Entrevista: Nestor Magalhães

Apaixonado por livros históricos sobre o mar, se tornou um dos especialistas em história marítima militar do século XX e naufrágios ocorridos pelo mundo, chegando a visitar diversos deles.

Nestor-MagalhaesPosteriormente lançou alguns livros contando seus mergulhos e aventuras, sendo uma referência atual do mercado.

Quando você passou a gostar de naufrágios ?
Vou inverter a resposta. Comecei a gostar de naufrágios pelas páginas de Júlio Verne, degustando aos poucos o Vinte Mil Léguas Submarinas. Ali foi o começo de tudo.

Contudo ser mergulhador aconteceu muito tempo depois e foi por acaso. Não queria. Matriculado à força por dois colegas do Exército e chantageado a persistir no curso básico de mergulho até o fim (se desistir nós contamos no quartel que o amigo amarelou), sofri como um cão, pois não sabia nadar.

Sabemos que isto não é um pré-requisito para um curso de mergulho, mas atrapalha bastante, pois o aluno que não sabe nadar tem um medo instintivo da água. Mesmo assim eu persisti conseguindo a certificação CMAS em 1992, na antiga escola Dirceu Silva, Porto Alegre.

Hoje me considero um modesto mergulhador CMAS**, com pouco mais de 200 mergulhos logados e com os cursos de Nitrox e de Roupa Seca, mas uma espertíssimo pesquisador de História Militar do Século XX.

O que motivou a viajar para conhecer os naufrágios históricos de perto ?
Descobri que existe também muita história no fundo do mar, algumas delas intocadas, cheias de mistério e encantamento.

Na sua opinião, que naufrágios mais importantes você já mergulhou ?
Foram vários, todos emocionantes. Posso citar facilmente o vapor Ana Cristina no Parcel de Manoel Luís, no Maranhão, um bombardeiro Betty em Truk Lagoon, o encouraçado Markgraf em Scapa Flow, um hidroavião Dornier 26 em Narvik, um caça Corsair no Havaí, restos do encouraçado Tirpitz na Ilha Hakoy, o transporte SS Thistlegorm no Egito, o vapor Itapagé em Alagoas, o submarino U-20 na Turquia. O submarino U-701 nos EUA, destróier HMS Maori em Malta, um hidroavião Catalina em Guadalcanal, um bombardeiro B 17 Fortaleza Voadora também em Guadalcanal, outro submarino, o U-171, no Golfo de Biscaia, dentre outros.

Que mergulho em naufrágio você mais gostou e por quê ?
Penetrar o bombardeiro Betty em Truk Lagoon, conferindo todos os detalhes e relembrando da Batalha Aeronaval da Malásia quando estes aviões bombardearam e torpedearam o encouraçado HMS Prince of Walles e o cruzador pesado HMS Repulse, foi inesquecível e eletrizante. Consegui uma bela foto na torre de dorso do metralhador do bombardeiro e esta imagem é a capa do meu segundo livro De Truk a Narvik – Mergulhando na História. E se este avião fosse um dos que estiveram nesta batalha ?  Minha nossa !

Você chegou a ter algum tipo de problema mergulhando em naufrágios ?
Um único. Mergulhei no naufrágio do U-171, a 42m no fundo do Golfo de Biscaia, com mais quatro mergulhadores franceses. Não planejamos a penetração, mas vi uma grande escotilha redonda aberta, exatamente a que dava para a sala de controle, perfeita, convidativa, uma tentação.

Entrevista-Nestor1Esperei os franceses se afastarem para a popa e penetrei na Zentrale, a sala de controle. Uma volta rápida lá por dentro e o foco da lanterna foi mostrando uma desordem de tubos, placas, registros e vigas. Cabeleiras de fios pendiam do teto. Achei uma caixa de madeira engastada entre a ferragem apodrecida.

Pronto, ali estava o binóculo do comandante do U-Boat ou uma máquina Enigma, um inigualável suvenir.

Puxei com força, mas ao invés do binóculo ou da Enigma, subiu uma pesada nuvem de lodo marrom. Uma cortina escura, impalpável e cerradíssima que escureceu tudo, inclusive a escotilha de saída.

Foram alguns segundos de tensa expectativa. Fiquei imóvel na escuridão, deitado de barriga na lama gelada do assoalho até que a suspensão baixou e pude ver a rota de escape. Foi um susto.

Consegui me recompor e logo depois encontrei os franceses que nada desconfiaram do meu “passeio”.

Entrevista-Nestor2Quantos livros você já escreveu e quais os nomes ?
U Boats – Mergulhando na História, 271 páginas e mais de 200 fotos, lançado em 2010 e que está na sua terceira edição. De Truk a Narvik – Mergulhando na História, 280 páginas e mais de 300 fotos, lançado em 2015. Há a previsão de um terceiro livro para 2016/17 que deve se chamar De Guadalcanal a Malta – Mergulhando na História.

Como os interessados podem adquirir seus livros ?
O leitor interessado poderá entrar em contato com o autor pelo site www.cavaleirodasprofundezas.com

O valor atual de ambos os livros, custa R$ 49, já autografados pelo autor e enviados via postal para todo Brasil.

Redação

Se você possui mais informações sobre o assunto acima, entre em contato com a nossa equipe e ajude a tornar este site ainda mais completo. Isso ajudará os mergulhadores e todos aqueles que estiverem buscando por mais informações.