Linha do Tempo do Mergulho e Oceanografia

4500 a.C.

  • Culturas costeiras gregas e chinesas lançam-se ao mar em busca de alimentos e na prática de comércio em viagens seguindo pela costa.

4000 a.C. 

  • Navegantes polinésios cruzam o Pacífico.

3500 a.C.

  • Navios babilônios navegam pelo Mar Arábico e pelo Oceano Índico.

1100 a.C.

  • Fenícios dominam a navegação no Mar Mediterrâneo.

1000 a.C.

  • Soldados assírios mergulham com ajuda de bolsas de couro animal.
  • Um baixo-relevo mostra como as tropas de assalto assírias usavam um respirador de pele de cabra para atravessar rios. Alguns arqueólogos acreditam que não era usado para respiração, apenas para flutuação.

945 a.C.

  • Expedição conjunta hebraico-fenícia atinge as minas de ouro em Moçambique.

600 a.C.

  • Navegantes fenícios exploram o litoral atlântico da África.

500 a.C.

  • O almirante cartaginês Hanno mapeia o litoral africano até a altura do Rio Congo.

332 a.C.

  • O filósofo e naturalista grego Aristóteles descreve no livro Problemata, um sino de mergulho, denominado Lebeta, usado por Alexandre, o Grande no cerco de Tiro.

325 a.C.

  • O astrônomo grego Píteas explora os mares europeus e relaciona as marés com a Lua.

200 a.C.

  • Relatos de que se construiu na China um submarino que navegava no fundo do mar.

14

  • O geógrafo grego Estrabão registra dados de marés e realiza medições de profundidade até 2 mil metros.

127-151

  • O astrônomo grego Ptolomeu produz o primeiro Atlas mundial, apresentando o planeta em forma esférica e apontando a existência dos oceanos Pacífico e Índico.

971 

  • O explorador viking Eric, o Vermelho, inicia o mapeamento do Atlântico Norte, atingindo a costa da Groelândia.

1003

  • O explorador viking Leif Ericson – filho de Eric, o Vermelho – completa o mapeamento costeiro do Atlântico Norte, abrangendo a costa canadense e o nordeste dos EUA.
  • Bem antes das “grandes navegações” da Europa Ocidental, os vikings do norte europeu já exploravam a América do Norte.

1117

  • O livro do chinês Zhu Yu traz o primeiro relato do uso de bússola na navegação.

1269

  • O engenheiro francês Petrus Peregrinus de Maricourt descreve uma bússola pela primeira vez, dando início à sua produção.

1405-1433 

  • O almirante chinês Zheng He realiza sete expedições levando seus 37 grandes navios até o Oceano Atlântico.
  • Os chineses inventaram o leme, o casco impermeável e as sofisticadas velas com múltiplos mastros.

1420

  • O explorador chinês Cheng Ho alcança a Índia e a costa leste da África.
  • O rei português Dom Henrique cria a Escola de Sagres que congregava navegadores e estudiosos do mar.

1450

  • Inventada a caravela, embarcação que deu início às grandes navegações européias que, ao longo dos séculos XV e XVI, mapearam os principais ventos e correntes dos oceanos.

1490

  • Leonardo da Vinci percebeu como o som dos navios atravessa grandes distâncias sob a água.

1513 

  • O navegador espanhol Ponce de Leon descobre a Corrente do Golfo.

1519-1522

  • Expedição do navegador Fernão de Magalhães consegue realizar a primeira circunavegação.

1535

  • Guglielmo de Loreno inventa o sino de mergulho.

1578

  • O matemático inglês William Bourne realiza o primeiro projeto de um submarino no ocidente, que nunca foi construído.

1624

  • O médico holandês Cornelis Drebbel cria o primeiro submarino ocidental, um barco a remo com tampa de couro, que navega submerso pelo Rio Tamisa.

1640

  • O inventor norte-americano Edward Bendall cria um sino de mergulho de madeira para recuperar partes de um galeão afundado no porto de Charlestown.

1650

  • O geógrafo alemão Bernardo Varenius publica o Geographia Generalis, no qual tenta estabelecer os princípios teóricos gerais da Oceanografia.
  • O físico alemão Otto Von Guericke desenvolve a primeira bomba de ar eficiente, com a qual Robert Boyle realizou experimentos sobre compressão e descompressão em animais.

1652

  • O físico italiano Giovanni Alfonso Borelli esboça pela primeira vez as nadadeiras de borracha, além de projetar um equipamento de mergulho que reciclaria o ar respirado.

1663

  • Os suecos Hans Albrecht von Treileben e Andreas Peckell fazem o primeiro uso comercial de um sino de mergulho no resgate dos canhões do navio de guerra sueco Vasa.

1665

  • O jesuíta alemão Atanásio Kircher elabora a primeira carta das correntes marinhas.

1667

  • O físico inglês Robert Boyle realiza a primeira observação dos efeitos da doença descompressiva em testes com animais.

1685

  • O astrônomo inglês Edmond Halley investiga ventos e correntes que formam as monções.

1687

  • O físico inglês Isaac Newton publica a primeira teoria matemática sobre a propagação do som.

1690

  • Edmond Halley patenteia um sino de mergulho, o primeiro dotado de um reservatório de ar, capaz de mergulhar até os 18m.

1714

  • O inventor inglês John Harrison cria um relógio preciso que resiste ao balanço dos navios. Com ele passa a ser possível determinar com precisão a latitude (posição com relação ao leste-oeste).

1715

  • O inglês John Lethbridge constrói um sino de mergulho abastecido com ar comprimido desde a superfície. Possuía dois braços de couro para uso pelo operador em tarefas a 18 metros de profundidade.

1716

  • Edmond Halley desenvolve dois tipos de sinos de mergulho: de madeira e de chumbo.

1725

  • Luigi Ferdinando Marsigli escreve História Física do Mar, o primeiro ensaio de Oceanografia.

1728-1779 

  • O navegador inglês James Cook realiza as primeiras viagens científicas, a bordo do HMS. Endeavor.
  • James Cook realizou três viagens acompanhado de naturalistas explorando principalmente o Oceano Pacífico.

1735

  • O jurista inglês George Hadley publica sua teoria sobre o comportamento dos ventos alísios, sugerindo que sejam causados pela conservação do momento angular.

1737

  • Filipe Bauche elabora a primeira carta náutica baseada em isóbatas, linhas que unem pontos de mesma profundidade.

1738

  • O matemático e físico suíço Daniel Bernoulli inaugura os estudos de Hidrodinâmica.

1751

  • O hidrógrafo inglês Henry Ellis realiza o primeiro registro de temperatura em mares tropicais, encontrando água fria abaixo da camada superficial de água quente, indicando que a água vinha das regiões polares.

1771

  • O cientista francês Sieur Freminet cria um grosseiro e pioneiro capacete de mergulho com abertura para os olhos e ar bombeado desde a superfície, que permite mergulhos a 16 metros de profundidade com uma hora de duração.

1773

  • O capitão inglês John Phipps a bordo do Racehorse realiza uma sondagem de profundidade além da plataforma continental, obtendo a medida de 1.250 metros.

1774

  • O matemático francês Pierre Simon de Laplace propõem uma teoria das marés, ampliando e aperfeiçoando as idéias iniciais do físico inglês Isaac Newton.

1775

  • O inventor escocês Charles Spalding constrói um sino de mergulho que pode ter o mergulho controlado pelos ocupantes.

1776

  • Primeiro ataque por um submarino, o norte-americano Turtle, contra o navio inglês HMS Eagle, durante a Guerra da Independência.
  • O submarino militar Turtle, pilotado por Sergeant Lee, realizou a primeira missão de guerra ao minar o HMS Eagle.
  • Esquema do Turtle, projetado por Bushnell,

1779

  • Inicia-se o uso do termômetro nas medições da temperatura da água.

1783

  • O cientista e estadista norte-americano Benjamin Franklin publica o primeiro mapa da Corrente do Golfo.

1786

  • John e William Braithwaite desenvolvem uma versão aperfeiçoada do capacete de Freminet.

1788

  • O engenheiro inglês John Smeaton aprimora o sino de mergulho incorporando uma bomba de ar manual mais eficiente que o tornaria muito empregado em missões de resgate.

1797

  • O mecânico alemão Karl Heinrich Klingert cria o protótipo da primeira roupa de mergulho de couro com capacete de metal, mas sem alimentação contínua de ar.

1800

  • O físico anglo-americano Count Rumford sugere a existência de uma circulação meridional, pela qual massas de água afundariam nos pólos para emergirem próximo do Equador.

1801

  • Robert Fulton projeta e constrói o submarino Nautilus inteiramente de cobre e o lança no Rio Sena.
  • O primeiro submarino que recebeu o nome Nautilus.

