Mergulhando em Cozumel

Foto: Clécio Mayrink

Assim que fechamos nosso pacote de mergulho para Cozumel, em Julho de 2003, passei a ter a sensação que setembro estava muito distante!  Era muita ansiedade para voltar àquele lugar que povoava as minhas lembranças, e eu contava os minutos para conferir como seria mergulhar de novo em Cozumel após ter adquirido mais experiência e ter me dedicado mais ao mergulho.

Na primeira viagem realizada em 1997 eu ainda estava descobrindo este fantástico mundo subaquático. Exibia com orgulho a carteirinha de Open Water Diver, com certeza a credencial mais comemorada entre todas as outras seguintes. Como seria voltar a Cozumel?  As cores seriam mesmo tão intensas como eu havia guardado na memória?  A água era mesmo tão transparente?  E aquele aviãozinho então?!!  Quantas lembranças eu tinha daquele naufrágio tão peculiar…

Fiquei feliz em saber que voltaria para o mesmo hotel que eu havia ficado da outra vez. E o El Cid La Ceiba foi mesmo tudo de bom!  Sua localização e toda facilidade que tivemos para mergulho em frente ao hotel, é realmente o grande diferencial deste local. Foram 20 fantásticos mergulhos em 6 dias em Cozumel, já que o pacote fechado, além da saída e 2 cilindros no barco Big Splash (Del Mar Aquatics), nos permitia ter quantos cilindros quiséssemos para os mergulhos de praia.

Falando um pouco de Cozumel

Cozumel é a maior ilha do México e é um dos principais destinos de mergulhadores de todo o mundo. A ilha tem 53 km de extensão e 15 km de largura, e fica bem próxima a Cancun, na península Yucatán. Chegar em Cozumel é bem simples, uma vez que vôos diretos a Cancun são bem frequentes e de Cancun ao paraíso do mergulho você pode optar entre dois transportes: um voo com uma das companhias aéreas mexicanas (será um aviãozinho pequenininho…) ou de balsa, (bem grande e confortável), já que a ilha de Cozumel é separada de Playa Del Carmen por apenas 19 km.

Para quem gosta de explorar o local, vale a pena conhecer as ruínas Mayas. Para isso é preciso alugar um carro por um dia pelo menos ou contratar um táxi para este passeio. Mas se você é fanático por mergulho (como a gente) e não pode ficar mais tempo na ilha para estes passeios exploratórios, acho que mais vale permanecer debaixo d’água, que é muito mais lindo! Confesso que não consegui gastar um dia de mergulho para ir ver as ruínas…

Sobre a comida

Poucas pessoas saem de Cozumel sem provar e gostar da comida mexicana, que é ótima!  Pelo centro da cidade é possível encontrar restaurantes para todos os bolsos e apetite. É fácil também ter comidas italianas ou pratos tipicamente americanos à disposição, mas uma boa Fajita, Nachos e Guacamole são indispensáveis para tornar a viagem ainda mais gostosa.

Durante o mergulho embarcado, não haviam “petiscos” à bordo, apenas água, mas entre um ponto e outro o Big Splash ancorava em uma praia, com uma estrutura ótima: Chuveiro de água doce, uma piscina bem grande, uma Jacuzzi de água aquecida e um bar que servia lanches, almoço e bebidas. Algumas pessoas optaram por levar um lanche próprio, que podia ser consumido lá mesmo.

Cozumel2
Foto: Walter Marquart

Parque Marinho de Cozumel

A grande maioria dos mergulhos embarcados foi realizada na região determinada como Parque Marinho de Cozumel (compreende cerca de 85% dos pontos de mergulho) e era preciso usar um bracelete sinalizando às autoridades de proteção ambiental que já havíamos pagado a taxa de US$ 5,00, contribuindo para a conservação do local (taxa já incluída no pacote fechado).

As regras para mergulho neste parque marinho apelam para o bom senso do mergulhador:

  • Corais são frágeis: a orientação é para que o mergulhador, principalmente o fotógrafo, mantenha sua boa flutuabilidade ao se aproximar dos corais;
     
  • Animais marinhos são protegidos por lei: Pescar, alimentar a fauna ou pegar souvenirs, é contra lei. Não extraia nem perturbe a flora ou fauna marinha;
     
  • Ajude na preservação do local: reporte qualquer combustível, óleo ou qualquer lixo na região do parque marinho;
     
  • Se usar luvas, não toque em corais;
  • Se carregar alguma faca, mantenha-a em sua bainha;
  • Use bloqueadores solares biodegradáveis.

