Marcações Visuais – Sua importância e uso

Em diversas ocasiões, vemos mergulhadores técnicos, com 2, 3 ou 4 cilindros pendurados como se fossem árvores de natal.

Tal quantidade de cilindros conduzidos pelo mergulhador, está relacionada ao perfil de mergulho a ser realizado, onde cada um deles contém misturas diferenciadas, para serem utilizadas em diferentes profundidades durante um mergulho técnico planejado.

Adesivo de Marcação Visual
Adesivo de Marcação Visual

Tendo em vista a possibilidade de inalação de um gás inadequado para a profundidade em que o mergulhador se encontra, devido a uma distração ou uma situação de emergência, os cilindros devem receber marcação contendo a profundidade máxima para a mistura e os percentuais da mesma.

Havendo um planejamento adequado, um time ciente dos procedimentos a serem realizados durante o mergulho técnico, fará as trocas de gases com a visualização do dupla (cada integrante observará o companheiro para certificar que a troca está sendo realizada na profundidade certa e com a mistura adequada), evitando, assim, um possível acidente.

Para uma marcação adequada, você deve utilizar os adesivos padronizados disponíveis no mercado ou utilizar um pedaço de fita cinza à prova d’água, também conhecida como Silver Tape (facilmente encontrada em lojas e magazines) e uma caneta Pilot na cor preta.

Os números e letras devem ser grandes e com escrita bem clara, para que qualquer pessoa possa visualizar à distância.

Nunca utilize marcações fora de padrão. Isto pode confundir o outro mergulhador, e com maiores chances em águas mais escuras.

Marcacao-Visual1Quase um acidente…

Houve recentemente um caso onde um mergulhador fez uma marcação com o número “20” (veja os exemplos nas fotos ao lado), onde esses “20”, seriam os “20 metros” como sendo profundidade máxima para a mistura em sua stage com EAN 50.

Terminado o tempo de sua descompressão deixou o cilindro com outro integrante de sua equipe. Este por sua vez, ao visualizar o stage de lado invertido, acreditou ser O2 (oxigênio) ao invés do número “20”, e completou sua deco acelerando-a com o que julgou tratar-se de oxigênio puro.

Marcacao-Visual2Resultado: O segundo mergulhador poderia ter tido problema de doença descompressiva séria.

Solução: Bastava fazer a marcação com o padrão de tabela, neste caso, seria marcado “21M”, ao invés de “20” somente, e adicionado o “M” de metros. Além disso, uma indicação da mistura como EAN 50, também evitaria erros de leitura.

Exemplo: 21M / EAN 50

Marcacao-Visual3Falhas simples como esta, podem simplesmente acabar com um bom final de semana ensolarado por um simples descuido e/ou falta de informação.

A cada mergulho, lembre-se que você não está sozinho, e que os outros podem não adivinhar o que você tem em mente, principalmente embaixo d’água.

 

Clecio Mayrink
Nascido no Rio de Janeiro, ingressou no mergulho em 1987 pela CMAS e realizou Dive Master em 1990 pela PADI. Hoje é mergulhador Técnico Trimix (Mergulho Profundo) e de cavernas (Technical Cave Diver e Advanced Cave Side Mount / No Mount). É juiz internacional de apneia pela AIDA e foi membro da expedição de mapeamento da Lagoa Misteriosa em Bonito-MS em 2008. Produziu documentários sobre as Bahamas, Bonaire, Galápagos e Laje de Santos, visitando mais de 30 países. Foi o idealizador do site Brasil Mergulho criado em 1998 (MTB 0081769/SP), atuou como consultor para a ONU, UNESCO, além de diversos órgãos públicos no Brasil.