1808

  • Friedrich von Drieberg desenvolve o Triton, um equipamento de mergulho dotado de um tanque portátil alimentado desde a superfície.

1818

  • O explorador escocês John Ross coleta vermes e estrelas-do-mar a 1.919 metros de profundidade no Atlântico Norte.

1825

  • Atribui-se ao engenheiro inglês William Henry James a invenção do princípio do aqualung ao associar uma bolsa de ar ao cinto do mergulhador.
  • O norte-americano Charles Condert desenvolve o aqualung de William H. James dotado de um reservatório de ar em forma de ferradura usado na cintura.

1826

  • O físico suíço Daniel Colladon e o matemático francês Charles Sturm mediram no Lago Genebra a velocidade do som na água – 1.425 m/s.

1828

  • O francês Lemaire d’Angerville produziu um aparelho de mergulho denominado Pneumato-nautique que consistia em uma bexiga reguladora que armazenava o ar.
  • Os irmãos inventores norte-americanos Charles e John Deane adaptam para o mergulho um capacete com ar bombeado, inicialmente projetado para uso em incêndios.

1831-1836

  • Expedição britânica Beagle, na qual o naturalista Charles Darwin coletou dados que permitiram não só formular a Teoria da Evolução, como também uma teoria para a formação dos recifes de coral.

1836

  • O biólogo alemão Christian J. Ehrenberg descobre que as rochas silicosas do sedimento marinho são formadas pelos esqueletos microscópicos de radiolários, diatomáceas e esponjas. É considerado o fundador da Micropaleontologia.

1837

  • O empresário alemão Augustus Siebe inventa o escafandro, um traje de mergulho com capacete metálico, conectado a superfície por um cordão umbilical, baseado no princípio do sino de mergulho e no capacete dos irmãos Deane. Como seu invento era plenamente operacional, Siebe foi considerado o Pai do Mergulho.

1839

  • O uso bem sucedido do escafandro de Siebe no resgate dos canhões do navio de guerra inglês HMS Royal George, faz dele o equipamento padrão de mergulho em todo o mundo.

1840

  • O explorador inglês James Clark Ross estréia um novo tipo de medidor de profundidade, registrando 3.700 metros.

1842

  • O francês Sandala concebe e constrói o primeiro escafandro autônomo de circuito fechado, com um saco com ar impermeável, alimentado por gás comprimido em uma pequena garrafa de aço.

1843

  • O naturalista inglês Edward Forbes observa que as algas estão restritas às águas superficiais e propõem que não deve existir vida abaixo dos 600 metros, devido à falta de luz.
  • Criado pela Marinha inglesa a primeira escola de mergulho.

1844

  • O matemático francês G. C. Coriolis descreve o efeito que a rotação terrestre produz sobre as correntes marinhas, o que logo passou a ser conhecido como efeito Coriolis.

1847

  • O oficial naval norte-americano Matthew F. Maury publica sua primeira carta de ventos e correntes.

1850

  • Brooke inventa a sonda de peso perdido, destinada às medições de profundidade e colheita de sedimentos marinhos.
  • Lançado o submarino Bauer, projetado pelo alemão Wilhelm Bauer, que se deslocava pela força de sua tripulação.
  • No submarino Bauer as hélices eram movidas a manivela.

1853

  • I ª Conferência Marítima Internacional, em Bruxelas.

1855

  • Publicação do Geografia Física do Mar, escrito por Matthew F. Maury, o primeiro tratado de Oceanografia.

1856

  • O fotógrafo inglês William Thompson faz as primeiras fotos submarinas.

1857

  • James Madison Alden, comandante do navio-oceanográfico norte-americano Active, descobre na Baía de Monterey o primeiro canyon submarino.

1858

  • Instalado o primeiro cabo telegráfico submarino, que exigiu estudos iniciais sobre o fundo oceânico.

1859

  • Darwin sugere no A Origem das Espécies que as profundezas marinhas seriam um santuário de fósseis vivos.
  • O Collège de France instala em Concarneau (França) o primeiro laboratório de Biologia Marinha.
  • O inventor espanhol Narciso Monturiol cria o primeiro submarino moderno, batizado de Ictíneo.
  • O submarino espanhol Ictíneo é considerado como o primeiro submarino moderno por ter sido movido por motor a vapor.

1861

  • O submarino Haunley foi o primeiro a conseguir a afundar um navio em combate, porém com a perda de sua tripulação.
  • O Haunley foi projetado por David Haunley para ser usado movido pela forma de oito homens.

1861-1862 

  • A Marinha brasileira realiza sua primeira missão oceanográfica, usando a corveta Beberibe, que mapeou o fundo oceânico para a instalação de um cabo telegráfico entre Brasil e Europa.

1864

  • Pesquisadores noruegueses descobrem vida em grandes profundidades ao trazerem de 3.109 metros um lírio-do-mar, um animal somente conhecido por fósseis de 120 milhões de anos.
  • Publicado no Rio de Janeiro o Compêndio de Hidrografia do Primeiro-Tenente Antonio Luiz von Hoonholtz, a primeira obra sobre hidrografia escrita no Brasil.

1865

  • O engenheiro de minas Benoit Rouquayrol e o oficial naval Auguste Denayrouse, ambos franceses, patenteiam o Aerophore, alcunhado de caçarola, o precursor do aqualung pois possuía um tanque metálico horizontal com ar comprimido carregado nas costas do mergulhador.
  • Areophore de Benoit
  • O padre italiano Pietro Ângelo Secchi cria um disco para determinar a profundidade limite de penetração da luz solar, que mais tarde ficou conhecido como disco de Secchi.

1870

  • Publicação de 20.000 Léguas Submarinas, de Júlio Verne.

1872-1876 

  • Expedição Challenger, primeira expedição oceanográfica realizada com metodologia científica por um navio-oceanográfico.

1872

  • Realizada a primeira estação de estudo pelo primeiro navio-oceanográfico, o H.M.S. Challenger.
  • Instalado o primeiro Laboratório Oceanográfico, em Nápoles (Itália).

1873-1876 

  • Expedição Tuscarora, dos EUA, descobre no Pacífico uma fossa submarina, de mesmo nome, com 8.514 metros de profundidade.

1873

  • O naturalista suíço Louis Agassiz funda um pequeno laboratório oceanográfico na ilha Penikese (Massachussets – EUA), que viria a ser o embrião do Instituto Oceanográfico Woods Hole.

1874-1876

  • Expedição Gazelle, da Alemanha, faz a volta ao mundo.

1874

  • Criado na Inglaterra o termômetro de reversão de alto mar, para medição da temperatura no mar profundo.

1875

  • Expedição Valorous, da Inglaterra, estuda o Atlântico Norte.
  • O tenente Charles D. Sigsbee aprimora o dispositivo mecânico medidor de profundidade do Lorde Kelvin, substituindo a corda por cabo de aço.
  • Lançado o Holland, o primeiro submarino operacional norte-americano.
  • O Holland foi o submarino pioneiro da marinha norte-americana.

1876

  • Expedição Gettysburg, dos EUA, pesquisa no Atlântico e no Mediterrâneo.
  • O mercador marinho inglês Henry A. Fleuss desenvolve o primeiro equipamento viável de mergulho autônomo, que usava oxigênio comprimido ao invés de ar comprimido.
  • Escafandro de Fleuss
  • Johannes Muller desenvolve a rede de malha fina de arrasto para coleta de plâncton.

1877-1889

  • Expedição Blake, dos EUA, descobre a Fossa de Porto Rico, com 8.341 metros de profundidade.

1877-1878 

  • Expedição Elizabeth, da Alemanha, pesquisa o Oceano Índico.

1877

  • O cientista inglês John William Strutt, o Lorde Rayleigh, publica o livro Teoria do Som, estabelecendo as bases teóricas para as aplicações modernas da acústica no mar.

1878

  • O fisiologista francês Paul Bert publica o trabalho de mil páginas A Pressão Barométrica que desvenda a causa da doença da descompressão.

1880-1882 

  • Expedição Travailleur, da França, percorre o Atlântico fazendo pesquisas biológicas.

1880-1895 

  • Publicação dos 52 volumes de resultados da Expedição Challenger.

1880

  • Expedição Knigth Errant, da Inglaterra.
  • O pesquisador alemão Victor Hensen cria o termo plâncton para os organismos marinhos que formam a base da cadeia alimentar marinha.

1881-1883 

  • Expedição Washington, da Itália.

1881-1884 

  • Expedição Drache, da Alemanha.

1881-1888 

  • Expedição Hirundelle, do Principado de Mônaco.

1881

  • O astrônomo norte-americano Samuel Langley inventa o bolômetro, instrumento de medição do calor radiante.

1882-1883 

  • Expedição Romanche, da França, descobre fossa de seu nome no Atlântico, com 7.370 metros de profundidade.

