial da caixa na superfície e durante os primeiros metros da imersão.

Quando o mergulhador desce, alguns metros depois, ele pode até destravar a tampa traseira e verá que ela não poderá ser aberta pelo mergulhador, pois a diferenciação entre a pressão interna e a externa, fará com que a tampa seja puxada contra o corpo da caixa estanque, mantendo ela impermeável.

Devido a isso, não é recomendável deixar a sua caixa em recipientes com água na superfície por muito tempo, ou por exemplo, ficar muito tempo na superfície aguardando outro mergulhador entrar na água.

Não são raros os caros, em que mergulhadores inundam sua caixa estanque ainda na superfície, e sem saber o real motivo.

Quando um mergulhador inicia o mergulho, a variação de pressão externa à caixa aumenta, fazendo com o que o o-ring seja puxado em direção ao local onde haja a passagem do ar e pressão superior. Como a massa do o-ring é muito maior que o espaço por onde o ar passa, o o-ring será sugado e comprimido até certo ponto, e fará o papel de vedação local, tampando essas áreas por onde haja a comunicação de ar.

Na prática, um o-ring atua melhor quando a caixa está submersa do que quando está na superfície sob baixa pressão. Alguns modelos de travas de determinadas caixas estanques, tendem a perder pressão com o tempo, e facilitam a entrada da água na caixa enquanto o mergulhador está na superfície à espera do seu dupla

Conclusão

Basicamente, não é recomendável o uso desses compartimentos de água doce nas embarcações de mergulho. Uma boa dica, é o uso de bolsas térmicas, normalmente encontradas em casas de camping, onde você poderá levar para a embarcação, enchê-la com água doce e levar juntamente com os equipamentos de mergulho.

Ao chegar em casa, remova sua câmera da caixa estanque, e deixe sua caixa submersa em água doce por 24 horas, pois isso evitará o ressecamento dos o-ring´s e a cristalização do sal.

Não use qualquer tipo de silicone, principalmente, o pastoso. O uso de silicone pastoso é prejudicial e seu uso é uma lenda perpetuada no mercado. Silicone automobilístico pior ainda. Utilize somente silicone apropriado para o-ring´s de caixas estanques, pois ele detém uma densidade e fórmula diferenciada, que evita a degradação dos o-rings e a possibilidade de grudar pequenos grãos de areia nas áreas de vedação. Normalmente são comercializados em pequenos potes vermelhos e o silicone possui coloração branca.

Clecio Mayrink

Nascido no Rio de Janeiro, ingressou no mergulho em 1987 pela CMAS e realizou Dive Master em 1990 pela PADI. Hoje é mergulhador Técnico Trimix (Mergulho Profundo) e de cavernas (Technical Cave Diver e Advanced Cave Side Mount / No Mount).

Foi membro da expedição de mapeamento da Lagoa Misteriosa em Bonito-MS em 2008, idealizador do site Brasil Mergulho em 1998 (MTB 0081769/SP) e atuou como consultor para a ONU, UNESCO, Segurança Pública, além de diversos órgãos públicos no Brasil.