 

Nossos mergulhos

Chegamos em Cozumel no dia 30 à noite, e apesar da vontade de já cair na água (como alguns do grupo fizeram!) estávamos muito cansados da viagem e resolvemos iniciar a brincadeira pela manhã, como já era previsto. Saímos pontualmente às 9:00 h do píer do hotel La Ceiba, com a lancha Big Splash, assessorados pelo super Daniel, nosso staff.

Cozumel4
Foto: Walter Marquart

Iniciamos então nossos mergulhos no Palancar Jardines Reef (ou Gardens), que é um local de mergulho fácil, e ótima oportunidade para o staff do Big Splash avaliar a habilidade de cada integrante do grupo. O lugar é simplesmente lindo, corais esplêndidos, água cristalina e várias grutinhas para nosso delírio. Ótimo lugar para fotografar, como também foi o segundo ponto de mergulho: Paradise Reef, um verdadeiro paraíso. Também um mergulho fácil, corais e peixes fantásticos: Lá conhecemos o famoso Frog Fish (Splendid toadfish), peixe endêmico em Cozumel.

Voltando ao píer do La Ceiba, foi só o tempo para uns nachos no restaurante à beira do mar e voltamos para água! Era a hora de voltar ao avião que povoava a minha memória! O naufrágio de um DC3, usado em cenas de um filme rodado na região, é a grande sensação deste lugar. Constatei que ele estava ainda mais fantástico! Voltei e explorei cada centímetro daquele pequeno avião por diversas vezes, em mergulhos à tarde, no cair do sol, à sombra da lua, enfim… Aproveitei todos os cilindros que eu aguentei carregar!

Iniciando a aventura após uma breve avaliação, os dive masters locais se sentiram seguros em nos jogar no famoso drift no Santa Rosa Wall. Este paredão, que chega a mais de 40 metros de profundidade trazia corais impressionantes e grandes peixes também. Um tubarão lixa dormia tranquilamente em uma pequena toca em nosso caminho. Fotografamos o bicho sem acordá-lo, como recomendam as normas do parque marinho! Para finalizar fizemos o Tormentos Reef, outro drift maravilhoso, com garoupas, moreias, ciliaris, lagostas e também peixes pequenos de recifes.

Columbia Wall, outro super point “imperdível”!  Corais enormes, uma tartaruga de perder o fôlego, barracudas, moreias… muito bom!   Só não dava para não dizer que foi o melhor mergulho do dia por que logo após este magnífico paredão, fomos conhecer o famoso naufrágio Felipe Xicotencatl. Este naufrágio é realmente especial. Está inteiro, com muita vida, cardumes enormes, garoupas muito grandes e lagostas de dar fome! Mas a foto mais cobiçada neste naufrágio é a tirada nos banheiros: são 4 “cabines” abertas e o mais difícil é não levantar muita suspensão ao posar para esta foto.

Neste momento a diversão toma conta e enfim chegamos mais uma vez a conclusão que mergulhar não é só o ato de descer com equipamento e frequentar este mundo subaquático… Mergulhar é estilo de vida, é se divertir com amigos e aproveitar cada minuto antes, durante e depois do mergulho em si.

Palancar Cuevas, muitas grutas, passagens muito lindas!   Fizemos o Palancar e depois o Paso Del Cedral, que também é de tirar o fôlego. É preciso lembrar que em vários destes mergulhos em paredões ficamos próximos ou pouco abaixo dos 30 m de profundidade. Neste caso é altamente recomendável ter um computador de mergulho e para maior segurança, fazer sempre aquela “paradinha básica” por 3 min aos 5 m. Uma boa coisa, principalmente nos mergulhos do tipo drift, é ter um salsichão, pois assim a parada é mais precisa e o barco vai localizar você rapidinho.

Punta Sur, que tem grutas muito legais. Uma delas tem um coral em forma de cruz, parece uma capela natural. Muito bonito. Palancar Ladrilhos: Tartarugas enormes, muitos peixes também. Chankannaab: Muitos polvos e caranguejos gigantescos.

Cozumel3
Foto: Walter Marquart

Deep Tech Dive

Uma das características interessantes de Cozumel é o fato de possuir com muita facilidade mergulhos para todos os níveis de certificação e gosto pessoal. Além dos diversos pontos de mergulhos tranquilos, a profundidades não superiores a 20m, é possível fazer drifts mais “radicais” e até mergulhos técnicos.

Enquanto a maioria do nosso grupo fazia um mergulho por volta de 35 m da Punta Sur, meu marido Walter, Daniel e Jose Novoa, faziam um Deep Tech Dive, chegando a 50 m de profundidade, mas devidamente equipados com duplas de S80, mais stage para deco com EAN 36, necessários aos 30 minutos de descompressão em drift, com plena visão dos corais, da areia branca, e de toda vida ali existente. Acho que não é à toa que este é um dos points de mergulhos mais buscados no mundo.

