O Márcia

Localizado entre a Ilha de Pau a Pino e a enseada de Palmas na Ilha Grande, se encontra o naufrágio do Márcia, que afundou devido ao mau tempo em 1953.

Apesar de constar na carta náutica da região, este naufrágio não é visitado por operadoras de mergulho ou mergulhadores em geral.

Assíduo mergulhador de naufrágio e atento à detalhes, Carlos Bersan foi o primeiro a me falar sobre a existência deste navio e sua vontade de explorá-lo.

Sabendo das dificuldades e necessidades práticas que uma busca como esta demanda, aguardamos cerca de dois anos até que tivéssemos à nossa disposição uma lancha rápida com uma eco sonda de primeira geração.

A embarcação utilizada foi a lancha rápida do Bersan, uma utility boat de 22 pés com motor de 100 HP que se mostrou ideal para a empreitada, devido a sua velocidade e facilidade de manobras.

Definimos como ponto de partida as coordenadas apresentadas na carta náutica, que se mostraram com uma quota de erro bastante aceitável.

Fazendo o uso da sonda e do GPS, e cerca de uma hora e meia de procura, fizemos nossa primeira descida, que atingiu a profundidade de 18 metros mas se mostrou infrutífera.

A leitura de uma tela de sonar exige prática e atenção, pois as informações apresentadas na tela podem nos confundir.

Decidido a encontrar o navio, o Bersan iniciou uma nova varredura e num novo ponto me ordenou que fosse jogada a bóia de marcação.

Passado algumas horas desde o início das buscas e preparando para mergulharmos novamente, o mau tempo resolveu dar o “ar da graça”, nos avisando que a nossa caçada estava por acabar.

Zé Luís iniciou o mergulho que localizou os destroços a 17 metros de profundidade. Logo me juntei a ele e após uma rápida visualização e fixação de nossa âncora, emergimos para dar a boa notícia e iniciarmos o mergulho em grupo.

A visibilidade era cerca de um metro e a água, fria. O navio tem casco de aço e está apoiado em um dos bordos, o qual não foi possível identificar. Pela extensão do navio pudemos observar vários buracos no casco e a impressão que tivemos é que o Márcia não é um navio pequeno.

Talvez em condições de mergulho mais favoráveis, estes buracos no casco possam oferecer pontos de penetração. É possível ver vários restos de redes de pesca, que cobram dos visitantes do Márcia uma dose extra de atenção.

Agradecimentos aos participantes José Luiz, Marcos Alvaredo, Fernando Sacola e Bersan.

Rodrigo Coluccini
Criador e proprietário da Revista Deco Stop, foi um dos responsáveis pela divulgação em larga escala das informações sobre naufrágios no litoral brasileiro, fato antes restrito a poucos. É co-autor do manual de naufrágios da certificadora PDIC. Seu trabalho é citado em vários livros atuais sobre história maritima brasileira confirmando a importância de seu trabalho.