Marcador de Ponto de Mergulho – DIY

Foto: Clécio Mayrink

Algum tempo atrás conheci um dispositivo da Pelican bem interessante, pois ele permite a marcação de pontos de mergulho de forma mais fácil e precisa.

Uma vez que você encontre algo no fundo, como um naufrágio, por exemplo, ou esteja realizando um levantamento submarino e deseja obter uma marcação GPS na superfície, usando o marcador de ponto da Pelican, basta soltar a pequena peça de chumbo no local e liberar o flutuador, e automaticamente ele seguirá em direção à superfície, soltando o cabo de nylon para posterior recuperação do equipamento.

Sinalizador da Pelican

Ao chegar à superfície, ele fica visível para a equipe, ficando mais fácil marcar o ponto desejado com precisão no GPS.

Mas como na vida nem tudo é simples, infelizmente não temos esse equipamento disponível para a venda no Brasil, daí, surgiu a ideia de tentar fazer algo parecido e que desse o mesmo resultado.

Conversando com o Pedro Correa da FullTech Dive, uma empresa especializada na fabricação e consultoria de equipamentos e serviços voltados para o mergulho comercial, ele trouxe a ideia de construir um dispositivo desses utilizando peças de PVC, dessas normalmente encontradas em qualquer loja de construção, o que ajudaria bastante, pois além de facilmente encontradas, o custo é muito baixo.

Basicamente, a peça cogitada, seria um pequeno tubo em PVC com duas flanges e dois cap’s (tampas) em cada extremidade. Como no interior haverá ar, isso fará com que o PVC flutue, assim como o produto da Pelican

Construindo o dispositivo

Para a construção do dispositivo você precisará das peças abaixo:

  • 1 cano de PVC rosqueado nas pontas;
  • 2 Flanges;
  • 2 Cap´s (Tampas);
  • 1 Conector – Usado para conectar o cano com um dos cap’s;
  • 1 Fita Veda Rosca;.
  • 1 Cola para canos PVC;
  • 300g de Chumbo;
  • 1 Spray de Tinta Prime;
  • 1 Spray de Tinta Amarela;
  • 1 Mosquetão;
  • Cabo de Nylon com metragem superior a profundidade desejada.

Necessariamente você não precisa usar todas as peças acima, mas acabei escolhendo um modelo de cano PVC com extensão, pois ele permite que o equipamento seja seguro mais facilmente pelo mergulhador.

Montando o dispositivo

O primeiro passo é colocar os cap’s (tampas), e para isso, passei a fita veda rosca antes de passar a cola para canos PVC, para só depois, encaixar os cap’s. Após a secagem da cola, coloquei outra camada da mesma cola até fechar qualquer passagem que permitisse a entrada de ar para o interior do PVC. Feito isso, é preciso aguardar 24h para que ocorra o processo de “cura” da cola, ou seja, que ela esteja completamente seca.

Com o PVC montado, vamos para o processo de pintura. No caso do PVC, é preciso passar uma tinta spray de prime. Ele serve para que a tinta final consiga aderir ao PVC, caso contrário, ele irá repelir a tinta amarela e fará com que ela não fixe ao plástico. Com o PVC já totalmente pintado com a tinta prime, após umas 2h, você já pode passar a tinta spray amarela. Essa cor ajuda na visualização do equipamento no mar.

Quando o equipamento estiver com a pintura feita, você já pode fazer um furo para passar e amarrar o cabo de nylon, e enrolar todo ele no PVC. Depois disso, faça outro furo para fixar o mosquetão, para que você consiga levar o marcador preso ao seu colete equilibrador.

Com o cabo completamente enrolado no PVC, é hora de fazer a finalização usando um pedaço de chumbo. No meu caso, peguei alguns pedaços e coloquei todos eles em uma lata de cerveja cortada ao meio, deixando-a em uma das bocas do fogão para derretê-lo. Quando a temperatura atinge os 400°C, o chumbo vai derreter. Quando isso ocorrer, alguns pedaços de sujeira vão se soltar e irão para a superfície do chumbo líquido. Com uma chave de fenda, você pode ir removendo aos poucos a sujeira e os resquícios desses detritos, deixando o chumbo com uma aparência melhor.

Depois, é só lixar levemente para deixá-lo sem pontas.

Com o chumbo derretido e limpo, basta retirar a lata do fogão com todo cuidado e aguardar o resfriamento dele. Automaticamente o chumbo ficará com o formato do fundo da lata. Quando estiver frio, remova o chumbo da lata e faça uma furação em uma das laterais para a passagem do cabo de nylon já enrolado no PVC, não se esquecendo de fazer os nós, para que o chumbo não corra pelo cabo (veja a foto).

Testando

Recentemente tive a oportunidade de ir para a Ilha Grande e testei o marcador de pontos de mergulho em dois naufrágios, e deu certo.

Parando no local desejado, soltei o chumbo e liberei o PVC amarelo, que foi desenrolando o cabo e indo em direção à superfície, sendo facilmente avistado pela equipe de superfície. Assim, foi possível obter visualizar o marcados e obter a posição GPS do local com mais precisão, pois o marcador se encontrava exatamente acima do local desejado.

Durante os testes, dois detalhes chamarão a atenção: correnteza e quantidade de cabo a ser liberado.

Se você usar o marcador em um local com forte correnteza, em razão da leveza do cabo e distância, ele vai se curvar, diminuindo a precisão da marca.

Quanto à quantidade de cabo a ser liberado, resolvi fazer alguns cortes nas flanges para poder criar uma contingência do cabo de nylon, e assim, posso liberar apenas a quantidade necessária para a profundidade do local onde o equipamento será utilizado, evitando que todo o cabo se solte do PVC, podendo causar enrosco e diminuindo a precisão.

Obviamente, não é um equipamento tão bonito quanto o marcador da Pelican, mas é barato, pode ser feito por qualquer um e gera os mesmos resultados.

Clecio Mayrink
Nascido no Rio de Janeiro, ingressou no mergulho em apneia em 1983, no autônomo em 1986 pela CMAS e Dive Master em 1990 pela PADI. Hoje é mergulhador Técnico Trimix, Technical Cave Diver e Advanced Cave Side Mount / No Mount pela IANTD. Foi membro da expedição de mapeamento da Lagoa Misteriosa em Bonito-MS em 2008, idealizador do site Brasil Mergulho em 1998 (MTB 0081769/SP), atuando em diversas matérias e documentários no Brasil e no exterior. Também atuou como consultor para a ONU, UNESCO, além de diversos órgãos públicos no Brasil.