Maré Roxa

Laje de Santos - Foto: Clecio Mayrink

Maré roxa nada mais é do que um grande volume de água proveniente do alto mar, que é levada em direção à costa brasileira, devido a movimentação de marés, correntes e mudança dos ventos.

Como essas correntes trazem uma água extremamente clara do alto mar, além de ter uma temperatura mais elevada, por ser proveniente da Corrente do Brasil, que vêm no nordeste em direção ao sul.

Isso ocorre algumas vezes ao longo do ano na região sudeste do Brasil, sendo que nos últimos anos, tem-se observado uma frequência maior entre os meses de dezembro à março.

Em situações normais, essas correntes passam até 30 quilômetros da costa e a cor arroxeada deve-se à limpidez da água, aliado a penetração da luz solar, trazendo ainda mais a impressão de água transparente, dando ao mar um tom meio arroxeado. Enquanto a corrente marítima estiver no litoral, haverá uma diminuição da influência de rios e baías.

Locais como o Rio de Janeiro e São Paulo, chegam à ter 20 / 30m de visibilidade, e águas com temperatura beirando dos 24 aos 26°C.

Quanto à nós mergulhadores do sudeste, é torcer para que isso ocorra, para cair na água e aproveitar esses momentos raros de águas caribenhas em nossa região.

Clecio Mayrink
Nascido no Rio de Janeiro, ingressou no mergulho em 1987 pela CMAS e realizou Dive Master em 1990 pela PADI. Hoje é mergulhador Técnico Trimix (Mergulho Profundo) e de cavernas (Technical Cave Diver e Advanced Cave Side Mount / No Mount). É juiz internacional de apneia pela AIDA e foi membro da expedição de mapeamento da Lagoa Misteriosa em Bonito-MS em 2008. Produziu documentários sobre as Bahamas, Bonaire, Galápagos e Laje de Santos, visitando mais de 30 países. Foi o idealizador do site Brasil Mergulho criado em 1998 (MTB 0081769/SP), atuou como consultor para a ONU, UNESCO, além de diversos órgãos públicos no Brasil.