Mergulho na Laje de Santos

Sim, mais uma vez, destacamos a Laje de Santos, como um dos melhores pontos de mergulho no país, e talvez por isso, seja o motivo de assunto nos principais fóruns da internet.

A Laje de Santos é uma ilha localizada a 22 milhas náuticas (40Km) da cidade de Santos, no Estado de São Paulo, sendo ela, uma parte da Serra do Mar que ficou para trás e perdida no mar.

A ilha possui 550m de extensão, com 183 de largura e 38m de altura, sendo um refúgio de centenas de pássaros com seus filhotes e ninhos.

No passado, a Laje de Santos era um local pouco visitado pelos mergulhadores, porém, recebendo a visita frequente do pessoal de caça submarina e pescadores.

Com o tempo, e vendo a necessidade de dificultar a intervenção do homem no ambiente marinho local, no dia 27 de setembro de 1993, foi criado o Parque Estadual Marinho da Laje de Santos (PEMLS), sendo o primeiro parque marinho dentre as Unidades de Conservação (UC) no sstado de São Paulo, sob a administração pelo Fundação Florestal, órgão subordinado a Secretaria Estadual do Meio Ambiente, que conta com uma equipe de fiscalização e monitoramento do parque, com o intuito de coibir a pesca predatória e monitorar as atividades realizadas dentro do parque onde a Laje de Santos está situada.

Segundo o atual diretor do PEMLS, José Edmilson de Araújo Mello Júnior, as frequentes fiscalizações em conjunto com a equipe do Parque e a Polícia Militar Ambiental, têm como objetivo proteger a unidade de conservação de proteção integral contra a atividade de pesca ilegal, tanto a amadora, industrial e esportiva quanto à caça submarina, procurando inibir este tipo de agressão, deixando claro que é proibida qualquer atividade de pesca na área do Parque.

No caso de flagrante, o infrator será autuado, haverá uma multa administrativa, perdendo seu equipamento de pesca e podendo inclusive, ter sua embarcação retida.

A proteção da área do Parque é de extrema importância para fauna, possibilita a preservação de várias espécies ameaçadas de extinção, e a alimentação de outras espécies migratórias que aparecem sazonalmente durante o ano para se alimentar ou descansar.

A pesquisa é de grande importância para podermos entender como funciona a biodiversidade no Parque Estadual Marinho Laje de Santos, que com certeza, é um dos melhores pontos de mergulho do Brasil, segundo Júnior.

O mergulho é a principal atividade de visitação no PEMLS, com uma média anual de 4.000 visitantes, que em a parceria com as operadoras de mergulho, a visitação ocorre de forma ordenada.

Ao longo do tempo, uma ONG foi criada, para contribuir nas pesquisas e disseminar a cultura quanto à preservação ambiental. Esta ONG denomina-se Instituto Laje Viva – ILV, que já promoveu diversas atividades quanto à preservação ambiental, bem como, a publicação de um excelente livro sobre o parque, e que agora, está realizando o primeiro e completo documentário sobre a Laje de Santos, que contará com a participação de todos aqueles que de alguma forma, contribuíram na história da Laje.

O lançamento e exibição deste documentário, está previsto para o mês de abril ou maio próximo.

Os mergulhos

Durante os mergulhos, encontramos diversos tipos de peixes e seres marinhos, onde inclusive, é possível esbarrar com arraias manta, ou jamanta, nome popularmente conhecido. E não são raros os encontros com golfinhos e baleias nadando nas proximidades ou durante a navegação até lá.

Entre os meses de junho e agosto, as arraias mantas visitam o parque, o que virou tema de pesquisa do próprio Instituto Laje Viva, pois não se sabe a origem dessas arraias e para onde elas vão.

No parque encontramos peixes com badejos, garoupas, salemas, olho de cão, outros tipos de arraias, tartarugas dos mais variados tipos, além de outros seres marinhos.

Recentemente houve até uma grande concentração de Parus para acasalamento, dando um show à parte aos nos mergulhos dos visitantes que estiveram no parque nos meses de novembro e dezembro último.

Além da vida marinha, faz parte do show um pequeno naufrágio, o Moréia, aos 21m de profundidade, sendo um diferencial na Laje.

Mas a água nessa região de Santos não é escura ?

Eu diria sim e não…

De fato, a água do mar nas proximidades do litoral santista não é das melhores, no entanto, a distância que a Laje de Santos está do litoral, possibilita o recebimento de águas azuis e mais claras provenientes do alto mar.

