Cilindros X Teste Hidrostático e Inspeção Visual

Recentemente ocorreu um acidente envolvendo um sistema de recarga e um mergulhador que estava próximo, ocasionando na morte do mesmo.

Apesar do teste hidrostático estar em dia e ter sido feito à menos de dois anos, um dos cilindro do sistema da cascata que estava sendo utilizado na recarga de cilindros de mergulho durante a madrugada no live aboard, teve sua parte inferior descolada, quebrando algumas madeiras do casco da embarcação e ferindo gravemente o mergulhador que dormia na parte inferior da mesma.

Qual seria a explicação disso uma vez que o teste hidrostático estava em dia ?

O laudo do acidente ainda não saiu, mas tudo leva à crer, que o cilindro em questão possuía uma grande corrosão em sua parte interna, que não fora detectada no último teste, muito provavelmente pela falta da inspeção necessária para a medição da parede e detecção de corrosão, processo este feito através de ultrassom ou inspeção visual.

É mais do que comum vermos diversos profissionais de mergulho dizerem “o teste hidrostático está em dia”, e muitas vezes, nunca leu ou escutou fala na realização de inspeção visual, Visual Eddy e Ultrassom.

Segundo Miguel Lopes, técnico em compressores formado pela Bauer Miami e atuante no mercado há mais de 20 anos, é importante saber que nenhum destes testes ou inspeções garantem que um cilindro de pressão irá resistir à uma recarga após um teste.

Testes e inspeções são realizados para detectar rachaduras e/ou desgaste (corrosão) no cilindro, seja ele de alumínio ou aço. No alumínio também ocorre a corrosão, principalmente na rosca. Essa corrosão chama-se óxido de alumínio, onde muitas vezes, é possível encontrar furos disformes, segundo Miguel.

Rachaduras no cilindro
Rachaduras no cilindro

É muito importante saber que o teste hidrostático é requerido para detectar dilatações no cilindro, e também, vazamentos em rachaduras maiores, e não é garantido que o cilindro não possa vir a vazar ou romper sua parede, em função de uma micro rachadura. Isso é raro, mas não impossível…

Os fabricantes de cilindros recomendam uma inspeção visual na rosca e “pescoço”, além da utilização do Visual Eddy, que conectado a rosca do cilindro, envia informações precisas à um computador PC, exibindo a existência de micro rachaduras na rosca e no casco se for o caso. Essas micro rachaduras se expandem rapidamente até pescoço e podem gerar vazamentos assustadores ou explosões com sérios danos à quem estiver próximo.

É sabido que no Rio de Janeiro, há dois profissionais (Enio Couteiro e o Eduardo Figueiredo – Dudú) que utilizam o Visual Eddy para realizar Inspeção Visual em cilindros.

Ferrugem removida do cilindro
Ferrugem removida do cilindro

Estas inspeções devem ser feitas anualmente em todos os cilindros de aço e alumínio, sendo que, para cilindros de alumínio da marca Luxfer fabricados até 1989, a recomendação é o descarte do mesmo, pois existe uma grande possibilidade de micro rachaduras aparecerem logo após um teste hidrostático. A liga de alumínio usada na construção destes cilindros Luxfer até 1989, demonstrou ser mais suscetível às rachaduras.

Outro ponto raramente mencionado ou discutido, chama-se maresia.

Cilindros de pressão recarregados próximo ao mar acabam tendo uma degradação muito mais rápida, em função da maresia atuante na área estrutural externa e interna, uma vez que, nenhum compressor consegue evitar que o gás jogado sob pressão para o interior do cilindro esteja livre da maresia, permitindo uma degradação mais acelerada no interior do mesmo.

Funcionamento

O teste hidrostático por expansão volumétrica é realizado colocando o cilindro de alta pressão em um compartimento de testes, e a água por ser um elemento incomprimível, é inserida no cilindro até que pressão interna atinja uma pressão de teste pré-estabelecida. Após a remoção da água do interior do cilindro, é verificado a dilatação ocasionada pela pressão da água.