1882

  • Expedição Triton, da Inglaterra, descobre a cordilheira oceânica que separa o Oceano Ártico do Atlântico.

1883-1885 

  • Expedição Enterprise, dos EUA.

1883-1891 

  • Expedição Albatroz, dos EUA.

1883

  • Expedição Talisman, da França, estuda a biologia marinha do Atlântico.

1886-1889 

  • Expedição Vitiaz, da Rússia.

1887

  • Lançado o HMS Nautilus, o primeiro submarino da marinha inglesa.
  • HMS Nautilus

1887-1897

  • Expedição Egeria, da Inglaterra.

1888-1895

  • Expedição Rambler, da Inglaterra.

1888

  • O químico alemão Clemens Alexander Winkler desenvolve um método simples para medir a concentração de oxigênio nas amostras de água.
  • Fundado o Laboratório de Biologia Marinha de Woods Hole, considerado o precursor do Instituto Oceanográfico Woods Hole.
  • Fundado em Plymouth (Inglaterra) a Associação Biológica Marinha do Reino Unido.

1890-1891 

  • Expedição Tchernomoretz, da Rússia.

1890-1896 

  • Expedição Pola, da Áustria.

1891

  • Lançado pelo Príncipe Albert de Mônaco o navio-oceanográfico de 600 toneladas La Princesse Alice I.

1892

  • Príncipe Alberto de Mônaco começa a investigar a fauna profunda, descobrindo novas espécies de enguias, peixes e lulas.
  • Fundada a Estação Biológica Marinha de Hopkins, na Universidade de Stanford, o primeiro laboratório oceanográfico no Pacífico.

1893-1896 

  • Expedição Fram, da Noruega, comprova que correntes marinhas fluem sob a calota ártica, sendo que a capa de gelo se assenta sobre um mar profundo.

1893

  • O mergulhador francês Louis Boutan inventa a primeira câmera fotográfica submersa, além de aprimorar o escafandro com autonomia de até três horas.

1896

  • Invenção do telégrafo sem fio por Marconi, com o qual torna-se possível a determinação mais exata da posição dos navios-oceanográficos.

1897

  • O submarino Plunger era movido por um motor elétrico durante o mergulho.
  • O Plunger foi projetado por Holland.

1898-1899

  • Expedição Valdívia, da Alemanha, explorou o Glacial Antártico.

1898

  • O físico norueguês Vilhelm Bjerkness desenvolve o método geostrófico, que calcula as correntes a partir da densidade da água, amplamente usado na meteorologia e na oceanografia.
  • Lançado pelo Príncipe Albert de Mônaco o navio-oceanográfico de 1.400 toneladas La Princesse Alice II.

1899-1900 

  • Expedição Albatross, dos EUA.

1899

  • Expedição Nero, dos EUA.
  • Knudsen desenvolve o método da titulação para determinação química precisa da salinidade e densidade da água do mar.
  • O rei Oscar IV da Suécia convoca uma conferência internacional para a aplicação da Oceanografia na pesca.
  • O submarino francês Narval foi o primeiro a ter casco duplo.

1900

  • O oceanógrafo norueguês Fridtjof Nansen cria um dispositivo que permite medir a temperatura e coletar amostras de águas profundas, conhecido como garrafa de Nansen.

1900-1910 

  • Expedição Michael Sars, da Noruega.

1901-1903 

  • Expedição Discovery, da Inglaterra.
  • Expedição Gauss, da Alemanha.

1902-1903

  • Expedição Goldfish, da Inglaterra.

1902

  • Criado o Conselho Internacional do Mar.
  • O oceanógrafo sueco Walfrid Ekman cria modelo teórico para a circulação ártica no qual propõem que a direção das correntes superficiais depende da combinação dos ventos e da rotação terrestre.

1903

  • Criado a Associação Biológica Marítima de San Diego, em La Jolla (Califórnia – EUA), precursora do Instituto Scripps de Oceanografia.
  • William Ritter – Fundador do Scripps.

1905-1909 

  • Expedição Galileu, dos EUA.
  • Expedição Sealand, da Inglaterra.

1905

  • Publicação da Carta Geral dos Oceanos, o primeiro atlas oceanográfico mundial, coordenada pelo Príncipe Alberto de Mônaco.

1906-1910 

  • Expedição Thor, da Dinamarca.

1908

  • Os fisiologistas John Scott Haldane, Arthur E. Boycott e Guybon C. Damant publicam o livro A Prevenção da Doença do Ar-Comprimido, um marco para o mergulho por apresentar tabelas de descompressão usadas até hoje.

1909-1929

  • Expedição Carnegie, dos EUA.

1910

  • O Príncipe Alberto de Mônaco funda o Museu Oceanográfico de Mônaco.
  • O Museu Oceanográfico de Mônaco é um ponto de visita obrigatório desse principado que atrai a atenção internacional pelo seu Grande Prêmio de F-1.

1911-1913 

  • Expedição Mowe, da Alemanha.

1911

  • O Príncipe Alberto de Mônaco funda o Instituto Oceanográfico de Paris.
  • Lançado pelo Príncipe Albert de Mônaco o navio-oceanográfico de 1.650 toneladas L’Hirondelle II.

1912-1936 

  • Expedição Pourquoi-Pas, da França.

1912

  • Fundado o Instituto Scripps de Oceanografia, com a incorporação da Associação Biológica Marinha de San Diego pela Universidade da Califórnia (EUA).
  • Edward Scripps – Benfeitor do Scripps, foi um dos principais responsáveis pela sua fundação.
  • O meteorologista alemão Alfred Wegener propõe a Teoria Tectônica de Placas, posteriormente usada para explicar a formação dos oceanos e de cadeias de ilhas.
  • O físico inglês Lewis Fry Richardson registra patente na Inglaterra para a ecolocalização no mar, o princípio do sonar.

1914

  • O engenheiro canadense Reginald A. Fessenden patenteia nos Estados Unidos o primeiro sonar funcional, com alcance de apenas três quilômetros.

1917

  • A Agência Norte-Americana de Construções e Reparos adota o capacete de mergulho Mark V, que se torna o padrão para a Marinha norte-americana até 1980.

1918

  • O japonês Ohgushi desenvolve um tanque de mergulho que pode ser levado nas costas.

1919

  • O cientista alemão H. Lichte quantificou o efeito da temperatura, da salinidade e da pressão sobre a refração do sons na água.
  • C. J. Cooke desenvolve a mistura de hélio e oxigênio (heliox) que evita a narcose por nitrogênio em mergulhos profundos.

1920-1927 

  • Desenvolvimento do método fotométrico de análise do conteúdo de nitratos e fosfatos na água, que permite estabelecer a relação entre produtividade e presença de micronutrientes.

1920

  • Inventada a ecossonda.

1922

  • Primeira aplicação naval da ecossonda, a bordo do destróier norte-americano USS Stewart.
  • O destróier norte-americano USS Stewart realizou 900 sondagens batimétricas no Estreito de Gibraltar.
  • O inventor inglês Joseph Peress cria o traje de mergulho profundo Jim Suit que mergulhou até 145 metros.
  • Joseph Peress

1923

  • Publicada a primeira carta batimétrica feita com o uso da ecossonda.
  • A esquerda uma carta batimétrica original, a direita vemos a sua forma moderna, colorizada por computador.
  • O Capitão Nicholas Heck da marinha norte-americana e Carl Eckhardt desenvolvem o R.A.R. (Radio Acoustic Ranging – Triangulação Rádio Acústica), o primeiro sistema de navegação não-visual.
  • O sistema R.A.R. (sigla em inglês para Triangulação Rádio Acústica) usa o som emitido por uma pequena explosão e captado por alguns hidrofones para determinar a posição exata de um navio. Sua aplicação abriu caminho para uma melhor compreensão do comportamento do som na água.
  • Primeiras fotos coloridas submarinas são tiradas por W. H. Longley.

1924

  • Primeiro mergulho experimental usando mistura de hélio-oxigênio substituindo ao ar comprimido.

1925-1927 

  • Expedição Meteor, da Alemanha, foi a primeira a usar ecossondas para o mapeamento do fundo oceânico.
  • Expedição Discovery II, da Inglaterra, para os mares do sul que realiza pela primeira vez uma análise química de nitratos e fosfatos na água.

1925

  • O Instituto Scripps de Pesquisa Biológica é rebatizado com o nome atual: Instituto Scripps de Oceanografia.
  • O capitão da marinha francesa Yves Le Prieur modifica o aqualung Aerophore adaptando um cilindro de ar comprimido com fluxo contínuo, sem válvula.
  • Escafandro de Le Prieur

1927

  • A Marinha norte-americana desenvolve uma câmara de resgate para tripulações de submarinos afundados.

1928

  • Expedição Dana, da Dinamarca, descobre que o Mar de Sargaços é o local de desova das enguias européias.