Os mergulhos noturnos

Sem querer fazer propaganda do hotel, mas ficar no La Ceiba tem mais esta super vantagem…

Você pode fazer quantos mergulhos noturnos aguentar!  São muitos polvos, crustáceos diversos, trombetas, lulas, lagostas, enfim, muita vida. Mas é preciso ter cuidado com as sépias locais.

Uma delas nos atacou durante um mergulho, veio como uma bala de uma distância de 3 m e se atirou como um homem-bomba, ou “sépia-tinta”, em cima da lanterna do Walter. Foi tinta para todo lado!   Quase morremos afogados de tanto rir da cena hilária, e neste caso não foi possível não interagir com a fauna, uma vez que ela se jogou contra a gente.

Cozumel1Um dia em Akumal

Antes de ir para Cozumel, havíamos nos certificado em Intro to Cave, e estávamos então ansiosos para conhecer as famosas cavernas de Akumal. Levamos nosso equipamento técnico somente para este dia. Formamos um grupo de cave divers e mergulhadores que foram conhecer o mergulho tipo Cavern, ou seja, apenas na entrada das cavernas, mantendo o contato com a luz (a saída!). Ao final do dia passado em Akumal, com mergulhos nas cavernas Car Wash e Grand Cenote limitados pela regra dos sextos, voltamos com a certeza de continuar o treinamento em cavernas.

Muitos dos integrantes do grupo que fizeram a área de Cavern, voltaram também dispostos a fazer o Intro to Cave. Esta certeza foi mesmo forte! Daqui a um mês (11 de setembro) estaremos novamente embarcando para o México, desta vez direto para Akumal com o objetivo de finalizar o nosso treinamento em Full Cave, ou como é chamado agora, apenas Cave.

Fotografando

É impossível ir para Cozumel e não gastar uma pequena fortuna em filmes e revelação. No próprio hotel La Ceiba contávamos com um laboratório de revelação muito bom, mas com preços um pouco altos. O bom deste local eram as dicas dadas pelo Armando e sua esposa Holly, que têm o hábito de dar consultoria gratuita aos fotógrafos.

Não se assuste nem se ofenda, mas eles vão abrir seu pacote de fotos e passar uma a uma, avaliando o que você fez de errado ou onde acertou! A primeira vista pode parecer muito “invasivo”, mas sabendo que é normal para eles, passa a ser bem válido. A sugestão que dou é revelar pelo menos o 1o filme com eles para não só pegar as dicas, mas diminuir a ansiedade de ver as fotos!  O restante vai ficar bem mais barato revelar no Brasil mesmo !

Mais Dicas

– Ao fazer sua bagagem, cuidado com o excesso de peso. Muitas companhias podem cobrar excesso de bagagem caso ultrapasse os 30 kg permitidos, mas algumas são mais tolerantes a equipamentos esportivos. Assim, procure verificar qual o limite de sua companhia aérea e também deixe claro que o que está levando na bolsa enorme são “tralhas” de mergulho.

– Não embarque computadores nem câmeras fotográficas na bagagem despachada. Se puder, leve também em mãos os reguladores, apenas como precaução e forma de evitar aborrecimentos.

– Comprar filmes e pilhas no Brasil irá lhe poupar alguns dólares, mas considere também o peso das pilhas. Caso vá fotografar muito e também fazer muitos noturnos, flashes e lanternas irão consumir várias pilhas. Planeje adequadamente o seu consumo.

– A temperatura da água em Cozumel é de 30°C. Uma roupa fina de 3mm é mais do que o suficiente. Muitas pessoas optam por apenas uma lycra ou apenas a roupa de banho mesmo. Caso vá fazer o passeio em Akumal é preciso um pouco mais de proteção, como uma roupa de 2 peças de 5mm, pois a água tem um temperatura um pouco mais baixa (23°C) e os mergulhos podem ser mais longos dependendo da sua certificação.

– É possível ir para Cozumel e mergulhar sem ser em pacotes com as operadoras de mergulho, mas considere também que ir em um grupo não só lhe dá mais segurança, como é algumas vezes mais divertido. No pacote que fechamos, tivemos uma reunião antes da viagem com todo o grupo, onde recebemos orientações sobre embarque, chegada no local e outros detalhes da viagem e ainda tivemos a oportunidade de já ir estreitando a amizade com o grupo. Lembrem-se que mergulho é também conviver em comunidade !

Cristina Gonçalves

Cirurgiã-dentista e mergulha desde 1997, é instrutora OWSI PADI, com várias especialidades.