Galeão Nossa Senhora do Rosário

Durante o curso das invasões holandesas ao nosso território, uma batalha naval ocorreu em 1648 nas águas da Bahia, envolvendo três embarcações, duas holandesas, os galeões Utrecht e Huys Van Nassau; e uma portuguesa, o galeão Nossa Senhora do Rosário.

A esquadra holandesa conseguiu flanquear o Nossa Senhora do Rosário em ambos os bordos e vendo que iria sofrer uma abordagem, seu comandante resolveu atear fogo em seu paiol, o que provocou uma grande explosão.

O resultado da manobra suicida foi o afundamento imediato do Utrecht e do Nossa Senhora do Rosário, com grande perda de vidas em ambos os lados. Consta que somente 26 marinheiros do Utrecht sobreviveram. Já o Huys Van Nassau se viu extremamente danificado e acabou indo para em Itaparica-BA, onde fora capturado pelos portugueses, sendo posteriormente, recuperado e rebatizado como Fortuna.

Gravura representando a abordagem do Nossa Senhora do Rosário (ao meio) pelas embarcações Utrecht e Huys Van Nassau.

Os destroços das embarcações Utrecht e Nossa Senhora do Rosário foram descobertos pelo mergulhadores de compressor, e explorados na década de 80, em operações autorizadas pela Marinha e em outras operações clandestinas.

O sítio de mergulho do Utrecht, localizado a 21 metros de profundidade, já foi visitado diversas vezes pelas operadoras de mergulho de Salvador. A localização do Nossa Senhora do Rosário, no entanto, se restringia somente a pessoas que exploraram por muitos anos o Utrecht e que também fizeram suas incursões ao galeão português em busca de artefatos.

naufragios-gps

As informações para a busca ao sítio do Nossa Senhora do Rosário

Com o objetivo de mergulharmos no Nossa Senhora do Rosário e explorarmos a área para a realização de um croqui e divulgação do ponto como destino de mergulho, nos munimos de algumas informações que nos foram passadas por mergulhadores que exploraram o Utrecht e o Nossa Senhora do Rosário na década de 80, assim como, de informações constantes em livro sobre naufrágios na costa da Bahia.

As informações que nos foram passíveis de apuração foram:

Marca de um canhão que estava perdido próximo ao Utrecht (27 metros de distância), nas coordenadas S 13º 07.843’ / W 38º 39.223’ (WGS 84) e que poderia indicar a proximidade do Nossa Senhora do Rosário. Essa posição foi obtida pelo mergulhador Eurípedes durante um mergulho anterior no Utrecht, e o rumo de busca saindo desse naufrágio seria o norte (352º);

Informação prestada pelo senhor Walter Andrade, um dos que exploraram com autorização da Marinha os naufrágios do Utrecht e o Nossa Senhora do Rosário na década de 80, ao mergulhador Eurípedes: seguir rumo sul a partir do Utrecht. O Nossa Senhora do Rosário estaria próximo ao galeão holandês.

mergulhador-canhaoCoordenadas obtidas no livro “Naufrágios e Afundamentos” da costa da Bahia, do professor José Góes de Araújo, que indicavam estar o Utrecht na posição S 13º 07′ 30″ / W 038º 39′ 13″ e o Nossa Senhora do Rosário na marca S 13º 07′ 30″ / W 38º 39′ 10″. Segundo essas coordenadas, ambos os naufrágios estariam distantes cerca de 54 m, rumo 94 graus (Leste), partindo do Utrecht. De logo descartamos parte dessas informações, já que de antemão sabíamos que na verdade o Utrecht estava na posição S 13º 07,828’ / W 038º 39,223’. Assim, examinando a marca do Nossa Senhora do Rosário constante do livro com a que tínhamos do Utrecht, os navios estariam distantes cerca de 1040m e o rumo de busca deveria ser 13º.

Por último, havia o relato de um mergulhador que trabalhou muitos anos na exploração do Utrecht e que relatou ter mergulhado nos destroços do Nossa Senhora do Rosário. Segundo esse mergulhador, o Nossa Senhora do Rosário estaria na direção da cidade de Salvador, a uns 200 metros do Utrecht.

