Mergulhando em Sharm-El-Sheikh – Egito

Sharm-El-Sheikh é uma cidade do litoral egípcio localizada na Península Sinai, onde as montanhas e o Mar Vermelho dividem a paisagem.

Esse lugar está entre os destinos mais populares entre mergulhadores, e também é adorado por aqueles que curtem praticar esportes aquáticos em geral, ou ainda, por aqueles que só querem passar o dia na praia. Em Sharm-El-Sheikh é possível encontrar três dos melhores 50 pontos de mergulhos do mundo, e o famoso Parque Nacional Ras Mohamed.

Chegando lá

Sharm-El-Sheikh possui um aeroporto internacional, que por sinal é bem movimentado, portanto, chegar lá de avião é a melhor opção.

Peguei um vôo direto de Munique, na Alemanha, com duração de 4hs. Se você for brasileiro é bem simples, é possível comprar o visto ao chegar no aeroporto por U$ 25 (custo em 2014), através de um sistema um pouco “estranho” e bem diferente do que estou acostumada a ver. No entanto, se você for mergulhador e pretende mergulhar no SS Thistlegorm por exemplo, precisará do “full visa” (25 euros) e não do comum que todo mundo normalmente recebe.

Lazer

Se mergulho não é bem a sua praia, não se preocupe, Sharm-El-Sheikh oferece atividades para manter você e uma família inteira ocupados por alguns dias. Veja algumas delas:

  • Curtir a praia;
  • Ir nas festas;
  • Fazer um tour de bicicleta pelas montanhas;
  • Subir o Monte Sinai;
  • Jantar / almoçar no deserto;
  • Andar de camelo;
  • Alugar quadriciclos e se divertir pelo deserto;
  • Snorkeling (nas águas rasas dá para se ver mais que você imagina);
  • Viagem bate e volta à Cairo, Luxor ou à vizinha Dahab;
  • Tour com o boat glass (barco de vidro), assim você nem precisa se molhar para ver alguns peixinhos;
  • Escolher um dos inúmeros esportes aquáticos (parasailing, pedalinho, banana, water skiing, etc.) e muito mais.

Tem muito que fazer lá sem dúvida. No entanto, já que dediquei 5 dos 7 dias que estive lá para mergulho, não fiz muito além de andar de camelo e ir para um jantar no deserto muito estranho, mas isso é história para outro artigo…

Mergulho

Se mergulho estilo drift e com correntes é o que você procura, aqui é seu lugar. Em comparação aos outros lugares onde já mergulhei, Sharm-El-Sheikh é o que mais oferece mergulhos aventureiros. Devo dizer que ao final dessa viagem me senti uma mergulhadora melhor do que quando cheguei, pois as circunstâncias provavelmente contribuíram bastante.

Sharm-El-Sheikh tem pontos de mergulho suficientes para lhe manter ocupado por um ou mais meses. Além dos pontos locais, também é possível mergulhar ao redor da ilha Tiran, no Parque Nacional Ras Mohamed, em naufrágios como o Dunraven e SS Thistlegorm, e ainda na cidade vizinha, Dahab.

Só mergulhei em dois dos pontos de mergulho locais, Ras Umm Sid e Amphoras, e gostaria de ter mergulhado em todos. Muitas vezes é possível ver animais interessantes mais do que em outros pontos de mergulho. Sem dúvidas recomendo mergulhar por lá, especialmente em Ras Umm Sid.

A ilha Tiran possui um dos melhores pontos de mergulho do mundo, o Jackson Reef. No entanto, só tive a oportunidade de mergulhar no Gordon e Thomas Reef. É um lugar lindo onde é possível ver filhotes de tubarões, eagle rays, tubarões martelo e tubarões de ponta branca. Por lá está o navio de carga do Panamá Loullis, que encalhou há alguns anos.

Parque Nacional Ras Mohamed

É uma área preservada, inabitado, onde somente turistas em excursões, snorkelers e mergulhadores, podem visitá-lo pagando uma taxa de U$ 5. Como a área é protegida, os corais são lindos e coloridos, e os recifes são cheios de vida.

Tive a oportunidade de mergulhar em três pontos de mergulho, sendo um deles o Yolanda & Shark Reef, tido como o 14° melhor ponto de mergulho do mundo, e pude entender por que. O mergulho por lá é da pesada; nunca mergulhei em um lugar com uma corrente tão forte e que mudasse tanto de direção. Sem dúvidas um mergulho cheio de surpresas, mas amei.

O ponto de mergulho possui um muro, com diferentes espécies de corais, além da possibilidade de ver tubarões, mantas, atuns e muito mais. É o local onde há um navio cargueiro naufragado e que transportava veículos e vasos sanitários… isso mesmo, vasos sanitários, muitos deles !

Não só amo animais marinhos grandes, como também naufrágios, e fiz um dos mergulhos mais loucos da minha vida no considerado terceiro melhor ponto de mergulho do mundo, o SS Thistlegorm.

Esse navio cargueiro britânico foi afundado por bombas alemães em 1941 durante a Segunda Guerra Mundial, e foi descoberto pelo famoso Jacques Cousteau em uma de suas expedições. O SS Thistlegorm encontra-se à 30m de profundidade e possui 126m de comprimento. O mergulho é cheio de surpresas, onde no primeiro mergulho, é feito uma volta ao redor do navio, e no segundo, é possível entrar por seus compartimentos. O máximo, um mergulho e tanto, e que navio…

Já expressei minha paixão por tubarões e por animais marinhos grandes, então, claro que quando estou mergulhando sempre espero ver algum deles. Durante essa viagem só vi um tubarão de ponta branca, presente de aniversário (sim, ele provavelmente sabia que eu queria vê-lo no meu aniversário) e atuns gigantes, napoleões e barracudas. Esperei mais, só que dessa vez não tive tanta sorte.

Talvez eu só deva ir logo às Bahamas mergulhar com alguns tubarões e o problema está resolvido !

Centro de Mergulho

Há diversos centros de mergulho em Sharm-El-Sheikh, e mesmo que o seu hotel não fique próximo de algum, todos eles oferecem transfers. Mergulhei com o Sinai Divers e gostei muito do serviço deles.

Sem dúvidas o mergulho em Sharm-El-Sheikh deve ser feito pelo menos uma vez na vida.