Capacetes para Sidemount: Light Monkey ou Adaptado ?

Capacete da Light Monkey à esquerda e o comum à direita - Foto: Clécio Mayrink

Até algum tempo atrás, pouco se falava no Brasil sobre mergulhadores de caverna usando capacete, mas o uso dele hoje em dia está se tornando cada vez mais comum.

O capacete de mergulho foi desenvolvido principalmente para mergulhadores de caverna, mais especificamente, para os mergulhadores que utilizam a configuração sidemount.

O uso do capacete permite ao mergulhador passar por restrições mais severas com mais segurança, pois muitas vezes ele pode acabar batendo ou raspando sua cabeça no teto ou em alguma parte pontiaguda da caverna, ocasionando ferimentos. Logo, esse acessório ganhou seu espaço entre os mergulhadores de caverna, porém, muitos passaram a usar capacetes de skatistas adaptados em razão do custo e facilidade de compra.

Mas seria uma boa ideia ?

Vejamos alguns aspectos:

Preço

Há um ano decidi comprar o capacete mais famoso do mercado e que é fabricado pela Light Monkey, nos Estados Unidos. Ele é feito em plástico resistente e custa em média US$ 75 nos Estados Unidos.

Levando em consideração o dólar de hoje, estamos falando de quase R$ 300 em um pedaço de plástico. Um capacete de skatista básico e sem muitas frescuras custa em média R$ 50 / 70 em São Paulo. Uma boa diferença de custo entre eles.

Máscara de Mergulho

O capacete da Light Monkey tem um encaixe perfeito com as máscaras de mergulho, já os modelos tradicionais, na maioria das vezes acabam encostando na parte superior da máscara, forçando algumas vezes ela para baixo, chegando a incomodar o mergulhador.

Cinta de Fixação

A cinta de fixação do capacete na cabeça deve ser resistente e possuir um fechamento (quick release) resistente. Capacetes comuns normalmente utilizam fechamentos de baixa qualidade, podendo abrir durante o mergulho, e isso não pode acontecer. Como as cintas são fixadas com pinos de fixação, fica complicado realizar a substituição desses fechamentos por um modelo mais resistente. O capacete da Light Monkey possui a cinta e o fechamento com alta qualidade.

Diferença média de 120g no peso – Foto: Clécio Mayrink

Peso

O peso do modelo fabricado pela Light Monkey registrou 270g na balança, com uma base para a câmera GoPro. O modelo comum registrou na balança 392g também com a base. Uma diferença aproximada  de 120g entre eles.

Resistência

Ambos são resistentes a impactos, e nesse quesito, acredito que é inegável que nenhum mergulhador vá bater com sua cabeça em algum local capaz de rachar qualquer tipo de capacete. Então, ambos atendem nesse aspecto.

Acabamento

Nos capacetes comuns, normalmente são usados metais não preparados para a água, e muito menos, para a água salgada. Com o tempo, podem enferrujar e se desfazer.

O capacete da Light Monkey utiliza peças metálicas preparadas para água salgada, e com isso, você elimina a possibilidade de ferrugem dessas peças.

Flutuabilidade Positiva

Deixei este ponto por último, pois acredito que seja o aspecto com maior diferença entre eles.

Normalmente os capacetes são comercializados com um acabamento em espuma, para que a cabeça do usuário não encoste diretamente na carcaça do capacete, dando mais conforto. O problema disso, é que embaixo d’´água essa espuma gera uma força positiva, fazendo com que o capacete tenha a tndência a subir e sair da cabeça durante o mergulho.

O capacete da Light Monkey utiliza um acabamento em plástico r possui um ajuste de diâmetro para que fique adequado e muito rente à cabeça de quem for usá-lo, eliminando essa possibilidade dele ficar saindo da cabeça.

Outro ponto importante, é que os capacetes comuns se projetam para os lados e quando o mergulhador exala o gás pelo regulador, parte das bolhas que sobem entram no capacete, se acumulando no interior dele e fazendo com que ele ganhe força para desgarrar da cabeça do mergulhador. Como o capacete da Light Monkey é projetado para entrar muito justo à cabeça do mergulhador, mesmo usando um capuz mais grosso, as bolhas não entram nele.

Segundo o fabricante o capacete deles se ajusta circunferências entre 52 à 58cm.

Mergulhador usando capacete adaptado antes de iniciar o mergulho – Foto: Clécio Mayrink

Conclusão

Desde 2008, quando participei de um mapeamento em Bonito-MS, passei a usar o capacete no mergulho em caverna. É um capacete de skatista adaptado para o mergulho, com a espuma interna parcialmente removida e algumas adaptações para um ajuste melhor. O equipamento continua em perfeito estado, com exceção dos arranhões na parte superior.

Após vários anos usando o capacete adaptado e agora tendo um Light Monkey, a minha opinião é que o capacete comum pode atender algumas as necessidades de um mergulhador de cavernas, mas de longe, o modelo mais usado no mundo, o Light Monkey, é de fato o melhor modelo disponível no mercado e que atende perfeitamente em todos os aspectos.

As diferenças são grandes entre o modelo adaptado e o da Light Monkey, e apesar do custo (a meu ver abusivo), certamente o capacete da Light Monkey é bem superior.

Um amigo do mergulho comentou que existem capacetes para canoagem que funcionam bem melhor que o capacete de skatista adaptado, tendo como vantagem a não utilização de espuma, e sim, antiderrapante usado em pranchas de surf e que não absorve água. Nunca utilizei esse tipo de capacete e levando em consideração essas diferenças, acredito que possa ser uma opção intermediária entre o modelo adaptado e o Light Monkey. Seria preciso verificar um de perto e testá-lo.

O capacete de mergulho pode ser considerado por muitos como uma bobagem e um assunto desnecessário para se chegar a ter um artigo, mas quando falamos de um esporte como o mergulho em caverna, que exige experiência do mergulhador, treinamento e equipamentos de alta performance, devemos ter em mente que devemos usar o que há de melhor e mais seguro para um mergulho deste nível, e pequenos detalhes podem fazer a diferença para um mergulho seguro e prazeroso.

Agradecimentos a operadora Orion Diver, pela colaboração para a realização dessa avaliação.

Clecio Mayrink
Nascido no Rio de Janeiro, ingressou no mergulho em 1987 pela CMAS e realizou Dive Master em 1990 pela PADI. Hoje é mergulhador Técnico Trimix (Mergulho Profundo) e de cavernas (Technical Cave Diver e Advanced Cave Side Mount / No Mount). É juiz internacional de apneia pela AIDA e foi membro da expedição de mapeamento da Lagoa Misteriosa em Bonito-MS em 2008. Foi o idealizador do site Brasil Mergulho criado em 1998 (MTB 0081769/SP), atuou como consultor para a ONU, UNESCO, além de diversos órgãos públicos no Brasil.