Cavernas: Mergulhar ou Emburacar ?

Tenho pra mim que mergulhar, é poder aproveitar as belezas naturais dos ambientes subaquáticos e ter a chance de poder admirar cada detalhe do ambiente, registrando em mente, tudo aquilo que pude ver e presenciar.

No caso do mergulho em caverna, tenho visto muitos vídeos de mergulhadores visitando cavernas lindíssimas, como as do México, por exemplo, mas em diversos deles percebe-se que os mergulhadores seguem o cabo guia batendo pernas sem parar, adentrando pela caverna sem nem olhar para os lados, e objetivo do mergulho que deveria ser a apreciação do ambiente como um todo, se transforma praticamente em uma “corrida contra o tempo” para se chegar mais longe no interior da caverna.

É como se muitos estivessem com um “tapa olho lateral”, aquele usado nos cavalos e que permite apenas uma visão frontal. Esses mergulhadores só olham para frente e saem batendo pernas para entrar, entrar e entrar cada vez mais na caverna, sem olhar para os lados e curtir aquele momento, aquele ambiente, aquele local.

Assistir alguns vídeos de mergulho em caverna chega a dar cansaço só de ver os mergulhadores batendo pernas o tempo todo e entrando cada vez mais.

Filmar um mergulho em cavernas como uma produção estilo “National Geographic” dá trabalho, pois o cinegrafista precisa gravar as cenas em posições combinadas e ângulos diferentes, o que requer tempo, mas quando falamos apenas em mergulhos convencionais, onde estamos “turistando”, será que realmente vale à pena mergulhar em caverna apenas pra sair batendo perna e ir entrando no ambiente sem ter a chance de poder perceber o que há no local e curtir as belezas que esse ambiente pode proporcionar ?

Talvez eu esteja ficando velho e crítico, mas acredito que o mergulho em caverna deve ser mais lento e de forma que permita aos mergulhadores poderem curtir cada detalhe do ambiente… o tom azulado da luz na água transparente, os reflexos das luzes nos acúmulos de bolhas no teto, as estalactites milenares, e aquela “sensação de ambiente pré-histórico” que as cavernas nos passam.

Clecio Mayrink

Nascido no Rio de Janeiro, ingressou no mergulho em 1987 pela CMAS e realizou Dive Master em 1990 pela PADI. Hoje é mergulhador Técnico Trimix (Mergulho Profundo) e de cavernas (Technical Cave Diver e Advanced Cave Side Mount / No Mount).

É juiz internacional de apneia pela AIDA e foi membro da expedição de mapeamento da Lagoa Misteriosa em Bonito-MS em 2008.

Foi o idealizador do site Brasil Mergulho criado em 1998 (MTB 0081769/SP), atuou como consultor para a ONU, UNESCO, além de diversos órgãos públicos no Brasil.