Se a dilatação voltou ao resultado anterior, o cilindro passa no teste hidrostático. Se a dilatação ocasionou alguma alteração que ultrapasse a medida de segurança, o cilindro é condenado e não poderá ser mais utilizado para o recebimento de altas pressões.

No caso da inspeção visual, como o próprio nome diz, é o ato do técnico realizar uma inspeção no cilindro de forma visual e/ou com equipamentos de análise estrutural, na tentativa de encontrar pontos específicos que demonstrem a possibilidade de uma possível ruptura do cilindro.

Trinca detectada na rosca do cilindro pelo Visual Eddy
Trinca detectada na rosca do cilindro pelo Visual Eddy

Equipamentos auxiliares

Equipamentos como o Visual Eddy, permite uma análise detalhada das condições em que o cilindro se encontra. Literalmente estes equipamentos realizam um Raio X do cilindro, permitindo o encontro de uma trinca oculta na parede do mesmo, o que é difícil de ser encontrada a olho nú.

Esse tipo de equipamento é caro, e infelizmente a grande maioria dos profissionais não trabalha com ele, seja por desconhecimento, seja pelo alto custo. Em média, seu custo gira em torno dos US$ 1.000 nos Estados Unidos, e se formos parar pra pensar, não é nada absurdo tendo em vista os benefícios que ele trará ao técnico que realiza os testes em cilindros, além da segurança que ele traz, é claro.

Falta de informação

Hoje o mercado têm como base, realizar testes em cilindros a cada 5 (cinco) anos, no entanto, a inspeção visual deve ocorrer a cada 2 (dois) anos. A Luxfer, principal fabricante de equipamentos de mergulho recomenda uma inspeção visual anual, contudo, estatísticas mostram que o mais indicado, é realizar uma inspeção visual em cilindros de operação comercial a cada 6 (seis) meses.

Outro ponto desconhecido por muitos, é o fato da normatização dos testes em cilindros de mergulho.

Nos cilindros de aço, a corrosão interna é um dos fatores que geram mais preocupações tendo em vista que a corrosão acontece na base do cilindro, e para detectar essa corrosão, a empresas de inspeção e manutenção utilizam o ultrassom e outros procedimentos para medir a espessura da parede. Segundo um técnico responsável pela realização de testes hidrostáticos de uma reconhecida empresa no ramo, o que normalmente ocorre, é que o proprietário envia um cilindro e pede somente o teste hidrostático, não realizando o teste de espessura da parede do cilindro.

A empresa que faz o teste acredita que só este serviço é o requerido, e poucas empresas perguntam ao cliente se ele não precisa fazer outros procedimentos.

Outra informação importante, proprietários de cilindros cuja fabricação é europeia devem saber que o aço utilizado têm espessura de 2,5mm, mas por tempera (que é uma excelência italiana). Esse cilindro está dentro das normas europeias. Já os cilindros de aço americanos, geralmente são fabricados com espessura de 4mm

O Brasil utiliza a normatização americana (DOT), e se você leva um cilindro de aço europeu até uma empresa brasileira que use o DOT como norma, seu cilindro será reprovado pela espessura da parede. É importante que os proprietários destes cilindros saibam disso e procurem locais especializados que tenham esse conhecimento sob as diferenças entre normas, para que o cilindro não seja reprovado erroneamente.

É sabido que uma determinada empresa teve seus cilindros reprovados erroneamente, acarretando em um prejuízo desnecessário.

Quando você levar um cilindro até uma operadora de mergulho, é muito importante exigir que a operadora apresente os laudos ou certificados, com os números bem visíveis quanto à série e lote dos cilindros examinados, e também, os adesivos das inspeções visuais nos mesmos. Temos que nos assegurar que o cilindro que levamos nas costas está em perfeito estado de conservação e uso.

Pontos importantes de uma recarga

Realizando os procedimentos corretos, não há grandes riscos em realizar uma recarga de cilindros de mergulho. Além do teste hidrostático e da inspeção visual, o técnico deve estar atento alguns pontos importantes. Vejamos abaixo:

Pressostato

É um instrumento de medição de pressão utilizado como componente do sistema de proteção de equipamento ou processos industriais. Sua função básica é proteger a integridade de equipamentos contra sobre pressão ou sub pressão aplicada aos mesmos durante o seu funcionamento.No caso das recargas dos cilindros de mergulho, quando a pressão de recarga ultrapassa um limite de segurança pré-estabelecido, o compressor vai parar de trabalhar, não deixando que o cilindro sofra com uma sobrecarga.

