Capacete no Mergulho em Caverna

Foto: Clécio Mayrink

Durante algum tempo, os capacetes de mergulho eram mal vistos pela comunidade do mergulho em caverna, pois os mais experientes viam a utilização deles como um indicador de falta de confiança e habilidade no controle de flutuabilidade.

Com o tempo essa visão mudou e hoje é muito comum encontrar mergulhadores usando os capacetes como forma de proteção.

Até algum tempo atrás, a maioria das pessoas que usavam o capacete de mergulho eram os mergulhadores que desciam usando scooter subaquáticos, pois o capacete protegia a cabeça contra um possível impacto na caverna, em razão da grande velocidade que os scooters na água.

Esses impactos são realmente perigosos e podem deixar o mergulhador desacordado e com grandes ferimentos.

Impacto do capacete em uma rocha na caverna durante o uso de um scooter – Foto: Alex Bueb

Com o aumento do número de mergulhadores de caverna, aumentou também o uso de capacetes de mergulho, e tudo indica que esse crescimento está ligado diretamente aos praticantes da especialidade sidemount em caverna, que por adentrarem nas cavernas passando por restrições bem apertadas, o uso do capacete se tornou mais do que essencial.

Algumas pessoas chegam a usar o capacete de skate e bicicleta no lugar do capacete de mergulho, que é especialmente projetado para a atividade do mergulho em caverna, contudo, não é recomendável a utilização de capacetes comuns, pois há grandes diferenças entre eles e elas podem interferir no desempenho do mergulhador, além de não fornecer a proteção adequada.

Capacetes comuns flutuam, não se encaixam bem e ficam desajustados durante o mergulho.

Você pode ver uma análise completa clicando aqui, e saber as principais diferenças entre eles.

Se você pretende mergulhar em caverna ou realizar penetração em naufrágios, o uso de um capacete de mergulho é mais do que recomendável e você deve investir em um modelo voltado para a atividade de mergulho, lembrando que “proteção a mais, nunca é demais”.

Clecio Mayrink
Nascido no Rio de Janeiro, ingressou no mergulho em apneia em 1983, no autônomo em 1986 pela CMAS e Dive Master em 1990 pela PADI. Hoje é mergulhador Técnico Trimix, Technical Cave Diver e Advanced Cave Side Mount / No Mount pela IANTD. Foi membro da expedição de mapeamento da Lagoa Misteriosa em Bonito-MS em 2008, idealizador do site Brasil Mergulho em 1998 (MTB 0081769/SP), atuando em diversas matérias e documentários no Brasil e no exterior. Também atuou como consultor para a ONU, UNESCO, além de diversos órgãos públicos no Brasil.