Laje de Santos: Instalação de placa e incursão pela ilha

Farol da Laje de Santos - Foto: Clécio Mayrink

Em 2011 fui convidado pelo Cláudio Poggetto, da operadora de mergulho Orion Diver, de São Vicente, para participar de uma incursão na Laje de Santos, com autorização e supervisão do José Edmilson Mello Júnior, diretor do Parque Estadual Marinho da Laje de Santos, para a colocação de uma placa e captação de imagens para pesquisas e estudos.

O evento mobilizou a equipe da Secretaria de Meio Ambiente, Instituto Florestal, Bombeiros, Polícia Federal, Operadoras de Mergulho e alguns voluntários.

O dia estava perfeito, ensolarado e mar extremamente calmo.

Chegamos como o previsto na ilha, mas o primeiro problema era o desembarque. Não existe local para aportar na Laje de Santos. Então, o jeito foi aproximar o máximo possível e pular na pedra, tomando cuidado para não nos machucarmos ou cairmos na água.

Feita a transferência da equipe e dos equipamentos, fomos realizar a instalação da placa, mas o que na teoria parecia ser fácil, em poucos minutos demonstrou não ser. O sol estava implacável e o calor que subia da pedra, nos dava uma sensação térmica muito maior do que a realidade. Após uma hora, finalmente a placa foi instalada.

Atobá em seu ninho com um isqueiro que ele recolheu no mar – Foto: Clécio Mayrink

Incursão

Por se localizar em um parque estadual marinho, a Laje está sob regras rígidas. Tomando todo cuidado possível e com a presença do diretor do parque, iniciamos a caminhada pela ilha. Pelo trajeto via diversos ninhos de pássaros, os principais habitantes da parte superior da ilha. Alguns ninhos continham ovos inclusive. Em outros, objetos jogados pelo homem no mar muitas vezes acabam sendo recolhidos pelos pássaros.

Ao chegarmos ao topo, posso dizer que fui premiado com a oportunidade de estar lá e poder aproveitar a belíssima vista lá de cima. Víamos os Calhaus ao fundo, as embarcações de mergulho lá embaixo, o farol bem próximo e o continente do outro lado. Uma visão inesquecível e privilegiada.

Mergulhando de sunga – Foto: Marco Martha

Lá de cima, é possível ter a real dimensão que a Laje de Santos tem em relação ao seu comprimento e sua importância para os animais que vivem por lá. O local é um enorme berçário que precisa permanecer protegido e monitorado pelas autoridades competentes, servindo como exemplo para outros locais que necessitam de proteção igual.

Após duas horas, aproximadamente, descemos em direção às embarcações, pois o calor estava insuportável. Devolvemos nossos equipamentos para a embarcação e literalmente nos jogamos na água para nos refrescarmos. Não havia corrente no dia e a água estava com a temperatura do mar do nordeste, ou seja, incríveis 28°C. A água estava extremamente transparente, devido à maré roxa naquela semana.

Esse dia foi inesquecível, pois além da visita na Laje e a oportunidade de poder apreciar a belíssima vista lá de cima, mergulhamos somente de sunga e sem roupa de mergulho, devido à temperatura da água naquele dia.

Agradecimentos

  • Cláudio Poggetto da operadora Orion Diver;
     
  • Junior Mello, diretor do Parque Estadual Marinho da Laje de Santos;
     
  • Marco Martha e Edinaldo Damasceno.

Esse artigo é dedicado a todos que participaram do evento e, principalmente, em memória de Edinaldo Damasceno, grande amigo e parceiro das aventuras de mergulho e da preservação do meio ambiente que, infelizmente, nos deixou este ano.

Clecio Mayrink
Nascido no Rio de Janeiro, ingressou no mergulho em 1987 pela CMAS e realizou Dive Master em 1990 pela PADI. Hoje é mergulhador Técnico Trimix (Mergulho Profundo) e de cavernas (Technical Cave Diver e Advanced Cave Side Mount / No Mount). É juiz internacional de apneia pela AIDA e foi membro da expedição de mapeamento da Lagoa Misteriosa em Bonito-MS em 2008. Produziu documentários sobre as Bahamas, Bonaire, Galápagos e Laje de Santos, visitando mais de 30 países. Foi o idealizador do site Brasil Mergulho criado em 1998 (MTB 0081769/SP), atuou como consultor para a ONU, UNESCO, além de diversos órgãos públicos no Brasil.