Japão – Trabalhando e mergulhando no outro lado do mundo

Foto: Lúcia Terui

No final do ano de 2004 nascia a Equipe Mergulho, com uma idéia fixa de atender profissionalmente os mergulhadores brasileiros e japoneses, Alexandre Shimoishi e eu, decidimos abrir uma escola de mergulho no Japão.

Alexandre Shimoishi tornou-se instrutor de uma certificadora japonesa e fiz o os cursos até o Divemaster pela PADI.

Em 2005 iniciamos a programação de cursos e turismo pelo Japão e ilhas asiáticas, mas com certa dificuldade, devido as diferenças na forma de condução dos mergulhadores, mas rapidamente nos adaptamos, e ao final de 2005 a Equipe Mergulho havia ministrado mais de 100 cursos de diversas áreas, e realizado inúmeras saídas de mergulho, totalizando mais de 25 viagens de turismo dentro do Japão e uma internacional para a pequena ilha de Saipan.

Em 2006, resolvemos dar mais um passo para um crescimento, e o instrutor Alexandre Shimoishi tornou-se instrutor (atualmente MSDT PADI) e eu Assistente de Instrutor pela PADI, onde acabamos viajando durante 2 meses por terras brasileiras conhecendo diversas escolas e operadoras brasileiras, com ênfase nas regiões sul e sudeste. No retorno ao Japão formamos mais de 70 novos mergulhadores até o final de 2006.

Para 2007, esperamos ultrapassar o número de 100 novos mergulhadores, e estamos ministrando cursos nas cidades de Hamamatsu, província de Shizuoka e em Toyohashi na província de Aichi, onde ambas estão em média, a 300 km da capital do Japão, Tóquio.

No caso de Hamamatsu, por se localizar bem ao centro das duas maiores metrópoles japonesas (Tóquio e Osaka), é a cidade onde se concentra a maior população brasileira no Japão, atualmente estimada em mais de 20.000 brasileiros. Criamos um sistema de curso móvel, o que nos permite atender o Japão inteiro, de norte a sul, de leste a oeste. O sistema de cursos móvel formou até o presente momento, alunos em mais de 15 diferentes cidades.

Os mergulhos

As operações de mergulho concentram-se principalmente na península de Izu, na província de Shizuoka, onde se encontram mais de 50 diferentes locais para a prática do mergulho. Com toda a infra-estrutura desejada, sendo Osezaki, Oceanic Park e Futoh, três pontos mundialmente conhecidos, mas operamos também em outros locais, como em Kushimoto, na província de Wakayama, ao lado de Osaka. Kushimoto ficou mundialmente famoso devido à tentativa da criação do atum azul em cativeiro.

Osezaki

Já Osezaki, está localizada a 100 Km de Tóquio, onde a melhor época para se mergulhar é no outono, entre os meses de setembro à dezembro, é quando a água está mais limpa. Na época do verão, de maio a agosto, chegam a frequentar este  ponto de mergulho cerca de três mil mergulhadores aos domingos.

Osezaki é uma pequena península onde se pode mergulhar em 10 pontos diferentes com saídas de praia e três pontos embarcados. Nesta pequena península encontram-se cerca de 10 operadoras de mergulho. Em matéria de infra-estrutura é excelente. Muitos chuveiros, lugares para lavar o equipamento e para deixá-los secando à sombra.

Dentro d’água, a visibilidade gira em torno de 15 metros, chegando aos 25 metros nas melhores épocas do ano. A vida é extremamente exótica, pois encontramos peixes como o Frog fish, inúmeros Lion fish, peixes Palhaço, peixes Lua, muitos corais mole, gorgônias centenárias, entre outros, já foram avistados tubarões Martelo e arraias Manta.

A composição do fundo é areia e pedras e com leves correntezas, onde as profundidades possuem variações, sendo um local para todos os níveis de mergulhadores, e normalmente encontramos desde mergulhadores básicos até os mergulhadores técnicos, pois é comum os mergulhos mais profundos.

