Colete Stealth 2.0 da XDeep – Um equipamento de impressionar

Colete Stealth 2.0 da XDeep

Durante a feira do DEMA Show nos Estados Unidos, encontramos a grande maioria dos fabricantes de equipamentos de mergulho do mundo presentes num só lugar, apresentando as novidades em equipamentos de mergulho, para que os profissionais possam conhecer e ver de perto, o que há de novo no mercado.

Numa dessas ocasiões, conhecemos a XDeep, uma empresa sediada na Polônia e que inicialmente desenvolvia equipamentos para o mergulho técnico e caverna.

Tempos depois, um amigo comentou sobre o lançamento do colete Stealth 2.0 da XDeep, um colete para sidemount, dizendo que o equipamento era espetacular.

Contatamos a XDeep para falar do equipamento e eles enviaram um Stealth 2.0 para que pudéssemos conhecê-lo e usar o produto

Primeiras Impressões

O equipamento chegou numa caixa e muito bem embalado, com manuais, adesivos com o logotipo da marca e um kit para a montagem do colete. O Stealth 2.0 é um colete otimizável, isto é, ao recebê-lo você monta de acordo com o seu perfil, ficando muito bem ajustável ao corpo e não deixando nada exposto, evitando enroscos e oferecendo baixa resistência durante o deslocamento do mergulhador na água.

Independe se o mergulhador for alto, baixo, magro ou obeso… O Stealth é um colete que se ajusta perfeitamente ao corpo do mergulhador, possuindo diversas formas de configuração, atendendo desde um simples mergulho recreacional com apenas um cilindro ou extremamente técnico, com vários cilindros.

Recebemos o colete com o modelo de asa Tec, que pode ser usado com carga de até 45lb (19Kg), permitindo assim, o uso de stages. Há outros dois tipos de asas, sendo o modelo Classic extremamente pequeno, leve e excelente para viagens com pouca bagagem.

A traqueia é posicionada no canto esquerdo atrás do braço, ficando muito bem protegida contra impactos em restrições. Se o mergulhador quiser trocá-la de lado, isso pode ser feito facilmente, pois há no lado direito outro encaixe de traqueia.

A câmara de ar é dupla, muito mais resistente a perfurações e com muito menos chances de um possível vazamento durante o mergulho. O nylon que envolve a câmara é reforçado, provendo mais proteção para a câmara interna e a parte superior é reforçada para suportar a passagem do mergulhador por restrições.

Sendo necessária a utilização de lastro, há um Weight Pocket interno com capacidade para até 20Kg de lastro, onde as peças são fixadas individualmente, com facilidade e de forma rápida. Esse pocket é fixado entre o mergulhador e a asa, com possibilidade de ajuste de altura, melhorando ainda mais o trim do mergulhador.

A asa em forma de casco de tartaruga, pois ela fica muito justa na coluna do mergulhador, sustenta o lastro utilizado sem deixar que este peso atue na coluna do mergulhador, gerando um excelente conforto durante o mergulho.

Foto: Matteo Varenna – Sidemount Essentials

Mergulhando com o Stealth 2.0

Dia de sol e mar calmo, lá estava na Laje de Santos para ver o desempenho do Steath 2.0.

Logo de cara percebe-se um extremo conforto. As cintas conseguem manter o colete bem ajustado ao corpo e a colocação dos cilindros na configuração sidemount é bem fácil e rápida. A fixação é feita em uma peça em inox com leve projeção, o que facilita a clipagem dos cilindros sem estar olhando para os mosquetões, ajudando muito em mergulhos com grandes restrições. Os cilindros ficam bem rente ao corpo do mergulhador, e não fica “sabando” para os lados como ocorre em alguns coletes de sidemount.

Acessórios não são um problema

A acessibilidade das mãos na válvula de exaustão localizada na parte inferior da asa é feita facilmente. O mesmo ocorre com as carretilhas, spools ou qualquer coisa que esteja clipada na parte inferior do colete.

Decidi adicionar um Butt Plate (opcional) para aumentar a quantidade de itens a serem carregados, e mesmo tendo uma baixa estatura, não tive problemas para acessar os equipamentos.

A cinta entre pernas é diferente das cintas que passam pelos ombros, sendo bem flexível, não machucando o mergulhador.

O posicionamento da traqueia é excelente, ficando bem ajustada ao corpo do mergulhador. O acionamento do Power pode ser feito com movimento mínimo.

Parei diversas vezes para ver como estava o trim, e era absolutamente e perfeito. Conseguia ficar parado sem fazer qualquer tipo de movimento. Mesmo soltando os cilindros e colocando-os em posição No-mount, o trim permanecia sem esforço. A natação e o deslocamento são feitos com “precisão cirúrgica”, digo isso, porque me movimentava para alcançar um determinado ponto e alcançava com uma precisão incrível e sem variações para cima ou para baixo. Aspecto muito interessante quando o assunto é mergulho em caverna.

Conclusão

A XDeep foi extremamente detalhista no acabamento do produto, que é impecável e de impressionar. O conforto é memorável.

Analisando cada parte do equipamento, nota-se que cada centímetro foi muito bem planejado. Desde a costura, tipo de material utilizado e forma de fabricação.

O conforto durante o mergulho é fantástico e o trim, perfeito. Você consegue ficar no trim sem esforço algum, mesmo com tantos equipamentos, como se estivesse apoiando em algo, pois você não sai do lugar.

É um equipamento de alta qualidade e para ser usado por muitos anos.

A XDeep fabrica diversos outros equipamentos e possui representação em vários países do mundo, mas é possível comprar em distribuidores no Brasil, e até mesmo, comprar aqui para receber o produto em algum endereço lá fora.

Mais informações podem ser obtidas no site www.xdeep.eu

 

Análise

Clecio Mayrink

Nascido no Rio de Janeiro, ingressou no mergulho em 1987 pela CMAS e realizou Dive Master em 1990 pela PADI. Hoje é mergulhador Técnico Trimix (Mergulho Profundo) e de cavernas (Technical Cave Diver e Advanced Cave Side Mount / No Mount).

É juiz internacional de apneia pela AIDA e foi membro da expedição de mapeamento da Lagoa Misteriosa em Bonito-MS em 2008.

Foi o idealizador do site Brasil Mergulho criado em 1998 (MTB 0081769/SP), atuou como consultor para a ONU, UNESCO, além de diversos órgãos públicos no Brasil.