1929

  • Fundado na Inglaterra o Instituto das Marés, associado ao Observatório de Liverpool.
  • O engenheiro e químico francês Georges Claude constrói em Cuba uma usina experimental que produz energia elétrica usando a diferença de temperatura entra a água superficial e profunda.

1930

  • Fundado o Instituto Oceanográfico Woods Hole com doação da Fundação Rockfeller.
  • Fundado o Instituto Oceanográfico da Universidade de Washington.
  • Criada a Fundação Oceanográfica Bingham, em Yale (EUA).
  • O aviador e mergulhador norte-americano Guy Gilpatric é o primeiro a usar uma máscara de mergulho de borracha, semelhante às atuais.
  • O zoólogo norte-americano William Beebe e o engenheiro norte-americano Otis Barton inventam a batisfera e alcançam 434 metros de profundidade no primeiro mergulho.
  • Antes da criação dos submarinos de pesquisa, a batisfera era o único veículo de estudos submarino.

1931-1940

  • Expedição Atlantis, dos EUA.

1932

  • Primeiros estudos em cobaias de laboratório sobre os efeitos do mergulho de saturação prolongado, que comprovam a toxidade do oxigênio sob altas pressões.

1933

  • O francês Louis de Corlieu patenteia as nadadeiras, mais tarde popularizadas pelo empresário norte-americano Owen Churchill.
  • Criado na Califórnia (USA) o primeiro clube de mergulho esportivo, o Bottom Scratchers.
  • Le Prieur aprimora seu aqualung incorporando uma válvula para altas pressões, porém sem regulador.

1934

  • William Beebe e Otis Barton mergulham 923 metros em uma batisfera, vislumbrando pela primeira vez peixes bizarros.
  • Incorporado à Marinha brasileira o Rio Branco, o seu primeiro navio-hidrográfico.

1935 

  • A Marinha francesa adota o aqualung de Le Prieur, dotado de duas garrafas de ar comprimido e máscara.

1936 

  • Le Prieur funda o primeiro clube de mergulho com aqualung, chamado Clube dos Mergulhadores e da Vida Submarina.

1937 

  • O francês Georges Commeinhes aperfeiçoa o aqualung de Le Prieur adaptando um regulador automático.
  • O oceanógrafo norte-americano Athelstan Spilhaus constrói o batitermógrafo (BT).

1938

  • O norte-americano Elliott B. Roberts cria o primeiro instrumento automático de telemetria ancorado, o Rádio Correntômetro de Roberts.
  • Pescadores sul-africanos capturam pela primeira vez, um fóssil-vivo: o celacanto.
  • Guy Gilpatric publica The Compleat Goggler, o primeiro livro sobre mergulho amador e pesca submarina, entre cujos leitores estava um jovem oficial naval francês, chamado Jacques Cousteau.
  • O mergulhador norte-americano Max Nohl – observado pelo médico Dr. Edgar End – faz o primeiro mergulho de saturação a até 31 metros de profundidade.

1939 

  • Realizado o primeiro resgate bem sucedido de um submarino afundado, o USS Squalus, usando uma câmara de resgate que mergulhou até 74 metros.

1941-1944

  • Mergulhadores italianos usam minisubmarinos com equipamentos de aqualung para colocar explosivos nos cascos dos navios britânicos.

1941

  • Fundado na União Soviética o Laboratório de Oceanologia, embrião do futuro Instituto Shirshov de Oceanologia.

1942

  • Publicado Os Oceanos, prestigioso e tradicional tratado de Oceanografia, escrita pelo oceanógrafo norueguês Harald U. Sverdrup, M.W. Johnson e R. H. Fleming.
  • O médico norte-americano Al Behnke estabelece as bases teóricas do mergulho de saturação.

1943 

  • Georges Commeinhes efetuou um mergulho autônomo ao largo de Marselha até 53 metros de profundidade.
  • O oficial naval francês Jacques Cousteau e o engenheiro francês Émile Gagnan desenvolvem um eficiente regulador para a válvula de respiração do aqualung, logo patenteado por Cousteau.
  • Jacques Cousteau com um de seus primeiros aqualungs.
  • Os físicos norte-americanos Maurice Ewing e J. L. Worzel e o russo Leonid Brekhovskikh descobrem o SOFAR, camada de água que facilita enormemente a propagação de pulsos sonoros de baixa frequência.
  • O mergulhador Frederic Dumas, membro da equipe de Cousteau, bate o recorde de mergulho autônomo ao atingir 64 metros no Mediterrâneo e experimenta a narcose por nitrogênio.

1945 

  • Jacques Cousteau funda o grupo de pesquisas submarinas na Marinha francesa.
  • O termo mergulho de saturação é usado pela primeira vez pelo médico Otto van der Que, que realizava pesquisas para a Unidade de Mergulho Experimental da Marinha norte-americana.

1946 

  • Criado o Instituto Paulista de Oceanografia, atual Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo.
  • Criado o Instituto Shirshov de Oceanologia, o mais importante da Rússia.
  • O aqualung de Cousteau é lançado comercialmente na França e nos Estados Unidos chegará apenas oito anos depois.

1947-1950 

  • Os oceanógrafos Harald U. Sverdrup, Henry M. Stommel e Walter Munk desenvolvem teoria de que as correntes superficiais sejam dirigidas pelos ventos e que permite calcular a altura das ondas.

1947

  • O mergulhador Frederic Dumas, membro da equipe de Cousteau, bate novo recorde de mergulho autônomo ao atingir 93 metros no Mediterrâneo.

1948 

  • Otis Barton mergulha com uma batisfera modificada a até 1.400 metros, nas costas da Califórnia.
  • Pela primeira vez o aqualung é usado em pesquisas de arqueologia marinha.
  • A Diretoria de Navegação e Hidrografia (da Marinha brasileira) inclui a Oceanografia na formação dos oficiais hidrográficos.
  • Primeiro mergulho do físico suíço Auguste Piccard com seu batiscafo FNRS 2 atingindo 1.800 metros de profundidade, próximo das ilha de Cabo Verde.
  • O batiscafo FNRS 2 foi um dos primeiros batiscafos projetados por Auguste Piccard.

1949 

  • Fundado na Universidade de Colúmbia (EUA) o Observatório Geológico de Lamont, importante instituição no estudo da Oceanografia Geológica.
  • O Instituto Shirshov de Oceanologia adquire o seu primeiro navio-oceanográfico, o Vityaz, que logo se tornaria legendário por suas numerosas viagens.

1950-1952 

  • Expedição Galathea, da Dinamarca, consegue recolher amostras biológicas a 10 mil metros de profundidade pela primeira vez.

1950

  • O oceanógrafo norte-americano W.Von Arx cria o geoeletrocinetógrafo, um tipo de correntógrafo que pode ser usado com o navio em movimento.

1951

  • O Instituto Paulista de Oceanografia é incorporado pela Universidade de São Paulo e passa a se chamar Instituto Oceanográfico.
  • O navio britânico Challenger II localiza o ponto mais profundo do oceano na Fossa das Marianas, que passou a ser chamado de Fossa Challenger.
  • Jacques Cousteau adquire um velho caça-minas britânico e o transforma no Calypso, sua casa no mar e famoso navio-oceanográfico.
  • Lançado o primeiro número da pioneira revista de mergulho Skin Diver Magazine.

1952

  • Marie Tharp, estudando dados de ecossondas, descobre que a Cordilheira Meso-Atlântica esconde uma longa fenda, marcando o contato entre placas tectônicas.
  • Criado o Instituto de Biologia Marinha e Oceanografia na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

1953

  • E. R. Cross publica Segurança Submarina, o primeiro manual moderno de mergulho.
  • Jacques Cousteau, Frederic Dumas e James Dugan lançam o livro O Mundo Silencioso, importante na popularização da Oceanografia Biológica.
  • Auguste Piccard e seu filho Jacques realizam o primeiro mergulho com o batiscafo Trieste, atingindo a profundidade de 3.000 metros.
  • Primeiro modelo do batiscafo Trieste.
  • A Marinha brasileira converte o navio escola Almirante Saldanha no primeiro navio-oceanográfico brasileiro.

1954 – 1955

  • A Marinha norte-americana ativa a primeira geração de equipamentos para audição de sons refletidos no fundo oceânico, como meio de localizar os submarinos inimigos.

1954 

  • Georges S. Houot e Pierre-Henri Willm batem o recorde de mergulho com um batiscafo, o francês FNRS 3, atingindo 4.050 metros de profundidade.
  • O batiscafo FNRS-3 também foi projetado por Auguste Piccard.
  • Os mergulhador norte-americano Al Tillman e o salva-vidas Bev Morgan criam em Los Angeles (EUA) o primeiro programa civil de treinamento de mergulhadores que logo se tornou um modelo seguido por todo o mundo.
  • Estréia nos EUA o documentário submarino de TV Kingdom of the Sea, estreado por Zale Parry, que logo torna-se uma celebridade.