Oceanic Park

Outro ponto muito conhecido é o Oceanic Park, com uma das melhores infraestruturas do Japão. No Oceanic Park, atualmente estão à disposição dos mergulhadores dois mil cilindros, que são alugados quase que por completo todos os finais de semana. Ao contrário de Osezaki, o Oceanic Park é uma única operadora.

Dentro da água a composição do fundo é de pedra, somente depois de uma natação de mais ou menos 100 metros, chega-se na areia, onde a profundidade gira em torno dos 18m.

A partir do ponto de entrada em Ocean Park, se nadarmos para a direita, chegamos à um ponto onde a profundidade chega aos 40 metros. Uma das atrações do parque é uma caixa de correio onde se pode colocar cartões postais comprados na operadora, e eles entregam em todo o Japão o cartão com o endereço que você colocou. Esta caixa de correio encontra-se aos 18 metros, sendo um atrativo local.

Oceanic Park é uma operadora para toda a família, pois ela dispõe de várias atrações para os visitantes também, com cinco piscinas para crianças e adultos.

Como mergulhar

A Equipe Mergulho faz operações frequentes nestes lugares, para os brasileiros que tiverem interesse, podem nos contatar através dos telefones (090) 4865-9886 com Alexandre Shimoishi e (090) 2183-7374 comigo. Por e-mail, basta enviar uma mensagem para mergulho@mergulho.jp

No site mergulho.jp disponibilizamos algumas informações sobre os mergulhos no Japão, assim como os cursos móveis que realizamos em todo o Japão.

Dicas

As companhias com maior número de vôos para o Japão, são a American Airlines, Delta e JAL. A American Airlines normalmente disponibiliza as passagens bem mais em conta, porém, o atendimento da JAL costuma ser superior, mas o custo da passagem também é bem maior. Todas as companhias fazem uma ou mais conexões nos Estados Unidos, e deve-se evitar muitas paradas, para que a viagem não se torne cansativa devido ao número de horas aumentar consideravelmente.

Não se deve esquecer que para viajar ao Japão, há a necessidade do visto japonês (tirado no consulado ou em agências) e visto americano (pode ser o de trânsito).

Algumas companhias fazem o trajeto via Europa parando em Milão, Paris ou Londres, sem a necessidade do visto americano, mas os valores acabam não compensando.

No Japão existem três aeroportos internacionais, para quem vai ficar no centro da ilha, deve desembarcar no aeroporto central, onde há diversas opções de mergulhos, e para quem for ficar ao sul, deve desembarcar no aeroporto de Osaka, onde há opções de mergulho na província de Wakayama. Aquees que forem ao norte, devem desembarcar em Tóquio, e as opções de mergulho estão na província de Kanagawa e na pequena ilha de Ogasawara, onde podem ser avistados golfinhos.

Uma dica para quem vai cair na água no Japão, mesmo na época do verão entre maio e setembro, é a utilização de uma roupa de exposição com pelo menos 5mm de espessura, devido as correntes frias que passam pela ilha. Em mergulhos abaixo dos 18m já sentimos uma grande diferença, pois a termoclina dá as suas variações entre 26 graus na superfície e 18 graus no fundo, fazendo o mergulhador despreparado sentir um friozinho.

Em outras épocas do ano mergulhamos com a roupa seca, muito comum no Japão. Aqui é muito comum usar uma roupa seca para mergulhos recreativos, e no inverno é indispensável.

Sobre hospedagem, aconselhamos aos visitantes, que tenham em mente o destino de mergulho, e procurar fazer a reserva nos resorts próximos ao ponto, a Equipe Mergulho também reserva pousadas e hotéis para os interessados.

A locomoção dentro do Japão é muito fácil e rápida, podendo atravessar o Japão em poucas horas, de trem bala. De carro não é difícil também, a via expressa atravessa o Japão de ponta a ponta.

Para os mergulhadores que chegam do exterior, a Equipe Mergulho vai recepcioná-los no aeroporto Central, sem a necessidade de se preocupar com transporte, e a partir da sede da Equipe Mergulho na cidade de Hamamatsu, partimos para os mergulhos. Para os mergulhadores que estão dentro do Japão existem inúmeras opções, o mais fácil e rápido é ligar para um dos telefones de contato (090-4865-9886 ou 090-2183-7374).