Operação Tunamar

Mais uma vez visitando o Tunamar !

De todos os mergulhos realizados até hoje no Tunamar, este tinha uma particularidade especial: Pela primeira vez estaríamos organizando uma operação de mergulho preparada para atender a atividade de turismo subaquático. Todos os mergulhos anteriores foram em caráter de pesquisa, laudos técnicos e tentativas frustradas de resgate dos tripulantes falecidos e que se encontram no interior da embarcação.

O CIMA em parceria com a Deep Trip, abrem com isso, uma nova opção para mergulhos técnicos na região sudeste do Brasil (Arraial do Cabo-RJ), oferecendo suporte, conforto e, principalmente segurança, para a realização deste tipo de mergulho que vêm ganhando mais praticantes devidamente Operacao-Tunamar2treinados e equipados para esta modalidade.

Mergulho em naufrágios, é considerado uma das mais emocionantes especialidade que os mergulhadores autônomos podem ter. Mergulhar em naufrágios profundos, como é o caso do Tunamar aos 65m de profundidade, é extremamente compensador, pois cada um dos mergulhadores que estão aptos a visitá-lo são pessoas comprometidas com a atividade, realizando seus treinos e mantendo uma disciplina quanto às regras colocadas para cada mergulho, sendo muito compensador, ver o resultado positivo de incansáveis treinamentos em águas rasas, para um dia poder dominar a técnica de mergulho profundo.

Todos estão de parabéns!   A Operação foi um sucesso e todos saíram plenamente satisfeitos.

Que fique registrado, a forte colaboração dos operadores de mergulho de Arraial do Cabo, torcendo para que tudo desse certo na operação em que a Deep Trip e CIMA estavam realizando. Várias pessoas se prontificaram a da apoio caso precisássemos de algo. Muito legal este espírito de união de todos.

O mergulho

Dia 14 de março de 2009, um sábado ensolarado em Arraial do Cabo e perfeito para o mergulho. O mar estava tranquilo na superfície e havíamos conseguido chegar ao ponto na hora programada, exatamente durante o estofo da maré, momento em que há pouca correnteza na área onde se encontra o naufrágio.

Carta-Nautica2A partir daí, começou o que considero a parte mais difícil para mergulhar no Tunamar: unhar a garatéia ao naufrágio.

Devido à grande profundidade (65m) e correntezas de fundo, muitas vezes a garatéia é deslocada do ponto em que fora lançada, indo para fora da área do naufrágio, sendo carregada pela correnteza antes mesmo de chegar ao fundo. Outro grande problema, é que ao redor do Tunamar, existem diversas redes e cabos sob a areia. Se a garatéia cair nesta área, é praticamente certo que qualquer um irá pensar que a garatéia se prendeu ao naufrágio, e só no momento em que chegarmos lá embaixo, tomaremos ciência onde o cabo se prendeu e a decepção vem à tona por não haver nenhum naufrágio.

Pode parecer uma bobagem, mas isso praticamente inviabiliza uma segunda tentativa, por se tratar de um mergulho aos 65m. Seu segundo mergulho ficará literalmente “queimado”, devido à descompressão e gases necessários para apenas um mergulho.

Me baseado em experiências anteriores, solicitei a todos que aguardassem na embarcação pacientemente até o meu retorno de um rápido mergulho que iria fazer para confirmar a posição da garatéia. Desci então com o Doc (Eduardo Davidovicth), torcendo para que a garatéia estivesse presa ao naufrágio. Demoramos exatos seis minutos para chegarmos ao objetivo, e para a nossa sorte, ela se prendeu perfeitamente !    Que emoção com um misto de alívio !

Poderia voltar para avisar aos demais que o tão esperado mergulho já poderia ser realizado, e então, assumir minha posição de mergulhador de segurança para os demais mergulhadores. Durante o meu lento retorno a superfície, encontrei já descendo os mergulhadores Lelis J e Paulo Tessarollo, que iriam se juntar ao Doc que os aguardava junto a garatéia. Retorno a superfície e mergulho liberado para os demais.

Carta-Nautica1No dia em questão, a água estava consideravelmente agradável, com uma temperatura ao redor dos 15-16°C, e na superfície, beirando os 18-20°C. A visibilidade aos 60 metros estava em torno dos três metros, que para o local, é considerado bom demais !    Já peguei condições bem piores do que esta, como por exemplo, a temperatura de 11°C e zero de visibilidade. É de fato, um mergulho de tato e um frio insuportável.