1955

  • Al Tillman e Bev Morgan criam o primeiro programa de certificação de instrutores de mergulho.
  • Bruce Hamon e Neil Brown desenvolvem o CTD para medição da condutividade e temperatura em função da profundidade.
  • CTD sendo lançado ao mar.

1956

  • Jacques Cousteau lança o seu primeiro filme oceanográfico, o Mundo Silencioso, baseado em livro de mesmo nome. Com ele conquista prêmios cinematográficos e fama internacional.
  • Ted Nixon apresenta a bandeira vermelha e branca, adotada como símbolo internacional do mergulho.
  • Criada a roupa de mergulho de neoprene, capaz de garantir maior conforto térmico.

1957-1956 

  • Ano Geofísico Internacional estimulou os estudos de Oceanologia Geológica.

1957–1961 

  • Os fisiólogos norte-americanos George Bond, Walter Mazzone e Robert Workman realizam o Projeto Genesis, testando em animais o mergulho de saturação como novas misturas de gases, incluindo a heliox.

1957

  • A Marinha norte-americana compra o batiscafo Trieste e começa a reforçar sua estrutura para suportar mergulhos mais profundos.
  • Al Tillman e Zale Parry organizam o primeiro Festival do Filme Submarino.
  • Estréia o seriado Sea Hunt (no Brasil apresentado anos depois como Aventuras Submarinas) com o ator Lloyd Bridges fazendo o papel de mergulhador, o que inspirou milhares de pessoas a praticarem mergulho autônomo.

1959 

  • O submarino Disco de Mergulho SP 350, desenhado por Jacques Cousteau chegou a 400 metros de profundidade em seu mergulho inaugural.
  • Corte do Disco de Mergulho SP 350. também conhecido como DS-2

1960 

  • O físico suíço Jacques Piccard e o oficial da Marinha norte-americana Don Walsh mergulham a bordo do batiscafo Trieste, atingindo o ponto mais fundo do planeta, a 11.034 metros na Fossa das Marianas.
  • Ao centro, a dupla de cientistas e aventureiros que foram os únicos humanos a chegarem até o ponto mais fundo dos oceanos.
    George Bass escava um naufrágio da Idade do Bronze no Cabo Gelidonya, estabelecendo novos padrões para a Arqueologia submarina.
  • Peter Dorrell, George Bass, Peter Throckmorton, and Honor Frost (da esquerda para a direita)
    Criada pela Universidade Federal do Ceará a Estação de Biologia Marinha para a promover as pesquisas nas áreas de biologia pesqueira da lagosta.

1961-1966 

  • Projeto MOHOLE tenta sem sucesso realizar perfuração submarina para alcançar o manto terrestre.

1961

  • Navio norte-americano mergulha um tubo por mais de 3.000 metros até o leito oceânico e realiza a primeira perfuração em grande profundidade, avançando o estudo da geologia e mineração no fundo oceânico.
  • O geólogo norte-americano Robert S. Dietz teoriza que as cordilheiras submarinas sejam locais de intensa atividade geológica e de formação de novo leito oceânico.
  • A Marinha francesa lança o batiscafo Archimede, que mergulhou até 8.382 metros na Fossa de Porto Rico.
  • A UNESCO cria seu escritório de oceanografia e mais tarde dele surge a Comissão Oceanográfica Intergovernamental (COI).

1962-1964 

  • O projeto Genesis passa a realizar experimentos de mergulho de saturação com humanos, o que criou as bases seguras para a criação dos laboratórios submarinos.

1962 

  • O professor suíço Hans Keller realiza mergulho de saturação saindo de uma câmara a 300 metros de profundidade por alguns minutos.
  • Projeto Homem no Mar I mantém um mergulhador por 24 horas a 61 metros de profundidade.
  • Início de operações do primeiro laboratório submarino, o Conshelf I, com a permanência por sete dias a 10 metros de profundidade dos mergulhadores Albert Falco e Claude Wesley, da equipe de Jacques Cousteau.

1963 

  • Cinco mergulhadores permanecem no laboratório submarino Conshelf II por um mês, mergulhado no Mar Vermelho a 10 metros de profundidade. Outros dois, também da equipe de Cousteau, ficaram a 24 metros.
  • O submarino de guerra norte-americano Thresher afunda com 129 homens até 2.400 metros de profundidade. Depois de cinco meses de busca, é encontrado pelo Trieste.
  • O navio norte-americano USS Compass Island usa pela primeira vez um sistema de sondagem multifaixas, instrumento que cria mapas do fundo oceânico.
  • O satélite de comunicações Syncom II transmite, pela primeira vez, os dados coletados por um navio-oceanográfico, o Geronimo, para uma base em terra.

1964 

  • A Marinha norte-americana funda o Projeto de Sistemas de Submersão Profunda e lança o submarino de pesquisas Alvin, a primeira embarcação tripulada a navegar com facilidade em grandes profundidades.
  • Submarino de pesquisas norte-americano Alvin sendo lançado ao mar.
    Lançado o Aluminaut, o primeiro submarino totalmente fabricado com ligas de alumínio, projetado para mergulhos de pesquisa até 4.570 metros.
  • A Marinha norte-americana lança o primeiro robô submarino, chamado CURV (sigla em inglês para Veículo Submarino Controlado por Cabo), que tinha por missão recuperar torpedos pedidos.
  • O pioneiro robô submarino CURV teve várias versões e aprimoramentos a partir desse modelo.
    A Marinha norte-americana lança o Asherah, uma submarino barato (25 mil dólares) para águas rasas (até 200 metros).
  • Projeto Homem no Mar II mantém dois mergulhadores por 49 horas a 126 metros de profundidade.
  • A Marinha norte-americana realiza experimentos de mergulho de saturação no laboratório submarino Sealab I, onde quatro mergulhadores permaneceram durante 11 dias a 59 metros de profundidade na ilha de Artemois Argus, nas Bermudas.

1965 

  • Três equipes de mergulhadores revezaram-se ao longo de 45 dias na ocupação do laboratório submarino Sealab II, instalado a 62 metros de profundidade, próximo de La Jolla, litoral da Califórnia.
  • Seis mergulhadores da equipe de Cousteau permanecem 23 dias no laboratório submarino Conshelf III, a 110 metros de profundidade no sul da França.
  • Dois mergulhadores britânicos permanecem uma semana no laboratório submarino Glaucus, instalado a 11 metros de profundidade no Estreito de Plymouth.
  • A Westinghouse Electric Corporation desenvolve o Cachalot, o primeiro sistema de mergulho de saturação de uso comercial.
  • A Marinha norte-americana testa o Halibut, um robô submarino capaz de levar equipamentos de observação e de espionagem para grandes profundidades.

1966-1969

  • Cada uma das cinco equipes de oito mergulhadores permanecem por 12 dias no laboratório submarino Sealab III, a 186 metros de profundidade.

1966-1985 

  • O laboratório submarino Hydrolab recebe mais de 700 mergulhadores em aproximadamente 180 missões.

1966 

  • O submarino Alvin e o robô CURV são usados para resgatar bombas de hidrogênio perdidas no fundo do Mediterrâneo. E o Halibut é empregado na espionagem de ogivas soviéticas abandonadas no fundo do mar.

1967-1978

  • O Projeto NORPAX realiza os primeiros estudos da interação oceano-atmosfera e sua influência no clima do Pacífico Norte.

1967 

  • Lançado pela Lockheed, o submarino Deep Quest que além de pesquisas, pode realizar salvamentos, resgates e mapeamentos no fundo oceânico até 2.500 metros.
  • O Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo adquire o navio-oceanográfico Prof. W. Besnard.

1968-1983 

  • Projeto DSDP (Programa de Perfuração em Alto Mar) coletou amostras de solo no fundo oceânico para testar a Teoria Tectônica de Placas.
  • 1968-1976
  • Jacques Cousteau produz e exibe na televisão a série O Mundo Submarino de Jacques Cousteau.

1968 

  • Os mergulhadores John J. Gruener e R. Neal Watson batem o recorde de mergulho autônomo (133 metros) que somente será superado em 1990.
  • O robô submarino Halibut é usado para examinar um submarino russo afundado no Pacífico.
  • Afunda o submarino norte-americano Scorpion, carregando dois torpedos com ogivas nucleares.

