Como escolher seu regulador e o que significam todos aqueles códigos

Você concluiu seu curso de mergulho, foi mergulhar e adorou.

Grande novidade !   Mergulhar realmente é incrível.

Daí voltou para casa cheio de planos para os próximos mergulhos, cursos e equipamentos que pretende comprar.

Ótimo !   Você também foi atingido pela febre do mergulho, junte-se ao grupo.

Começa a ler revistas, navegar na internet, folhear catálogos tentando escolher os equipamentos que vai comprar. Decide que o próximo será um regulador. Caramba !  Existem no mercado uma grande variedade de reguladores, de várias marcas, modelos e preços. Qual devo comprar ?

A resposta não é fácil… Mesmo mergulhadores experientes tem dúvidas na hora de escolher um equipamento novo. Vamos tentar desvendar os mistérios por trás da fabricação e classificação de reguladores e avaliar se regulador é “tudo igual”. Ou se realmente existem diferenças entre as diversas marcas que justifiquem o reconhecimento (e preço !) que elas tem no mercado.

Matéria Prima
Matéria Prima

Fabricação

A fabricação começa muito antes de chegarmos as linhas de montagem. Uma equipe de engenheiros desenvolve um projeto, baseado em pesquisas de mercado, consulta mergulhadores, instrutores e chega a um desenho final. Passa pela fase de escolha do material. Latão, alumínio, aço inox, titânio ? Borracha, silicone, EPDM ?

Torno para dar forma ao equipamento
Torno para dar forma ao equipamento

O regulador que quer comprar será a cópia de outro modelo ou pretende comprar o original ? Faz diferença ?  Claro ! Quem desenvolveu o projeto original conhece os detalhes e sabe o porque de cada peça. Depois da fase de desenvolvimento, vem a fabricação. Será fabricação própria ou será terceirizada a linha de montagem ?

Seu regulador foi montado sob a supervisão de quem desenvolveu o projeto ou não ?

Torno para acabamento
Torno para acabamento

Quem controla a qualidade da matéria prima ?

Os tubos passam por tornos, para tomar forma. Podem ser manuais ou automáticos.

As peças passam então por um acabamento, normalmente banho de cromo. Depois, com as peças individuais prontas, o regulador é montado.

Banho de cromo
Banho de cromo

Pronto, temos um regulador montado.

Mas isto não é tudo. Dependendo da estrutura da fábrica e do custo que pretende ter no projeto, os reguladores podem ser testados individualmente ou por amostragem, antes de serem colocados no mercado. As grandes empresas testam individualmente seus reguladores. Isto garante a homogeneidade da produção.

Montagem manual dos reguladores
Montagem manual dos reguladores

Avaliação e reconhecimento

Após um projeto de um regulador ficar pronto, os fabricantes tentam obter reconhecimento da qualidade e desempenho de seus produtos. As classificações mais comuns hoje são: classe A e B da U. S. Navy e da Comunidade Européia (CE). Veremos mais adiante o que isto significa.

Mesmo com os reguladores recebendo estas classificações,

Área de testes de performance
Área de testes de performance

ainda podemos comparar os resultados dos testes para decidirmos qual é o mais interessante para nosso propósito.

Teste de Performance

Atualmente os reguladores de mergulho são testados em um equipamento conhecido como “Sistema ANSTI”. Existem 20 equipamentos destes no mundo.

Basicamente, durante os testes os reguladores são expostos em situações diferentes de esforço respiratório e profundidade.

Vamos aos números:

Primeiro é escolhida uma fonte de gás (cilindro) com uma pressão entre 750 e 1.500 psi.

Durante os testes é estabelecido um VRM (volume respiratório por minuto). Um mergulhador normalmente tem um VRM de 25 a 30 l/min.

O VRM utilizado nos testes é de 37,5 VRM na primeira etapa e de 62,5 na segunda etapa.

E cada VRM é testado em diferentes profundidades. Entre 132 pés (40 metros) e depois a 198 pés (60 metros).

Com isto, temos uma série de resultados, como esforço inspiratório, espiratório, etc. Mas o principal índice é o “esforço respiratório”. Quanto menor o “esforço respiratório”, medido em joules/litros, melhor o regulador.

As normas mais aceitas hoje são:

U.S Navy Classe B – aos 132 pés de profundidade, com 62.5 VRM, o “esforço respiratório” não pode ser superior a 1,4 joules/litro.

Padrão Europeu (CE) – norma EN250: aos 165 pés de profundidade, com 62.5 VRM, o “esforço respiratório” não pode ser superior a 3,0 joules/litro.

U.S Navy Classe A –  aos 198 pés de profundidade, com 62.5 VRM, o “esforço respiratório” não pode ser superior a 1,4 joules/litro.

Conclusão

Regulador NÃO é tudo igual !

Como na maioria dos equipamentos fabricados (e não estou falando só de equipamentos de mergulho…) a qualidade normalmente é refletida no preço.

O projeto, as matérias primas, o processo de fabricação, o sistema de teste e a garantia dada ao produto aumentam o valor final dos equipamentos de boa qualidade.

Isto não significa que você precisa comprar o equipamento mais caro que encontrar.

Nem que você precisa comprar o regulador de maior vazão ou desempenho do mercado.  Cada regulador tem uma indicação e provavelmente seu instrutor de mergulho ou escola pode lhe orientar nesta escolha, mas é importante que você saiba que existem normas para avaliação e classificação dos reguladores de mergulho.

Seguem algumas perguntas que você deve fazer na hora de escolher seu regulador novo:

  • A marca tem distribuidor autorizado em seu país ? Verifique nos sites oficiais se o representante é reconhecido pela fábrica.
  • A marca tem manutenção no Brasil ? Existem técnicos treinados e qualificados pela fábrica ?
  • Existem peças para manutenção ?
  • Consegue encontrar kits para manutenção anual facilmente nas lojas de mergulho de sua região ?
  • Os equipamentos tem garantia ? A garantia é válida por aqui ?
  • Os equipamentos obtiveram aprovação segundo as normas internacionais ?
  • Quantos instrutores utilizam este modelo / marca ?
  • Compare o índice de esforço respiratório dos equipamentos que pretende comprar.
  • Cuidado com os “palpiteiros” de plantão. A maioria destas pessoas emitem opiniões sem nunca terem utilizado o equipamento e sem ter parâmetros de comparação.

E o mais importante !

Use seu bom senso na hora da compra. Pergunte, procure, leia, se informe.

Agradecimentos: Scubapro, Oceanic e Aqualung pelo uso das imagens.

Marcos Reis (Marcão)
Mergulha desde 1980 e desde 1985 como mergulhador profissional. Como instrutor de mergulho, formou mais de 2.500 alunos e mais de 200 outros instrutores. Atualmente é coordenador de cursos da escola de mergulho Aventura Esportiva. Além das especialidades no mergulho profissional, é Instructor Trainer TDI e IANTD, Instructor Examiner DAN, certificado Platinum Pro 5.000 SSI e Instrutor de CCR Trimix.