Conhecendo os pontos de mergulho de Santa Catarina

Foto: Clécio Mayrink

Desvendar os mistérios da natureza sempre foi o objetivo de muitos aventureiros, dizer o que daqueles que buscam desvendar o mundo subaquático. São formas, cores e vidas que encantam e surpreendem nos primeiros minutos de mergulho. Muito são os pontos procurados para esta prática que vem conquistando cada vez mais adeptos e, Santa Catarina está na rota destes exploradores naturais

As águas claras e a rica fauna e flora marinha da Ilha do Arvoredo há muito tempo foi considerada como o principal ponto de mergulho do Estado. Porém após a sanção da região em Reserva Biológica Marinha do Arvoredo, o qual foi proibido qualquer atividade na Ilha e arredores – ficando somente liberada a ponta sul – começou a faltar opções para os mergulhadores que procuram novos desafios.

Assim, iniciaram-se as buscas para desvendar novos pontos de mergulho… E as possibilidades foram surgindo: Ilha das Aranhas, Ilha do Xavier, Ilha do Campeche, Ilha Mata-Fome, Ilha do Badejo, Ilha Moleques do Norte, entre outras. Todas localizadas ao longo da costa de Florianópolis e praticamente inexploradas pelas operadoras de mergulho da região.

E foi pensando em inovar e realizar um sonho, que nasceu a empresa Cultura Subaquática, buscando explorar outros ambientes, conhecer suas características e proporcionar uma interação homem-natureza ainda maior.

Principais pontos

Ilha do Xavier

Localizada 2,5 milhas em frente da Praia Mole, uma das praias mais famosas de Florianópolis. A ilha é comprida no sentido norte / sul e curta no sentido leste / oeste, protegendo do vento leste que se muito forte pode bagunçar a água, então a ilha ajuda a segurar o vento.

A profundidade varia de 5 a 18 metros. E na ponta sul possui um grande salão que abriga muitos peixes.

Ao lado da Ilha do Xavier, ainda há duas ilhotas com pedras ao redor, e onde naufragou em janeiro de 2008, o Atuneiro Alalunga VII. Conhecemos pouco dele, pois só o encontramos duas vezes, sendo a primeira em maio de 2008. A proa estava aos 23m de profundidade, ainda não bem assentado no fundo. O barco fazia barulhos arrepiantes !

Estas ilhotas possuem paredes que despencam para 30m ou mais. Este local pode apresentar correntezas fortes em alguns dias.

Ilha das Aranhas

Localizada entre as praias do Santinho e Moçambique, a menos de 1 milha em frente ao costão das Aranhas, a Ilha é composta de duas ilhas – em formato de ‘L’ -, o que proporciona encontrar locais abrigados para todas as direções de ventos devido a sua posição. Possui sete fendas que possibilitam mergulhos emocionantes. Os costões rochosos formam paredes íngremes onde mergulhadores experientes podem chegar até 30 metros de profundidade em alguns pontos, mas existem outros pontos mais rasos.

Para chegar nestas ilhas acima, a melhor opção é sair pelo canal da Barra da Lagoa (comunicação da Lagoa da Conceição – onde existem várias Marinas – com o Mar). Saindo deste, com a nossa lancha levamos 10 minutos até a Ilha do Xavier e 18 minutos para a Ilha das Aranhas em dias com pouco vento. Essas são ilhas desertas de costões rochosos e geralmente não desembarcamos nas ilhas.

A visibilidade destes locais pode variar muito, sendo a melhor condição, quando temos ondulação proveniente do sul, que traz águas muito claras e um pouco mais quentes. Pegamos dias de visibilidade “negativa” e de 20 metros de claridade que consideramos muito boa condição para o mergulho.

Ilha Mata-Fome

Localizada em frente à Praia dos Ingleses é uma ilha ideal para levar iniciantes, pois tem pouca profundidade, por volta de 12m. Há um ponto chamado de aquário onde residem muitos peixes coloridos e corais. Na sua ponta norte tem uma cordilheira de pedras que se estende até 18 metros de profundidade.

Nesta ilha, a regra da ondulação de sul para a melhor visibilidade se torna verdadeira. Porém, por ser uma ilha mais próxima da costa, em dias com grandes ondulações, pode ficar sujo e batido, o que se torna perigoso. Para chegar lá, encontramos com os clientes na Marina do Costão do Santinho, localizada no costão direito da Praia dos Ingleses (norte da Ilha) e vamos de barco até lá e a navegação não dura mais de 10 minutos.

Naufrágio dos Ingleses

Localizado, também, em frente à Praia dos Ingleses, a não mais de 100m da praia, existe um barco pesqueiro naufragado que abriga muitos animais e grande quantidade de ouriços. É importante ressaltar que para este mergulho é necessário águas claras devido à grande quantidade de pontas de ferros, o que pode tornar-se perigoso com pouca visibilidade. Sua profundidade máxima é de 7m e que, geralmente, não necessita de embarcação. Não é recomendada a entrada no naufrágio, pois existem muitas pontas de ferros e lama em seu interior, e qualquer descuido pode levar a um breu total e desorientação no interior do naufrágio.

Entre a fauna e flora encontrada nestes pontos de mergulho, podem ser vistos cações-viola, polvos, raias, tartarugas, garoupas, badejos, moréias, estrelas do mar, corais, entre outros… enfim, muita vida.

Para os mergulhadores avançados, sugere-se um mergulho noturno onde se pode encontrar grande quantidade tartarugas e animais maiores circulando na região.

Após o mergulho, a fome está grande, então se recomenda uma Sequência de Camarão para os amantes de frutos do mar em um dos milhares de restaurantes nas redondezas da escola e um bom descanso nas sombras das árvores na beira da lagoa, pura tranqüilidade!

Florianópolis possui quase 100 praias para visitação, umas com mais agito como a Praia Mole, Praia do Riozinho no Campeche, Jurerê Internacional com suas baladas durante o dia ou outras mais calmas como Praia da Armação e Moçambique. Há também, as praias onde só se chega de trilha ou barco, como é o caso da Praia da Lagoinha e Praia de Naufragados.

Na Barra da Lagoa, bairro onde a operadora está localizada, existem piscinas naturais que proporcionam mergulho livre para os amantes de apneia e também trilhas onde encontramos muitas artes rupestres e movimentos astronômicos onde o Instituto Arqueoastrônomico pode contar toda a história aos interessados.

Para os fissurados em atividades de aventura, Florianópolis possui diversas escolas de esportes radicais como vôo livre, surf, kite Surf, windsurf, rapel, rafting, wakeboard e etc. É só vir e escolher a atividade que mais combina com a sua vontade.

Nota: Esse artigo foi escrito com a colaboração de Fábio Fialho, que atuou como Dive Master em Bonaire e em Fernando de Noronha. Atualmente é instrutor PADI e é graduado em Engenharia de Aquicultura na UFSC.

Paula Martins Beck

Natural de Florianópolis-SC, atua como gerente da Escola de Mergulho Cultura Subaquática e possui certificação de Mergulhadora Avançada de Águas Abertas da PADI. Também estuda na Universidade Federal de Santa Catarina no curso de graduação de Engenharia de Aquicultura.