1969

  • O submarino Deep Quest recupera as caixas-pretas de dois aviões comerciais caídos no Pacífico.
  • Um novo batiscafo da Marinha norte-americano, o Trieste II, recupera os torpedos do Scorpion, a mais de 3.000 metros de profundidade.
  • O batiscafo Trieste II prestou inestimáveis serviços a Marinha norte-americana.
  • Lançado a primeiro e único submarino nuclear de pesquisas, o NR-1, capaz de mergulhos até 780 metros.
  • O geólogo norte-americano Kirk Bryan e Michael Cox desenvolvem o primeiro modelo numérico da circulação oceânica.
  • Quatro mergulhadores ocupam o laboratório submarino Tektite I por 30 dias a 18 metros de profundidade, nas ilhas Virgens.
  • A Estação de Biologia Marinha da Universidade Federal do Ceará passa a chamar-se LABOMAR (Laboratório de Ciências do Mar).
  • Barco do LABOMAR
  • Projeto brasileiro GEOMAR I estuda o fundo oceânico na foz do rio Amazonas.

1970 

  • Uma equipe exclusivamente feminina permanece por duas semanas a 15 metros de profundidade no laboratório submarino Tektite II.
  • O governo norte-americano cria a NOAA (Administração Oceânica e Atmosférica Nacional), responsável por muitas grandes pesquisas oceanográficas.
  • O governo japonês funda o JAMSTEC, um centro de pesquisas de ciência e tecnologia marinha.
  • Criado na Fundação Universidade do Rio Grande o primeiro curso brasileiro de Oceanologia, voltado a formação de oceanógrafos biológicos e geológicos.
  • A Sippican Corporation inventa o XBT (Expendable BathyThermograph), o instrumento oceanográfico mais empregado atualmente.
  • Esquema interno do XBT

1971 

  • A Instituição Oceanográfica Harbor Branch lança o Johnson Sea Link, um pequeno submarino de pesquisas com uma grande esfera de acrílico, ótima para observações biológicas.
  • A Marinha norte-americana desenvolve o primeiro de dois submarinos de resgate em grandes profundidades.

1972-1974 

  • Operação FAMOUS estuda a Cordilheira do Meso-Atlântica comprovando a Teoria Tectônica de Placas. Pela primeira vez se utilizam submarinos em uma ampla pesquisa oceanográfica.
  • O Laboratório de Fisiologia Naval da Marinha inglesa realiza 28 simulações de mergulhos de saturação de até 250 metros de profundidade.
  • A Fundação de Desenvolvimento dos Recursos Marinhos lança o La Chalupa, laboratório submarino instalado a 30 metros de profundidade no Porto Rico.

1972-1978 

  • O Projeto REMAC realiza o mais completo mapeamento geológico da margem continental brasileira.

1972

  • O Congresso norte-americano aprova a Lei de Proteção, Pesquisa e Santuários Marinhos que estende a proteção dos parques nacionais aos estuários e águas costeiras.
  • O mergulhador e arqueólogo George F. Bass funda no Texas (EUA) o Instituto de Arqueologia Náutica, o mais produtivo e prestigioso centro de arqueologia marinha.
  • O arqueólogo Georg Bass é um dos grandes pioneiros da Arqueologia Marinha, retirou-se das atividades acadêmicas no ano de 2000.

1973

  • A Marinha norte-americana começa a projetar um robô submersível sem cabos, inicialmente conhecido como Sistema Remoto de Pesquisa Avançada, capaz de mergulhar até 6.400 metros.
  • Dois dos quatro tripulantes do submarino de pesquisa Johnson Sea Link morrem sufocados em acidente no qual o submarino ficou preso entre os cabos de um destróier afundado.
  • O robô submarino CURV III recupera os dois membros da tripulação do submarino Pisces III, afundado ao largo da Irlanda.
  • Projeto MODE estuda as grandes correntes do Atlântico, entre as Bermudas e a Flórida.
  • Fundado em Vladivostok (Rússia) o Instituto Oceanográfico do Pacífico.
  • O Instituto de Biologia Marinha e Oceanografia da Universidade Federal de Pernambuco transforma-se no Departamento de Oceanografia do Centro de Tecnologia e Geociências da UFPE.

1974

  • Disfarçado como um minerador oceânico, o navio norte-americano Glomar Explorer, recupera do fundo do Pacífico um submarino soviético.
  • Equipe franco-americana mergulha na Cordilheira Meso-Atlântica e descobre que o fundo dos vales estão recobertos por lava.
  • A empresa norte-americana de mergulho Oceanering International lança o Jim Suit, um traje de mergulho profundo que permite trabalhar a até 600 metros de profundidade.
  • Jacques Cousteau cria a Sociedade Cousteau, um grupo ambientalista sem fins lucrativos dedicado à conservação marinha.
  • Criada no Brasil a Comissão Interministerial para os Recursos do Mar, responsável pela coordenação das pesquisas oceanográficas.

1975 

  • O projeto AIDJEX une canadenses e norte-americanos no estudo do fundo do Oceano Ártico.
  • O engenheiro norte-americano Edwin Albert Link constrói um segundo modelo do submarino de pesquisa Johnson Sea Link.
  • Criado o primeiro Santuário Marinho Nacional norte-americano, administrado pela NOAA.
  • O curso de Oceanologia da Fundação Universidade do Rio Grande é reconhecido pelo MEC.
  • A Fundação Universidade do Rio Grande incorpora o Museu Oceanográfico “Prof. Eliézer de Carvalho Rios”.
  • Museu Oceanográfico “Prof. Eliézer de Carvalho Rios”, da FURG.

1976

  • A NOAA lança com sucesso o primeiro correntógrafo equatorial ancorado, dando início ao uso dos dispositivos TAO, uma rede de bóias oceanográficas.
  • A Perry Oceanographics constrói o submarino de pesquisas Clelia para atuar na plataforma continental.

1977-1979 

  • Projeto POLYMODE realiza levantamento mais amplo das correntes atlânticas.

1977

  • Equipe liderada pelo oceanógrafo norte-americano Robert Ballard mergulha com o Alvin em uma fenda vulcânica no Pacífico e descobre o ecossistema das fontes hidrotermais submarinas, com novas formas de vida.
  • Criado na Universidade Estadual do Rio de Janeiro o segundo curso de graduação em Oceanografia no Brasil.

1978

  • A NASA lança o primeiro satélite oceanográfico, o Seasat. Foi usado no desenvolvimento de técnicas aplicadas nas gerações seguintes de satélites de sensoriamento remoto.
  • Lançado o satélite meteorológico Nimbus-7 levando o equipamento CZCS, capaz de captar as cores do oceanos para monitoramento do fitoplâncton.
  • Os geofísicos Walter Munk e Carl Wunsch sugerem o mapeamento tridimensional da temperatura oceânica usando o som.
  • Inaugurados os primeiros prédios da Base Oceanográfica Atlântica, sede do Departamento de Oceanografia e do curso de Oceanologia da Fundação Universidade do Rio Grande.

1979-1981 

  • Terry Joyce, Rob Pinkel, Lloyd Regier, F. Rowe e J. W. Young desenvolvem o mapeador de correntes doppler-acústico, que mede as correntes superficiais a partir de navios em movimento.

1979 

  • O canadense Projeto LOREX estuda a Cordilheira Lomonosov no fundo do Oceano Ártico.
  • Equipe de Robert Ballard descobre fontes hidrotermais no Golfo da Califórnia que expelem fumaça negra e água muito quente.
  • Início do Programa EPOCS da NOAA.
  • Lançado o satélite meteorológico NOAA-6, o primeiro de uma série capaz de retransmitir dados científicos de bóias oceanográficas para os centros de pesquisa.
  • Lançado pela União Soviética o satélite oceanográfico experimental Okean-O.

1980 

  • Primeira transmissão em tempo real de temperatura e correntes enviada por uma bóia oceanográfica.
  • O oceanógrafo norte-americano Robert Ballard aplica pela primeira vez a tecnologia de fibras ópticas para a transmissão de imagens submarinas em tempo real.
  • Cientistas sugerem que a vida terrestre teria iniciado nas fontes hidrotermais submarinas.
  • A Universidade Federal do Paraná funda o Centro de Estudos do Mar.

1981

  • O Centro Médico Duke atinge o recorde de mergulho de 686 metros em uma câmara de compressão, que levaria dez anos para ser quebrado.
  • O JAMSTEC lança o submarino japonês Shinkai 2000, capaz de atingir até 2.000 metros de profundidade.

1982-1983 

  • A ocorrência do El Niño com grande intensidade torna esse fenômeno climático e oceanográfico mundialmente conhecido e desperta a atenção da Ciência para ele.

1982 

  • A Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar (CNUDM), definindo que os depósitos minerais marinhos pertencem à população mundial, é finalizada e encaminhada para ratificação pelas nações signatárias.
  • Início do Programa Antártico Brasileiro.
  • Criado o curso de Mestrado em Oceanografia Biológica no Departamento de Oceanografia da UFPE.

1983-1989

  • Os oceanógrafos norte-americanos John Spiesberger e Kurt Metzger obtiveram a comprovação experimental de que pequenas alterações na velocidade do som na água indicam mudanças na temperatura.

