A identidade do Navio do Breu

Foto: Clécio Mayrink

Pela terceira vez no Brasil Mergulho o “Navio do Breu” volta as manchetes.

Após a notícia da localização e da identificação de sua carga, agora a identidade do navio vem à tona.

Durante trabalhos de pesquisa realizados por mim sobre um vapor chamado “Petrel” foram notadas diversas coincidências em relação ao que vi nos destroços do “Navio do Breu”.

O “Petrel”, construído em 1911 na Inglaterra pelo estaleiro Osborne Graham para a empresa Sul Rio Grandense de Navegação, era um vapor de cabotagem de 599 toneladas.

Deixou o Rio Grande do Sul em 29/05/1915 e em 18/08/1915 foi dado como perdido em local ignorado. 

Choque de informações

Os dados mencionados acima foram conseguidos no Lloyd´s Register, que é uma instituição que lida com seguro de cargas e navios e mantêm um registro de acidentes de navegação.

Um outro local onde consta o naufrágio do Petrel é o “Subsídios para a história marítima brasileira” publicado pela nossa marinha. Segundo o “Subsídios”, o “Petrel” naufragou na costa sul do Rio de Janeiro, após ter se chocado com a barca Storning.

A diferença entre estas duas fontes é em relação ao ano de afundamento. No Lloyd´s Register consta como naufragado em 1915 e no Subsídios em 1916.

As coincidências

Ano de construção 1911: Os tipos de estruturas encontradas no Navio do Breu parecem ser deste período.

Tamanho do navio: O Navio do Breu é um navio pequeno e assim era o Petrel, um vapor de cabotagem de 599 toneladas.

Carga: O Petrel viajava do Rio Grande do Sul para o Rio de Janeiro. No Navio do Breu existem centenas de garrafas com os escritos: “João da Silva Silveira – Chim Pharm – Pelotas – Rio Grande do Sul.

Uma das cargas do Petrel era Pipas de Graxa Rio Grandense. O Navio do Breu tem este nome por ainda ser visto no local remanescente de uma carga que podem ser pipas de breu (ou graxa).

Local

Segundo “Subsídios para a história marítima”, o Petrel naufragou na costa Sul do Rio de Janeiro e a localização dos destroços do Navio do Breu indicam este rumo.

As coincidências e a vontade de declarar o “Navio do Breu” como sendo o “Petrel” são grandes mas ainda falta “um elo da corrente” para que possamos confirmar com 100% de certeza que o “Navio do Breu” é o “Petrel”.

Qualquer informações que os leitores queiram nos enviar para ajudar na solução final deste mistério serão bem vindas.

Rodrigo Coluccini
Criador e proprietário da Revista Deco Stop, foi um dos responsáveis pela divulgação em larga escala das informações sobre naufrágios no litoral brasileiro, fato antes restrito a poucos. É co-autor do manual de naufrágios da certificadora PDIC. Seu trabalho é citado em vários livros atuais sobre história maritima brasileira confirmando a importância de seu trabalho.