Essa última informação, que foi obtida pelo mergulhador László Mocsári, se mostrou a mais factível, já que o explorador relatou inclusive como seria o sítio do naufrágio, com pedras de lastro e outras partes formando uma elevação que se projetava do leito submarino cerca de 2 a 3 metros. Além disso, segundo esse informe, no meio do caminho entre o Utrecht e o Nossa Senhora do Rosário encontraríamos um grande canhão de 4 tons perdido no cascalho.

Com base nisso, László Mocsário, lançando mão das coordenadas já conhecidas do Utrecht, esboçou qual seria a provável posição do Nossa Senhora do Rosário e o rumo de busca que deveria ser feito para chegarmos nele nadando a partir do outro naufrágio. Veja a figura ao lado

A preparação e execução do mergulho de busca

Planejamos nosso mergulho dividindo a equipe em duas, já que uma estava equipada com rebreathers de circuito fechado Innerspace Systems Megalodon e a outra com circuito aberto.

A equipe que iria mergulhar de rebreather, constituída pelos mergulhadores Bruno Fagundes e László Mocsári, iria começar a busca nadando do Utrecht com um azimute de 45º, que era o rumo calculado do Utrecht para Salvador. Para cobrir uma área de busca mais extensa, os dois mergulhadores ainda carregando scooters Divetrek Polaris, que tinham uma autonomia estimada, com baterias de chumbo ácido (Pb), de 3 km na velocidade máxima de 50 metros / minuto.

O planejamento previa um mergulho de 4 (quatro) horas de tempo de fundo, com paradas descompressivas aos 9 e 6 metros, Set Point de 1.0 PpO2, Diluente o EAN 32, uso do algoritmo Bulhman ZHL 16B, Gradient Factor 15/85, conforme descrição abaixo.

  • Bulhman ZHL 16B – GF 15/85
  • 21 metros – 240 minutos – CCR
  • 9 metros – 7 minutos – CCR
  • 6 metros – 45 minutos – CCR
  • Runtime: 292 minutos + parada de segurança

Também foram rodadas tabelas prevendo o procedimento de bail out com o uso do EAN 32    em cilindros de 80 pés. Além disso, ambos os mergulhadores estavam equipados com computadores de mergulho VR3 rodando algoritmo Bulhman, que serviriam de back up.

Para a execução desse longo mergulho, recebi como apoio da empresa HB Defense, fabricante da Cal Sodada Atrasorb, uma espécie cal de alta capacidade absorção de CO2, destinada apenas ao mercado militar e antes testada durante 8 horas no sistema de depuração de gases do submarino S34 Tikuna. Essa Cal, que já está em vias de comercialização para as Marinhas do Brasil e África do Sul, me foi cedida gentilmente pelo senhor Harry Baukelmann para testes e se mostrou mais uma ferramenta para agregar segurança a mergulhos de longa exposição com rebreathers.

A outra equipe, constituída pelos mergulhadores Eurípedes Vieira e Ricardo Villegas, iriam usar equipamento de circuito aberto e fazer um primeiro mergulho no Utrecht. Depois, aguardariam na superfície o lançamento de um decomarker na cor amarela, caso fosse encontrado os destroços do Nossa Senhora do Rosário, para só então caírem novamente na água para mergulhar nesse naufrágio.

Caso houvesse alguma contingência de descompressão à deriva ou outra emergência qualquer, a equipe dos rebreathers lançaria um decomarker vermelho e então a embarcação de apoio, comandada pelo experiente mestre Carlinhos, deveria suspender o seu fundeio no Utrecht e partir para o resgate.

Combinamos nosso mergulho para o sábado, dia 06/12/2008, mas em razão de fortes ventos que assolavam a costa de Salvador, foi necessário adiar a expedição por um dia. No dia seguinte, com um ensolarado domingo de dezembro, partimos em direção ao Utrecht, tendo a nossa embarcação Marline levado cerca de 2 horas e 30 minutos para chegar ao ponto de mergulho, já que o vento, apesar de ter diminuído bastante, ainda atrapalhava a navegação.

Chegando no ponto de mergulho, fundeamos sem problemas a embarcação e começamos a nos preparar para o mergulho, tomando o cuidado de conferir a azimute de busca com relação ao ponto mais proeminente de Salvador, já que o melhor informe que recebemos, dizia que nós deveríamos seguir em direção à cidade para encontrar o naufrágio.

Desse modo, resolvemos mudar nosso plano original de começar a busca no azimute 45º, seguindo então a azimute de 60º, já que essa direção dava justamente no ponto da cidade de Salvador mais em evidência olhando-se a olho nú do Utrecht, que era a região do Farol da Barra.

