Flash embutido da DSRL não levanta – Como resolver ?

Sapata do flash externo - Foto: Clécio Mayrink

Recentemente estava em uma viagem de mergulho, quando me deparei com um pequeno problema que poderia ter me prejudicado na captação das fotos de mergulho… o flash interno da câmera não abrir e ligava…

No caso das câmeras DSLR usadas nas caixas estanques, normalmente utilizamos o flash interno da câmera para disparar os flashs subaquáticos externos, através dos cabos óticos. Esses cabos conduzem a luz emitida pelo flash interno da câmera aos flashs subaquáticos, fazendo o acionamento desses.

Durante um mergulho em um naufrágio, desliguei o flash interno da câmera simplesmente baixando ele, com intuito de fazer algumas imagens com luz natural. Poderia te desabilitado esse flash usando o menu da própria câmera, mas acho mais demorado e muito “aperta daqui e ali” para concluir a operação.

Algum tempo depois quando desejava fazer mais fotos com o flash, pressionava o botão para que o flash da câmera abrisse e funcionasse, e nada… ele não abria, e com isso, fiquei sem poder a iluminação artificial.

Ao chegar em terra e com tudo desmontado, pude comprovar que mesmo pressionando manualmente o botão de acionamento, o flash interno da câmera não abria, como se algo estivesse impedindo a abertura e acionamento do dele.

Após algum tempo analisando o problema, encontrei a solução…

Toda câmera fotográfica DSLR possui uma base, também conhecida como sapata (hot shoe) onde encaixamos os flashs externos não subaquáticos, e nessas sapatas existem duas palhetas bem finas feitas de metal. Quando encaixamos o flash externo, essas finas palhetas são deslocadas para baixo e pressionam um micro botão acionador que informa para a câmera que há um flash externo encaixado na sapata, e por isso, o flash interno da câmera é automaticamente ignorado pela câmera.

Quando removemos o flash externo, essas palhetas sobem e deixam de pressionar o micro acionador. No meu caso, uma das palhetas havia perdido um pouco a flexibilidade, e continuava pressionado o micro acionador, “enganando” a câmera, passando a informação errada de que havia um flash externo conectado na sapata, quando na realidade não existia.

Reposicionando a palheta metálica - Foto: Clécio Mayrink
Reposicionando a palheta metálica – Foto: Clécio Mayrink

Resolvendo o problema

A solução é simples e rápida…

Usando alguma ferramenta com ponta bem fina ou em último caso, uma faca dessas de passar manteiga, basta encaixar entre a palheta metálica e a base da sapata, e empurrar a palheta para cima, fazendo com que ela fique sem o toque com o micro acionador.

Eliminando esse contato da palheta com micro acionador, a câmera passa a entender que não há flash externo encaixado nela e permitirá o acionamento do flash interno sem problemas.

É uma bobagem que pode fazer você perder as fotos de um mergulho.

Flash interno da câmera aberto e funcionando perfeitamente - Foto: Clécio Mayrink
Flash interno da câmera aberto e funcionando perfeitamente – Foto: Clécio Mayrink
Clecio Mayrink

Nascido no Rio de Janeiro, ingressou no mergulho em 1987 pela CMAS e realizou Dive Master em 1990 pela PADI. Hoje é mergulhador Técnico Trimix (Mergulho Profundo) e de cavernas (Technical Cave Diver e Advanced Cave Side Mount / No Mount).

Foi membro da expedição de mapeamento da Lagoa Misteriosa em Bonito-MS em 2008, idealizador do site Brasil Mergulho em 1998 (MTB 0081769/SP) e atuou como consultor para a ONU, UNESCO, Segurança Pública, além de diversos órgãos públicos no Brasil.