Construindo a sua própria Caixa de Equipamentos de Mergulho

Caixa de equipamentos de mergulho, é a opção escolhida por muitos mergulhadores para transportar seus equipamentos de mergulho com maior eficiência e segurança, onde além de tudo, normalmente é uma forma mais econômica quando comparamos as tradicionais bolsas de mergulho de grandes marcas.

Antes de se construir uma, deve se ter em mente, a real necessidade da mesma, pois como tudo na vida, há suas vantagens e desvantagens.

Vantagens

  • Por ser rígida, ela traz mais segurança ao equipamento. Se algo cai por cima por exemplo, não danificará nada;
  • Normalmente a construção de uma, gasta-se pouco;
  • Caminhando e transportando uma caixa dessas por grandes distâncias, cansa bem menos em função do menor esforço necessário.

Desvantagens

  • Tem que se construir. Não existem caixas prontas para aquisição;
  • Normalmente são volumosas, necessitando de um bom porta-malas;
  • Dependendo do local onde vai mergulhar ou do tamanho do barco, elas serão um incômodo.

Bom, partindo do princípio que mesmo assim você queira construir uma, seguimos então…

Suas partes

Para a construção de caixa de mergulho, você precisa adquirir os seguintes itens:

  • 1 caixa plástica e rígida, com a dimensão mínima de 70 x 35 x 35. Se você pensa em guardar uma roupa de neoprene também, o tamanho terá que ser superior. Fique atento ao tamanho de sua nadadeira. O ideal, é colocar o equipamento da caixa antes de comprá-la;
  • 4 rodas com base metálica e 16 parafusos cabeça chata e porcas. O ideal, é que as rodas e parafusos sejam em aço-inox, mais é uma escolha pessoal. Sendo de ferro, a água salgada irá fazer com que essas partes enferrujem, mas como eu disse, é uma escolha pessoal. No meu caso, acabei colocando só os parafusos em aço-inox, pois uma roda de ferro saía em torno dos R$ 9, contra os R$ 45 em inox cada, e estou com as mesmas rodas a 3 anos;
  • 1 metro de corda;
  • 1 metro de mangueira. Esta mangueira, deve permitir a passagem da corda pelo seu interior;
  • 1 elástico daqueles normalmente utilizados por motoqueiros;
  • 1 metro de lona de borracha.

Onde adquirir o material

  • Caixa – As lojas mais indicadas para a compra de uma caixa é a Guanaplast no Rio de Janeiro ou na Marfinite em São Paulo.
  • Rodas, parafusos, silver tape, mangueira e corda – Em casa de material de construção em geral.
  • Elástico – Em loja de motos.

Construindo a caixa

Caixa31 – Em cada extremidade da caixa, faça a marcação com a base quadrangular da roda, e em seguida, as perfurações para fixar a base da roda à caixa. Veja a foto 1.

2 – Faça uma abertura nas laterais da tampa da caixa conforme a Caixa6foto 2. Isto fará com que a tampa da caixa não saia da mesma.

3 – Faça 2 (dois) furos como demonstra as foto 3 e 4, para que você possa passar a corda. Dê um nó em sua extremidade e corte a corda deixando um tamanho adequado para que você possa utilizá-la como Caixa01uma alça. Antes de passá-la pelo segundo buraco na caixa e fazer um nó, coloque a mangueira já cortada. A mangueira servirá para não machucar a mão, caso a caixa fique pesada com a quantidade de equipamentos levados posteriormente.

Caixa54 – Faça um furo na lateral da caixa conforme a foto 5. Corte o elástico de motoqueiro ao meio, passe o mesmo pelo buraco e dê um nó para que ele fique preso à caixa. Este elástico servirá para que a tampa fique presa a caixa e não voe com o vento.

Caixa25 – Corte 4 pedaços de fita silver tape, para coloca-los por cima da cabeça dos parafusos da parte interna da caixa, como mostra a foto 6.

6 – Corte a lona de borracha com as dimensões do fundo da caixa. Caixa4Ela servirá para isolar o equipamento da caixa, para que não tenha contato direto com os parafusos de fixação das rodas, como mostram as fotos 7 e 8.

7 – Faça alguns furos na tampa da caixa para permitir a ventilação.

Caixa18 – Lixe todas as pontas da caixa, para evitar que alguém se corte com o plástico rídido da mesma.

Pronto !!! Você já tem uma caixa com rodas e de fácil transporte para seu equipamento.

Clecio Mayrink
Nascido no Rio de Janeiro, ingressou no mergulho em 1987 pela CMAS e realizou Dive Master em 1990 pela PADI. Hoje é mergulhador Técnico Trimix (Mergulho Profundo) e de cavernas (Technical Cave Diver e Advanced Cave Side Mount / No Mount). É juiz internacional de apneia pela AIDA e foi membro da expedição de mapeamento da Lagoa Misteriosa em Bonito-MS em 2008. Produziu documentários sobre as Bahamas, Bonaire, Galápagos e Laje de Santos, visitando mais de 30 países. Foi o idealizador do site Brasil Mergulho criado em 1998 (MTB 0081769/SP), atuou como consultor para a ONU, UNESCO, além de diversos órgãos públicos no Brasil.