DNOG

Laurindo Pita - Modelo idêntico ao antigo DNOG.

Data: 12/07/1942

GPS: 23º 07,690′ S / 44º 01,930′ W – Posição confirmada em 2008 pelo Capitão Basílio e equipe.

Localização: Ponta Grossa da Marambaia, nas proximidades da Ilha Grande.

Profundidade (m): 25

Visibilidade (m): 2

Motivo: Encalhe

Estado: Semi-inteiro

Carga: Material Bélico

Tipo: Rebocador

Nacionalidade: Brasil

Dimensões (m): 38.73 / 6.71 / 4.5

Deslocamento (t): 514

Armador: Marinha do Brasil

Estaleiro: Vickers, Sons & Maxim, Ltd., em Barrow-in-Furness.

Propulsão: Máquina à vapor com 850 HP

Fabricação: Meados de 1910

Notas:

O Rebocador de Alto Mar DNOG, ex-Teath, foi o primeiro navio a ostentar esse nome na Marinha do Brasil, em homenagem a Divisão Naval em Operações de Guerra, que tomou parte na 1ª Guerra Mundial de 1917 a 1918 sob o comando do Almirante Pedro de Frontin. Foi construido nos Estado Unidos em 1919. Foi adquirido pelo Governo brasileiro e incorporado à Esquadra pelo Aviso n.º 2181A de 16 de maio de 1928.

1928

Realizou uma viagem acidentada aos EUA, trazendo de lá, a reboque, um alvo de batalha adquirido para a Esquadra.

1931

Em fevereiro, passou a subordinação da Diretoria de Navegação. Entre 13 de agosto e 30 de novembro, realizou comissão de serviço de faróis e hidrografia no sul do pais.

1932

Em junho, voltou a subordinação da Esquadra.

1939

Em 18 de julho a noite, naufragou na Laje Chata, na baía da Ilha Grande. Durante vários meses foram feitas tentativas de resgate, sendo feito flutuar, mas ao ser rebocado para o Rio de Janeiro, foi definitivamente a pique nas proximidades da Laje da Marambaia.

A Marinha do Brasil teve um segundo rebocador também chamado de DNOG em 1972.

Fonte: Navios de Guerra Brasileiros

Redação
Se você possui mais informações sobre o assunto acima, entre em contato com a nossa equipe e ajude a tornar este site ainda mais completo. Isso ajudará os mergulhadores e todos aqueles que estiverem buscando por mais informações.