Contra Torpedeiro Pará – Naufrágio artificial da Marinha do Brasil

Construído em 1942 para a Marinha Norte Americana como USS Guest – DD 472, foi transferido à Marinha Brasileira em 1959, após 4 anos de serviço à US Navy durante a segunda guerra mundial. Com 114 metros de comprimento e 2.050 toneladas de deslocamento, o USS Guest, ao se tornar uma unidade de nossa marinha foi renomeado “Contra-Torpedeiro Pará”- D 27.

A transferência aconteceu por meio de empréstimo e em Agosto de 1973, o CT Pará deixou oficialmente de pertencer à Marinha Norte Americana para se tornar definitivamente uma unidade da Marinha Brasileira.

O CT Pará pertencia à classe Fletcher que no Brasil é conhecida como Tipo 600.

Após dezenove anos de excelentes serviços prestados à Marinha Brasileira, o Pará recebeu baixa em 1978.

No ano de 1983, uma embarcação cruzou o destino do CT Pará: O submarino Ceará-S 14.

Também pertencente na sua criação em 1944 à Marinha Norte Americana, o USS Amberjack – SS 522 foi incorporado à Marinha Brasileira em 1973 e renomeado Submarino Ceará.

Este submarino teve uma ficha impecável de serviços e foi ganhador de quatro prêmios TORPEDEX.

Em 22 de Fevereiro de 1983, o S Ceará se dirigiu ao Sul do Farol de Cabo Frio para realizar exercícios de torpedo.

O Alvo ?

O ex – Contra Torpedeiro Pará.

O Submarino Ceará enfiou dois torpedos no casco do Contra Torpedeiro causando o naufrágio do mesmo.

A posição exata do naufrágio não é de meu conhecimento. Segundo algumas fontes, o exercício de tiro foi realizado a cerca de 80 milhas ao Sul do Farol de Cabo Frio. Esta distância que assusta e desanima qualquer esforço dos mergulhadores de naufrágio de iniciarem um busca por este navio, não significa que o navio esteja à 80 milhas da costa.

Atualmente, mergulhadores técnicos de naufrágio têm percorrido distâncias de mais de 20 milhas da costa para realizar mergulhos, e com o passar dos anos, a tendência é de que distâncias maiores sejam atingidas com o objetivo de encontrar outros navios.

E o Contra Torpedeiro Pará seria uma ótima opção.

Rodrigo Coluccini
Criador e proprietário da Revista Deco Stop, foi um dos responsáveis pela divulgação em larga escala das informações sobre naufrágios no litoral brasileiro, fato antes restrito a poucos. É co-autor do manual de naufrágios da certificadora PDIC. Seu trabalho é citado em vários livros atuais sobre história maritima brasileira confirmando a importância de seu trabalho.