Ao cairmos na água, nadamos com o auxílio dos scooters até uma das âncoras do Utrecht e nela amarramos uma de nossas carretilhas primárias para servir de guia ao ponto de retorno de nossa busca. Checamos os instrumentos dos rebreathers, ajustamos os tow rope dos scooters e seguimos em direção à rumada 60º, sempre atento a alguma peça de naufrágio ou presença de peixes que pudessem indicar a proximidade do Nossa Senhora do Rosário.

Logo ao iniciarmos a busca, numa imagem meio que épica, como diria László depois do mergulho, fomos brindados pela presença de uma grande arraia chita, que nos fez desligar por alguns instantes os motores dos scooters para não assustá-la, afim de que fosse possível bater algumas fotos.

Após o encontro com a arraia, seguimos a nossa busca, tendo eu, que estava com o scooter mais lento, seguido na frente com o objetivo de fazer verificação na área, vindo László logo atrás, com a incumbência de lançar o cabo da carretilha primária. Esse arranjo de busca se mostrou eficiente, já que após uns 180 metros de cabo lançados, começamos a perceber à nossa direita, a presença de muitos peixes, sendo uma indicação de que havia algum acúmulo de pedras ou naufrágio nas proximidades.

Logo após, avistamos algumas âncoras do tipo almirantado e demos com a elevação de cerca de 2 metros de altura, formada de pedras de lastro e outras peças em elevado estado de concreção, indicando que ali estava o epicentro do naufrágio do Nossa Senhora do Rosário.

Começamos a providenciar o lançamento do decomarker amarelo para indicar a posição do naufrágio e podermos iniciar a fase exploratória do mergulho, a fim de conhecermos o sítio histórico.

Ao final, depois de muitos lançamentos e recolhimentos de cabo de carretilha, foi possível ter uma idéia geral do sítio, onde se encontram os canhões e outras peças bem espalhadas, mapa-NSRosario-Utrechpara permitir a elaboração de um croqui que poderá servir de guia para futuras operações de mergulho no local.

Conclusão

Esperamos que agora muitos mergulhadores de Salvador e de outras partes do Brasil, possam realizar o seu sonho de conhecerem o naufrágio do Nossa Senhora do Rosário, o qual certamente sempre despertou grande curiosidade pela história em que se deu o seu afundamento.

Ele está nas coordenadas Latitude sul 13° 07.783′ / Longitude oeste 38° 39.143’ (WGS 84), que já foram divulgadas ao grande público pela Internet. As operadoras de mergulho de Salvador certamente poderão levar os turistas para conhecerem ambos os sítios de mergulho.

Essa posição inclusive já foi verificada em outro mergulho, durante a primeira operação comercial para o Utrecht e Nossa Senhora do Rosário, que ocorreu em 14/08/2008, uma semana após a realização de nossa busca.

Gostaria de agradecer os participantes dessa expedição: László Mocsári, Eurípides Vieira Lima e Ricardo Villegas, pela companhia nesse excelente dia de mergulho. Além disso, gostaria também de agradecer ao mestre Carlinhos, sempre atencioso e de bom astral, mesmo nas horas mais difíceis; ao senhor Harry Baukelmann (HB Defense), pela gentileza no fornecimento da Cal Sodada Atrasorb de formulação especial. E por último ao amigo Mike Netto (Rebreather Clube do Brasil) e também ao casal Rodney Nairne & Suzie Dudas, da Silent Submerge: sem vocês o meu scooter não estaria funcionando.

Bruno Fagundes
Nascido no Estado do Rio de Janeiro, mergulha desde 1992, quando fez o seu curso básico na escola de mergulho AquaRio (Cabo Frio, RJ). É graduado em direito pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Oficial da Reserva do Exército, ex-Procurador Federal e atualmente Procurador do Estado da Bahia. Tem como foco de interesse a realização de mergulhos profundos e com rebreather de circuito fechado. Atualmente é mergulhador de rebreather CCR Megalodon e Divemaster pela IANTD, tendo também as certificações IANTD CCR Trimix, IANTD CCR Normox Trimix, TDI Extended Range Diver, TDI Trimix Diver, TDI Advanced Nitrox Diver, TDI Decompression Procedures Diver, DSAT Tmx Gas Blender e PDIC Divementor.