Naufrágio Rosalinda e sua história

Sempre que um navio naufraga, além da sua carga, ele também leva toda sua história, e justamente isso, é o que move centenas de interessados em naufrágios a buscarem por informações, realizando pesquisas para tentar encontrá-los.

Um dos grandes problemas quanto ao levantamento das informações, é que grande parte é obtida em notícias publicadas nos jornais de época, onde suas cópias normalmente são encontradas apenas em negativos antigos e disponibilizados em algumas bibliotecas grandes, como é o caso da Biblioteca Nacional e do Arquivo Nacional, ambos, localizados na cidade do Rio de Janeiro, por exemplo.

Pesquisar nesses negativos é um trabalho árduo, cansativo e que requer muito tempo, pois normalmente chegamos até a biblioteca e solicitamos um período determinado de publicações de um jornal antigo, e passamos página a página em busca de notícias e informações, o que na maioria das vezes, não dá em nada. Fora quando o que é solicitado encontra-se em um negativo especial, onde é exigida uma autorização para acessá-lo e o tempo de espera de até 5 dias úteis para desarquivá-lo e disponibilizá-lo para o pesquisador.

Hoje, por exemplo, grande parte do arquivo geral do Jornal O Globo já está digitalizado e disponível em um site, o que facilita bastante as pesquisas realizadas pelos aficionados por naufrágios.

Nessas idas e vindas nas pesquisas, recentemente realizar algumas atualizações na área de naufrágios no Brasil Mergulho, e andei buscando por mais informações de alguns naufrágios mais conhecidos pelos mergulhadores brasileiros. Para a minha felicidade, encontrei novas informações sobre o naufrágio Rosalinda, naufragado nas proximidades de Abrolhos, ao sul da Bahia. Aliás, até fotos inéditas do navio antes do afundamento.

Rosalinda e seu passado

Como todo navio guarda um passado histórico, o Rosalinda não seria diferente, e durante uma pesquisa e troca de informações com alguns contatos no exterior, descobri aspectos bem interessantes sobre o navio.

O Rosalinda foi lançado ao mar em 1913 pelo estaleiro Oderwerke Stetinner da Alemanha, como navio cargueiro, recebendo o nome SS Andromeda. Na época, de propriedade da Argo Dampfschifffahrts Gesellschaft – Richard Adler & Söhne, da cidade de Bremen, na Alemanha.

Em 06 de abril de 1917 ele foi apreendido pela fiscalização aduaneira do estado da Luisiana nos Estados Unidos, e em seguida, transferido para a Marinha americana, sendo renomeado para USS Bath (AK-4) em 06 de junho de 1917, e comissionado em 17 de julho do mesmo ano.

Em 02 de agosto de 1917 se juntou ao comboio de Boston e partiu em direção à Brest, na França. Posteriormente foi colocado à disposição para a realização de serviços especiais na frota do Atlântico, transportando cargas entre a Inglaterra e França até fevereiro de 1918, quando retornou aos Estados Unidos. Posteriormente, passou a transportar cargas entre os Estados Unidos e a Europa.

Entre fevereiro de 1919 e julho de 1921, passou a transportar cargas entre a costa leste oeste dos Estados Unidos, além do Caribe.

Em 14 de julho de 1921 participou da frota asiática, chegando às Filipinas em 06 de janeiro de 1922.

Em 02 de janeiro de 1926, por algum motivo desconhecido, ele foi descomissionado da marinha americana e foi vendido a companhia Madrigal & Co. de Manila, sendo renomeado para SS Paz.

Em 1928 foi vendido para a companhia Nicolas Paquet & Cie – Cie. De Navigation Marocaine Et Arménienne, de Marseille na França, sendo renomeado como SS Oued Fez.

Finalmente em 1952, foi vendido ao último proprietário denominado Giovanni Longobardo, da Itália, alterando para o nome final que todos nós do Brasil conhecemos… SS Rosalinda.

Três anos mais tarde, o navio encalhou nos recifes de Abrolhos, o que determinou seu fim.

Com base no seu passado histórico, foi possível fazer um levantamento das fotos tiradas do navio e confirmar a relação delas com o Rosalinda que conhecemos em Abrolhos, Logicamente, foram disponibilizadas no Brasil Mergulho de forma inédita, para que todos possam ter acesso as informações e detalhes dessa parte da nossa história marítima brasileira.

Clecio Mayrink
Nascido no Rio de Janeiro, ingressou no mergulho em 1987 pela CMAS e realizou Dive Master em 1990 pela PADI. Hoje é mergulhador Técnico Trimix (Mergulho Profundo) e de cavernas (Technical Cave Diver e Advanced Cave Side Mount / No Mount). É juiz internacional de apneia pela AIDA e foi membro da expedição de mapeamento da Lagoa Misteriosa em Bonito-MS em 2008. Produziu documentários sobre as Bahamas, Bonaire, Galápagos e Laje de Santos, visitando mais de 30 países. Foi o idealizador do site Brasil Mergulho criado em 1998 (MTB 0081769/SP), atuou como consultor para a ONU, UNESCO, além de diversos órgãos públicos no Brasil.