1983 

  • Lançado pela União Soviética o Okean-OE, o primeiro de uma série de satélites oceanográficos de sensoriamento remoto.
  • A expedição canadense CESAR coleta amostras de sedimentos do fundo do Oceano Ártico.
  • Os inventores Craig Barshinger, Carl Huggins e Jim Fulton lançam o primeiro modelo comercial de computador auxiliar de mergulho autônomo, o Orca Edge.

1984-2003 

  • Projeto ODP (Programa Perfuração Oceânica) realiza perfurações a mais de 8 mil metros de profundidade para estudar a origem e evolução da crosta oceânica.
  • 1984
  • Pesquisadores norte-americanos mergulham ao largo da Flórida com o submarino Alvin e descobrem os afloramentos frios, um novo ecossistema de grande profundidade.
  • Campo de mariscos em um afloramento frio.
  • O oceanógrafo norte-americano Robert Ballard, usando o robô submersível Argo, consegue filmar o casco rompido do submarino Thresher.
  • O governo francês funda o IFREMER a única instituição oficial dedicada ao estudo da Oceanologia.
  • Lançado o submarino francês Nautile, projetado para alcançar até 6.000 metros de profundidade.
  • O submarino de pesquisas francês Nautile está sendo recolhido ao navio de apoio após missão.

1985-1994 

  • O Projeto TOGA estuda a influência das correntes oceânicas sobre o clima, principalmente no fenômeno El Niño.

1985

  • Robert Ballard usa o Argo para localizar os restos do Titanic, a cerca de 3.600 metros de profundidade.
  • A equipe de Robert Ballard permanece 20 dias a 600 metros dentro do submarino NR-1 simulando um laboratório submarino e realizando pesquisas na Cordilheira Meso-Atlântica.
  • Primeiro mergulho do robô submersível Graham Hawkes’s Deep Rover.
  • Lançado pela Marinha norte-americana o satélite oceanográfico Geosat, capaz de medir o relevo da superfície marinha com grande precisão.

1986-1989 

  • O laboratório submarino Aquarius, instalado nas ilhas Virgens a 20 metros de profundidade, hospeda cientistas e técnicos em 12 missões.

1986

  • O antigo laboratório submarino La Chalupa é reformado, levado para a Flórida e inaugurado como o primeiro hotel submarino, com o nome de Albergue Subaquático Júlio Verne.
  • O novo robô Jason, desenvolvido por Roberto Ballard, investiga o interior do Titanic.
  • O submarino nuclear de pesquisa NR-1 é usado no resgate dos restos do ônibus espacial Challenger que explodiu sobre o Atlântico.
  • Com capacidade para 28 passageiros, entra em operação nas ilhas Cayman o primeiro submarino turístico.
  • Os submarinos turísticos, como esse, abriram um novo e lucrativo mercado na construção de veículos submarinos.

1987–2001 

  • O Projeto Leplac realiza um mapeamento que permite estabelecer o limite exterior da plataforma continental brasileira.

1987

  • Lançados os submarinos de pesquisa soviéticos Mir I e Mir II, projetados para suportar profundidade de até 6.170 metros.
  • Empresa norte-americana aluga submarino francês de pesquisa, o Nautile, para recuperar diversos objetos do Titanic, posteriormente exibidos em exposição.
  • Lançado o satélite oceanográfico japonês MOS-1, capaz de monitorar as correntes oceânicas, temperatura superficial, quantidade de clorofila, de chuvas e de vapor d’água.

1988 

  • Robert Ballard descobre, no fundo do Mediterrâneo, um cemitério de navios romanos.
  • Inaugurado o Museu Oceanográfico do Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo.

1989-1992 

  • O Programa MAST coordena pesquisas oceanográficas da Comunidade Européia.

1989–2004 

  • O Projeto JGOFS estuda as variações temporais no fluxo de carbono pelos oceanos.

1989 

  • Robert Ballard descobre os restos do encouraçado alemão Bismark, a cerca de 5.400 metros de profundidade no Atlântico.
  • Robert Ballard usa o robô Jason para recuperar dúzias de artefatos de navios romanos afundados no Mediterrâneo.
  • Robert Ballard lança o Projeto Jason que desenvolve atividades de Educação Ambiental procurando despertar o interesse de milhares de estudantes para o estudo dos oceanos.
  • Lançado pelo JAMSTEC o submarino japonês Shinkai 6500 que atinge 6.527 metros de profundidade na Fossa do Japão.
  • A Alemanha lança o Jago, seu primeiro submarino de pesquisas, capaz de atingir 400 metros de profundidade.

1990-1995

  • Os Projetos Oceanográficos Conjuntos (JOPS I e II) unem Brasil e Alemanha no estudo da sedimentação, circulação submarina e fertilidade do mar nas regiões costeiras brasileiras.

1990-1997 

  • O Projeto WOCE pesquisa a estrutura tridimensional da circulação oceânica mundial e a variação anual do seu fluxo.

1990 

  • Lançado o satélite oceanográfico japonês MOS-1B, capaz de monitorar as correntes oceânicas, temperatura superficial, quantidade de clorofila, de chuvas e de vapor d’água.
  • A Marinha norte-americana permite o uso do submarino nuclear de pesquisas NR-1 pelos pesquisadores civis.

1991-1994 

  • O Programa MAST II coordena pesquisas oceanográficas européias sobre os ciclos biogeoquímicos e desenvolve tecnologia de pesquisa submarina.

1991-2006 

  • A Assembléia da Comissão Oceanográfica Intergovernamental decide estabelecer um Sistema de Observação Oceânica Global (GOOS) para monitorar permanentemente as condições físicas e meteorológicas dos oceanos mundiais.

1991

  • Cientistas de nove países emitem, desde a ilha Heard, sinais sonoros que percorrem 18.000 quilômetros por todos os oceanos, menos o Ártico.
  • O submarino russo de pesquisas Mir realiza as primeiras filmagens experimentais nos restos do Titanic.
  • A Marinha norte-americana concorda em compartilhar com pesquisadores civis sua frota de robôs submersíveis.
  • O submarino japonês Shinkai 6500 descobre a 6.366 metros o mais profundo afloramento frio, ecossistema criado em torno de uma poça de metano congelado.
  • A França realiza com sucesso experimentos de simulação de mergulho de saturação em uma câmara de compressão, atingindo uma pressão recorde equivalente a 700 metros de profundidade.
  • Lançado o satélite oceanográfico europeu ERS-1, capaz de medir velocidade e direção do vento, altura das ondas, temperatura superficial e quantidade de nuvens e de vapor d’água.

1992–2000 

  • O Projeto Topex-Poseidon utiliza um satélite de mesmo nome para mapear a topografia oceânica e monitorar as mudanças nas principais correntes superficiais.

1992-2003 

  • O Programa InterRidge coordena pesquisas geológicas, físicas, químicas e biológicas nas cordilheiras meso-oceânicas.

1992 

  • Robert Ballard usa o submarino Sea Cliff e o robô Scorpio para explorar quatorze navios da IIª Guerra Mundial, afundados na Batalha de Guadalcanal.
  • Lançado pela Marinha norte-americana o robô submarino AUSS, comandado desde a superfície por sinais acústicos, com missão de busca de navios afundados.
  • O robô submarino AUSS é um veículo de busca comandado por controle remoto.
    Criado o curso de Oceanografia na Universidade do Vale do Itajaí.

1993-2000 

  • O laboratório submarino Aquarius é transferido para a Flórida, a 20 metros de profundidade, tendo recebido cerca de 200 cientistas e técnicos em 45 missões desde sua criação em 1986.

1993–2003 

  • Projeto LOICZ estuda as interações solo-oceano-atmosfera nas zonas costeiras.

1993 

  • Duas empresas norte-americanas anunciam uma câmera laser capaz de observações em grandes profundidades.
  • Japão começa a testar o robô submarino Kaiko, o de maior capacidade de mergulho, responsável pela quebra de vários recordes..
  • Primeiros testes com o veículo submarino autônomo ABE, criado pelo Instituto Oceanográfico Woods Hole.
  • Robert Ballard usa o robô Jason para localizar o local do afundamento do Lusitânia, atingido por torpedos alemães em 1915.
  • Realizada a primeira detecção remota de uma erupção vulcânica submarina usando um sistema de vigilância acústica do mar.
  • Início do projeto brasileiro COROAS, que estudou a circulação oceânica no oeste do Atlântico Sul, principalmente na Bacia do Brasil e no Mar de Wendall.

1994-1998 

  • O Projeto AMOC monitora a temperatura da água e a espessura do gelo no Oceano Ártico para detectar o aquecimento global.

1994-2000 

  • O Programa MAST III coordena 168 projetos europeus visando desenvolver as bases científicas e tecnológicas para a exploração sustentável do oceano.
  • O Projeto GLOBEC estuda a influência das condições ambientais sobre os ecossistemas marinhos e os impactos das mudanças climáticas globais.

