Canecas nas operações de mergulho

Durante as operações de mergulho, normalmente encontramos aqueles famosos copos plásticos descartáveis brancos ou transparentes, onde tomamos água ou algum refrigerante entre os mergulhos.

Levando em consideração que o plástico chega a levar entre 200 e 450 anos para se decompor, mais o custo na aquisição da grande quantidade de copos plásticos descartáveis para cada operação, alguns operadores de mergulho passaram a utilizar as chamadas “canecas de mergulho”.

Falando assim, chega à ser hilário a gente dar um destaque para uma simples caneca, mas pequenas atitudes, certamente irão fazer diferença em alguns anos, além de ampliar a consciência quanto a preservação ambiental.

Aliado à isso, a não utilização de copos plásticos descartáveis, diminuirá os custos operacionais e ajudará na preservação do nosso meio ambiente, pois o uso do plástico é um problema nos dias de hoje.

Quanto as canecas, cada uma delas possui uma numeração ou local para escrever o nome do mergulhador que for usá-la. Ao término da operação, as canecas são lavadas e já estão prontas para uma nova operação. No caso da operadora Maracaibo, o mergulhador leva a caneca de brinde pra casa.

Segundo o operador Paulo, do centro de mergulho Maracaibo em Parati, as pessoas gostaram e aprovaram a idéia.

“Não é só uma questão de custos, é contribuir na preservação do meio ambiente, pois o benefício será para nós mesmos”, diz mergulhadora Priscila Costa que aprova a idéia.

“Seria interessante se todas as operadoras de mergulho adotassem essa ação”, diz o mergulhador Bruno Almeida.

Agora, porque não adotar esse procedimento em todas as operadoras no Brasil ?

Fica aí a dica à todos os profissionais do mercado.

Clecio Mayrink

Nascido no Rio de Janeiro, ingressou no mergulho em 1987 pela CMAS e realizou Dive Master em 1990 pela PADI. Hoje é mergulhador Técnico Trimix (Mergulho Profundo) e de cavernas (Technical Cave Diver e Advanced Cave Side Mount / No Mount).

Foi membro da expedição de mapeamento da Lagoa Misteriosa em Bonito-MS em 2008, idealizador do site Brasil Mergulho em 1998 (MTB 0081769/SP) e atuou como consultor para a ONU, UNESCO, Segurança Pública, além de diversos órgãos públicos no Brasil.