O pressostato é um equipamento auxiliar, e o responsável pela recarga jamais deve deixar o compressor de lado e ir embora, imaginando que ele irá desligar sozinho. A recarga precisa ser monitorada.

Válvulas de Segurança

Estas devem passar por uma manutenção com certa periodicidade. Assim como tudo na vida, elas requerem manutenção e uma inspeção de tempos em tempos é mais do que recomendável.

Aferição de Manômetro

Quantas vezes você já ouviu falar que o manômetro utilizado no sistema de recarga passou recentemente por aferição ?Sinceramente, nunca escutei ninguém falar sobre isso, e de fato, instrumentos de precisão necessitam passar por uma aferição de tempos em tempos, afim de verificar se o mesmo está indicando as informações de forma correta.

Pesquisando na web, constatei que estes manômetros após anos de uso, podem marcar erroneamente, e num dos exemplos encontrados, um manômetro indicava 3.000 PSI, quando na verdade deveria marcar 3.500 PSI.

Overpressure

É mais do que comum encontrarmos cilindros com pressão acima da recomendada. Isso degrada o cilindro mais rapidamente, assim como, nossos reguladores são configurados para atuar numa determinada pressão de trabalho. Não quero dizer que o regulador vai dar problemas de cara, mas tudo que sai das especificações do fabricante tende a dar mais problemas num futuro próximo.

Mangueira Flexível

Essa mangueira irá se romper, caso a pressão entre o compressor e o cilindro ultrapasse um limite seguro, não deixando que o compressor continue a enviar gás comprimido para o cilindro. Uma inspeção regular nessa mangueira do compressor é muito recomendável para saber seu estado.,

Válvula de Alívio

Recomenda-se uma inspeção regular e verificar se está regulada entre 3.300 e 3.500 PSI.

Filtro de separação de água

Esse filtro é mais do que recomendável, pois evita que o cilindro recarregado tenha água em seu interior. Havendo água, o processo de corrosão será acelerado.

Rosca da Torneira do Cilindro

Verifique o estado da rosca com um pequeno espelho normalmente utilizado pelos dentistas. Essa verificação permitirá ter a certeza de que a rosca encontra-se em boas condições.

Fixação dos Cilindros de Recarga

Cascatas ou reservatórios de ar em alta pressão dever estar firmemente fixados na parede e isolados do chão com estruturas adequadas para esta finalidade. Além de trazer segurança, evita que qualquer líquido no chão ataque a parede do cilindro.

Linhas de alta pressão no geral são conectadas com mangueiras flexíveis ou tubos rígidos, e no caso destes tubos, é necessário saber que vibrações no local da recarga podem comprometer as conexões. No caso de ruptura, um destes cilindros que não estejam bem fixados poderá se desprender e causar danos materiais ou físicos a quem estiver próximo.

 

Documentos adicionais

Atualmente somente a Cyltest Engenharia de Cilindros em Volta Redonda possui o certificado DOT, localizada à Rua José Gonçalves Rebollas, 1126 – Siderlândia – Volta Redonda – RJ  

Agradecimentos ao Miguel Lopes (Aqualung) e ao Mário e Humberto (TH Service), pela atenção e colaboração das informações prestadas para a elaboração deste artigo.

Clecio Mayrink

Nascido no Rio de Janeiro, ingressou no mergulho em 1987 pela CMAS e realizou Dive Master em 1990 pela PADI. Hoje é mergulhador Técnico Trimix (Mergulho Profundo) e de cavernas (Technical Cave Diver e Advanced Cave Side Mount / No Mount).

Foi membro da expedição de mapeamento da Lagoa Misteriosa em Bonito-MS em 2008, idealizador do site Brasil Mergulho em 1998 (MTB 0081769/SP) e atuou como consultor para a ONU, UNESCO, Segurança Pública, além de diversos órgãos públicos no Brasil.