O Tunamar é um dos poucos navios em que temos imagens dele ainda na superfície, tornando relativamente fácil a identificação de onde você se encontra durante o mergulho e fácil também para a captura de imagens.

Enquanto todos estavam lá embaixo, preparei todo o suporte para a longa descompressão que os mergulhadores teriam que realizar, e fiquei aguardando dupla a dupla retornar do mergulho profundo. Todos que chegavam para a descompressão, transmitiam no olhar, uma expressão de realização de um sonho: Eu mergulhei no Tunamar !

Parece pouco ?

O mergulho nesse naufrágio requer muito treinamento para que você possa ter a certeza que realmente conseguirá administrar a complexidade de um mergulho como este nesta profundidade. É um mergulho realizado em mar aberto, com correntezas, baixa temperatura e visibilidade, além de redes de pesca, cabos e etc, fatores esses, que mudam a cada minuto, e nada pode ser previsível. Tudo deve de ser considerado e cuidadosamente analisado antes do mergulho.

Se você está pronto para isso, e então venha mergulhar conosco no Tunamar.

Diferente dos mergulhos rasos, considero a parada de descompressão uma longa terapia para nossas mentes. Normalmente, ao retornarmos dos mergulhos, muitas vezes nos distrairmos com alguma coisa que está ocorrendo no barco e esquecemos o maravilhoso mergulho que fizemos, ou tão pouco, paramos para pensar em que você poderia melhorar na performance, para um próximo mergulho. Mas em uma parada de descompressão longa não tem jeito, você tem que ficar ali e sem poder falar com ninguém, só pensando … pensando… refletindo… refletindo… sonhando… sonhando… e até mesmo tomando várias decisões de sua vida !

Operacao-Tunamar1
Eduardo Kossatz, Fábio Conti, Lelis J, Massud, Doc, Antônio Couto,
Sérgio Amorim, Paulo Dias, Thomas Gisler e Paulo Tessarollo.

Um novo naufrágio em Arraial do Cabo

Esse era o dia e prometia !

Naquele dia, estava ansioso, pois já vinha a alguns meses pesquisando a marcação de um naufrágio que ocorreu na região onde naufragara um rebocador, que está localizado nas proximidades da Ilha dos Porcos. Aproveitando que a rota para o Tunamar estaria próxima as minhas marcações, ao sairmos do cais informei aos participantes que haveria um pequeno desvio de rota, pois, havia a certeza de que iríamos encontrar um novo ponto para mergulho em Arraial do Cabo. Com a concordância de todos, cada um se colocou atento a marcações visuais, GPS e Sonda. Em nossa primeira passagem o sucesso da busca à tona: foi encontrado novo naufrágio em Arraial.

Ele está entre a Ilha de Porcos e a Ilha de Cabo Frio, estando a um profundidade em torno dos 45m. A marca de GPS já foi cadastrada no site do Brasil Mergulho, disponibilizando assim, para todos esta informação.

Seguimos então para o Tunamar empolgados com a confirmação deste novo “point de mergulho”. Orgulho, é a palavra, pois não tenho outra para descrever o mergulho no Tunamar nesse dia. Todos voltaram felizes com este dia maravilhoso e com um olhar de orgulho pela competência demonstrada, além da certeza de estarmos conseguindo quebrar o estigma que o mergulho profundo (técnico) é perigoso. Estamos certos que se todos fizerem a sua parte com responsabilidade, tudo sempre correrá bem.

O que atrai você a mergulhar no Tunamar ?

  • Ele faz parte de uma história pitoresca: foi o Navio das Latas de Maconha (Solana Star);
  • Ele é sinistro: Infelizmente há vítimas em seu interior;
  • Ele é técnico: Requer muito treinamento para você conseguir chegar lá;
  • Ele é um naufrágio bonito demais.
Paulo Dias
Paulo Dias mergulha a mais de 20 anos, é Instrutor Silver PDIC (#11332) e Isntrutor PADI #1569264, formando um número superior a 500 mergulhadores. Foi o primeiro mergulhador a utilizar Trimix no mergulho recreativo e sua escola foi a primeira a trabalhar com Nitrox e Trimix no Brasil. Possui também certificação TDI como Advanced Nitrox Diver e Extended Range Diver. Tem como hobby, a pesquisa de naufrágios e a prática de hipismo. É integrante do grupo Wreckfinder, grupo voltado a pesquisa e busca de naufrágios na costa brasileira.