Essa distância entre a Laje e a costa traz benefícios e um ponto negativo…

O grande benefício é que há um aumento na visitação de seres marinhos e terrestres, e dificuldade de visitação por pescadores que venham realizar a pesca ilegal no parque. Já o ponto negativo, é que para nós mergulhadores, acabamos por necessitar de excelentes embarcações para chegar até o local, daí a obrigatoriedade na utilização de lanchas com motores potentes, pois se utilizássemos as traineiras adaptadas para mergulho, levaríamos 4hs de navegação para chegar ao local, inviabilizando a atividade e tornando uma operação menos segura.

Hoje, contamos com somente seis operadores realizando as saídas para o mergulho no local.

Segundo Cláudio Dal Poggetto, da operadora Orion Diver, a operação de mergulho na Laje requer planejamento, uma excelente estrutura e um bom conhecimento por parte de quem opera, pois além da embarcação e das operadoras em si, há uma logística por trás de cada operação de mergulho na Laje.

Infelizmente, algumas vezes as operações são canceladas em cima da hora, pois como a Laje está em mar aberto, está a mercê de viradas repentinas de mar, e visando a segurança de todos, os seis operadores fazem uma completa análise do tempo e condições gerais, para realizarem ou não a operação de mergulho.

Em virtude dessas necessidades, este seis operadores criaram a Associação dos Operadores de Mergulho da Laje de Santos (AOM), para atuarem de forma unida e com mais segurança.

Quanto ao que está por vir, podemos dizer que o ano de 2011 teve um verão bem promissor, onde a visibilidade variou entre os 20 e 30m, e a água alcançando os incríveis 24ºC.

Na última semana de 2011, tivemos a oportunidade de realizar outros cinco mergulhos por lá, com visibilidade alcançando os 30m e água aos 24ºC, o que me permitiu tirar as fotos desse artigo, e que também promete um verão com água clara e quente.

Mergulhar na Laje de Santos, não é apenar ir mergulhar em uma ilha da costa, e sim, visitar um parque marinho bem próximo à costa de São Paulo, pouco conhecido pelos próprios paulistas e paulistanos.

É presenciar o que a preservação ambiental trouxe de retorno ao local ao longo dos anos. Quem mergulha na Laje deve lembrar que uma década atrás, a presença de peixes era escassa, e bem diferente da situação atual.

E porque a Laje é muito comentada nos fóruns ?

Simples, porque a grosso modo, quando dá água clara, ela é a “segunda Fernando de Noronha” brasileira e onde o encontro com todos os seres marinhos é possível… De um simples ouriço até golfinhos, baleias, e claro, as arraias mantas…

Dicas

  • Para visitar a Laje de Santos, recomendo a visita somente com os operadores credenciados que operam por lá. Por ser uma ilha distante da costa, alguns cuidados são imprescindíveis, antes, durante e depois do mergulho;
  • Siga à risca as orientações do dive master;
  • Não se distancie da ilha. Isso evita a possibilidade de você ser pego por uma corrente;
  • Como São Paulo está sob altitude razoável, algo em torno dos 800m, é recomendável seguir à risca os limites não descompressivos;
  • Tenha uma lanterna para visualizar os pequenos habitantes da ilha;
  • Por estar em um parque marinho, siga as regras do parque. Atualmente é cobrada uma pequena taxa de visitação ao parque, onde toda a arrecadação contribui para a manutenção do parque, assim como, para que a fiscalização tenha condições de atuar em todo o parque;
  • Procure agendar com antecedência a sua ida, pois como há um número limitado de vagas e grande procura, você pode ter dificuldades para sair nas operações;
  • As embarcações saem às 8hs da manhã impreterivelmente. Evite atrasos, pois as embarcações não podem contar com atrasos dos mergulhadores.
Clecio Mayrink
Nascido no Rio de Janeiro, ingressou no mergulho em 1987 pela CMAS e realizou Dive Master em 1990 pela PADI. Hoje é mergulhador Técnico Trimix (Mergulho Profundo) e de cavernas (Technical Cave Diver e Advanced Cave Side Mount / No Mount). É juiz internacional de apneia pela AIDA e foi membro da expedição de mapeamento da Lagoa Misteriosa em Bonito-MS em 2008. Foi o idealizador do site Brasil Mergulho criado em 1998 (MTB 0081769/SP), atuou como consultor para a ONU, UNESCO, além de diversos órgãos públicos no Brasil.