1994-2002

  • O Projeto BALTEX dedicou-se ao estudo do balanço de energia e água no Oceano Ártico, bem como sua interação com a atmosfera e o continente que o circunda.

1994 

  • A Marinha norte-americana concorda em permitir que pesquisadores civis usem seus submarinos de ataque para estudos árticos.
  • O submarino Shinkai 6500 atinge o ponto mais profundo do Atlântico.
  • O submarino francês Nautile recupera objetos do Titanic.

1995-1996 

  • O programa britânico PRIME estabelece as bases para modelos matemáticos que descrevam o papel do plâncton nos fluxos biogeoquímicos oceânicos e na regulação do clima.

1995-1996 

  • O veículo submarino autônomo ABE realiza mapeamento magnético na Fossa Juan de Fuca a 3.200 metros de profundidade.

1995-1998 

  • O programa brasileiro REVIZEE (Programa Avaliação do Potencial Sustentável de Recursos Vivos da Zona Econômica Exclusiva) realiza um amplo levantamento dos recursos naturais na plataforma continental brasileira.

1995-1999 

  • O Programa SCICEX realiza um levantamento batimétrico do fundo ártico, além de estudos da física, química e biologia da região, com apoio de submarinos nucleares de ataque da Marinha norte-americana.

1995-2010 

  • O Programa CLIVAR estuda o armazenamento, transporte e troca de calor e água entre o mar e a atmosfera para desenvolver modelos climáticos.

1995

  • O robô Kaiko mergulha na Fossa das Marianas até 10.911 metros de profundidade, onde encontra pequenos animais e torna-se o primeiro robô submarino a atingir o ponto mais profundo dos oceanos.
  • O submarino russo Mir filma o Titanic para o sucesso cinematográfico do diretor James Cameron.
  • Robert Ballard mapeia com o NR-1 uma área do fundo do Mediterrâneo, com naufrágios de mais de dois mil anos.
  • Lançado o satélite canadense de sensoriamento remoto RADARSAT, com radar que permite “ver” através das nuvens.
  • Lançado o satélite oceanográfico europeu ERS-2, capaz de medir a velocidade e a direção do vento, a quantidade de nuvens e de vapor d’água, altura das ondas, temperatura superficial e concentração de ozônio na atmosfera.

1996 

  • Lançado o robô submersível Tiburon que pode mergulhar a até 4.000 metros para coleta de amostras biológicas.
  • Lançado o satélite japonês oceanográfico de sensoriamento remoto ADEOS-1.
  • O navio-oceanográfico Calypso é destruído ao chocar-se com uma barca. Jacques Cousteau projeta o Calypso II.
  • Pesquisadores australianos descobrem a 5 quilômetros abaixo do leito oceânico os nanobes, os menores seres vivos celulares.
  • A U.S. Submarines termina o projeto de um submarino turístico para dois passageiros, o Explorer 1000, capaz de mergulhar até 305 metros.
  • Criado o curso de Doutorado em Oceanografia Biológica no Departamento de Oceanografia da UFPE.

1997-1999 

  • O Projeto TASC estuda a influência dos fatores físicos e biológicos que controlam a dinâmica populacional do copépodo Calanus finmarchicus.
  • 1997-2000
  • O Projeto PIRATA mantém uma rede de 12 bóias ATLAS no Atlântico tropical para coletar dados de temperatura e estudar a interação oceano-atmosfera.
  • Modelo de bóia ATLAS, usada no Projeto PIRATA.

1997 

  • Cientistas norte-americanos usam o robô Odyssea para procurar a legendária lula gigante nas águas profundas próximas da Nova Zelândia.
  • Instalado a 1.200 metros de profundidade no Havaí o robô submarino HUGO, que monitorará durante dez anos a atividade vulcânica e tectônica submarina.
  • Morre o comandante Jacques Cousteau.
  • Lançado o satélite OrbView-2, capaz de monitorar o plâncton e a sedimentação marinha.
  • Lançado o satélite oceanográfico SeaStar, levando a bordo o sensor SeaWiFS que capta as cores do oceano para monitorar o fitoplâncton.
  • Vista do sensor SeaWiFS, carregado a bordo do satélite SeaStar
    A China lança o seu primeiro satélite de observação oceanográfica.
  • Descobertas arqueobactérias vivendo a 113ºC em fontes hidrotermais submarinas.

1998 

  • Ano Internacional dos Oceanos.
  • Lançado pela Marinha norte-americana o satélite oceanográfico GFO, capaz de realizar levantamentos topográficos e coletar dados de altura das ondas e direção das correntes.
  • O robô submarino ATV, a serviço da National Geographic Society, localiza a 5.100 metros de profundidade, mapeia e filma os restos do porta-aviões Yorktown, afundado na Batalha de Midway na IIª Guerra Mundial.
  • Usado pela primeira vez, por arqueólogos submarinos, a mistura gasosa nitrox, desenvolvida por Bob Olsen, que permite mergulhos mais prolongados e com menos risco de narcose.
  • As garrafas de nitrox devem ter o seu conteúdo de oxigênio cuidadosamente conferido antes do uso. A esquerda há uma câmara de descompressão, usada nesse tipo de mergulho.
    Fundado na Universidade do Vale do Itajaí (Univali) o Centro de Ciências Tecnológicas da Terra e do Mar (CTTMar), um laboratório de pesquisas oceanográficas em Santa Catarina.
  • Museu Oceanográfico da Univali

1999-2003 

  • Prorrogado até 2003 os trabalhos do programa brasileiro REVIZEE.

1999 

  • Pesquisadores japoneses criam uma fonte hidrotermal submarina artificial, com a qual conseguem sintetizar abioticamente proteínas simples.
  • A U.S. Submarines termina o projeto de um submarino turístico para dois passageiros, o Triton 650, com excelente visibilidade.
  • O submarino turístico Triton 650 é uma tentativa de se popularizar o segmento de veículos submarinos.
    Lançado pela NASA o satélite oceanográfico QuikScat, capaz de detectar os ventos oceânicos.
  • Lançado o satélite japonês oceanográfico de sensoriamento remoto ADEOS-2.

2000 

  • Lançado o satélite alemão CHAMP, para estudos geofísicos e oceanográficos.
  • O submarino militar russo Kursk naufraga em acidente cercado de mistérios, levando a morte todos os 118 tripulantes, sem nada que os submarinos e equipes de resgate pudessem fazer.
  • O Brasil torna-se o primeiro país a instalar um sistema de detecção imediata de manchas de óleo no mar, graças às imagens do satélite RadarSat.

2000-2010

  • Lançado o programa científico internacional Censo da Vida Marinha para levantar e mapear a biodiversidade marinha mundial.

2001-2003 

  • O Projeto DEPROAS estuda o impacto da penetração da Água Central do Atlântico Sul na plataforma continental d Sudeste brasileiro e na ressurgência de Cabo Frio.

2001 

  • Lançado o satélite oceanográfico franco-norte-americano Jason-1, capaz de prever com mais precisão as mudanças climáticas.
  • O mergulhador francês Loic Leferme quebra o recorde mundial de mergulho em apneia, atingindo 154 metros de profundidade.

2002 

  • Lançado o navio-oceanográfico japonês Chikyu (Terra), capaz de perfurar a crosta terrestre até 10 mil metros de profundidade.
  • Lançado o par de satélites Grace que registrarão as variações da gravidade que influenciam as correntes marinhas.
  • Lançado o satélite oceanográfico norte-americano Aqua, capa de medir a temperatura superficial oceânica através das nuvens.
  • Descoberto no mar o ser vivo mais velho do mundo, o porífero Scolymastra joubini, com cerca de dez mil anos de idade.

2003

  • Em meio a um tufão perde-se o robô submarino japonês Kaiko.
  • Dados preliminares do projeto internacional Censo da Vida Marinha estima a existência de 210 mil espécies marinhas.

 

Pesquisador

Jose-Carlos-SariegoTodo o histórico acima é fruto de uma grade pesquisa realizada por José Carlos Lopes Sariego, que é mestre em Metodologia de Ensino de Ciências pela UNICAMP e bacharelado em Ciências Biológicas pela USP.

Autor de diversas pesquisas, atualmente se dedica às atividades editoriais com a Editora Scipione, e a ministrar palestras a grupos de professores em todo o Brasil, divulgando suas idéias e concepções sobre a Educação Ambiental e o ensino de Ciências, desde o inovador enfoque da Ciência Tecnologia e Sociedade.

Redação
Se você possui mais informações sobre o assunto acima, entre em contato com a nossa equipe e ajude a tornar este site ainda mais completo. Isso ajudará os mergulhadores e todos aqueles que estiverem buscando por mais informações.