Pernambuco é ótimo e é logo ali !

Foto: Clécio Mayrink

Quem não gosta de uma promoção ?

Ainda mais quando falamos de passagens aéreas, tudo fica muito melhor.

Aproveitando esse momento de promoções das companhias aéreas, nossa equipe embarcou com destino a Pernambuco, para 4 dias de viagem e mergulhos em seis naufrágios de diferentes tipos e épocas.

Pagando em uma passagem aérea apenas o valor de R$ 329 no mês de outubro, chegamos em Recife com apenas 2:40h de voo, que como sempre, nos recebeu com um sol fortíssimo e um bonito céu azulado, condição comum na região do nordeste brasileiro.

Com os pés no aeroporto e malas em mãos, fomos diretamente para a operadora Aquáticos realizar os dois primeiros mergulhos na região.

Saindo no imenso catamarã Galileo, fomos até o naufrágio do Rebocador Flórida, um antigo naufrágio ocorrido em 1917. Uma vida marinha exuberante, é o que se vê no local. Peixes e mais peixes vivem neste recife natural, dando vida e cor ao antigo naufrágio. Finalizado o primeiro mergulho e um breve intervalo de superfície, seguimos para o naufrágio artificial Saveiros, um rebocador doado pelo grupo Wilson, Sons Group, ao programa de criação de recifes artificiais da cidade de Recife.

Mar calmo, sem correnteza, visibilidade acima dos 30m e temperatura média da água em torno dos 29°C. Melhor que isso, impossível !

Em dois mergulhos encontramos tartarugas, arraias e muita vida marinha, com tanta variedade em cores e tamanhos. O mar nordestino possui uma tonalidade azulada e diferente da parte sul e sudeste do Brasil, quando falamos da área mais próxima das praias da costa brasileira. É realmente de dar inveja a temperatura e visibilidade.

Mas o tempo era curto e tínhamos que aproveitar ao máximo a viagem. Eram 14:30h e já estávamos de volta em terra, o que nos permitiu retornar a Pousada Casuarinas (referência entre os mergulhadores) para tomar um banho e comer uma lagosta na praia de Boa Viagem. Frutos do mar no nordeste, além de serem mais frescos, são bem mais em conta do que em outras regiões do país. Um bom prato de lagosta sai na média R$ 20 em um bom restaurante.

A noite, uma caminhada nas proximidades da igreja Nossa Senhora da Boa Viagem para ver o artesanato local, é uma excelente pedida. Atualmente o turista pode andar tranquilamente, pois o Governo do Estado do Pernambuco investiu pesado em segurança, e toda a área turística da cidade passou a ser monitorada por câmeras de segurança. Há um policiamento ostensivo. Quem gosta de uma “balada”, Recife possui uma noite agitada e muito frequentada pelos turistas.

No dia seguinte, saída para os naufrágios Taurus e Pirapama, e outra explosão de cores e vida marinha. Mergulhos tranquilos em meio a água extremamente clara e quente, onde em alguns momentos, somos forçados a deixar circular a água do mar pelo interior de nossas roupas de neoprene, para dar uma refrescada.

Naufrágio Taurus com cardumes e mais cardumes ao redor. Já o Pirapama, idem, porém, contando com alguns tubarões lixa, que normalmente são encontrados ao redor do naufrágio, sendo uma atração à parte aos mergulhadores e fotógrafos sub.

Foto: Clécio Mayrink
Foto: Clécio Mayrink

Indo para Porto de Galinhas

Distante apenas 70Km de Recife e a menos de 1h de carro, chega-se a tão famosa cidade praiana de Porto de Galinhas, recanto de muitos turistas, que além de aproveitarem as belezas naturais da região, visitam a grande formação de corais em frente a praia, sendo uma das atrações da cidade. Com a maré baixa, centenas de aquários naturais são formados, onde é possível ver os peixes nadando livremente entre os corais.

Mais em Porto também há mergulhos e naufrágios, e para lá nos dirigimos ao encontro do instrutor de mergulho Michel Russi, proprietário da operadora de mergulho Aicá Diving, sendo uma das primeiras operadoras a trabalhar com nitrox no nordeste.

Com o atendimento e suporte da Aicá Diving, nossa equipe visitou outros dois naufrágios até então pouco visitados pelos brasileiros. Os naufrágios Gonçalo Coelho e o rebocador Marte.

Assim como os outros naufrágios anteriormente visitados, esses naufrágios possuem um passado histórico bem interessante. O Gonçalo Coelho por exemplo, era um navio de transporte de equipamentos e tropas da 2ª Guerra Mundial. Com o término da guerra, virou um navio cargueiro e chegou inclusive a ser palco de festas “Rave”. Posteriormente foi comprado e naufragou nas proximidades da cidade. Mergulhar no Gonçalo Coelho, é ter excelentes condições de mergulho e imaginar por onde esse navio passou durante a guerra e vivenciou pelos mares.

Cientes das condições de mergulho, também fomos visitá-lo, e como em Recife, encontramos uma grande vida marinha e excelente visibilidade, fazendo com que a gente esqueça do mundo lá fora e não queira voltar para o barco. A vontade que nos passa, é de querer realmente ficar muito mais tempo no fundo e visitar cada área o naufrágio.

Atualmente a cabine de comando adernou, criando um túnel com inúmeros cardumes nadando vagarosamente, dando um espetáculo à parte.

Mergulho finalizado e voltamos para a embarcação para seguirmos em direção ao Rebocador Marte. Confesso que sou amante de carteirinha de naufrágios e fiquei impressionado com o tamanho deste rebocador, pois ele realmente é muito grande. Olhando a documentação e fazendo uma comparação com os rebocadores de Recife, o Marte possui em média, 22m de comprimento à mais que os demais rebocadores, e como ele está em posição de navegação, é possível ter uma idéia melhor do tamanho do naufrágio que realmente impressiona.

Durante o mergulho, peixes e mais peixes, arraias e grandes tartarugas passeando ao redor do naufrágio, tornando o sonho de todos os mergulhadores uma realidade.

Hoje, um mergulhador que visita Porto de Galinhas e não sai para mergulhar nesses naufrágios, é como se não estivesse passado pela cidade de Porto. São naufrágios belíssimos em meio a uma fauna marinha diversificada e preservada, e hoje que podem ser facilmente visitados.

Voltamos para casa com a sensação do dever cumprido. Nada mais que seis naufrágios visitados em apenas quatro dias de viagem. Corrido ?  Nenhum pouco. Na verdade, tivemos tempo para  passear em Recife e Porto de Galinhas, jantar em bons restaurantes, rever os amigos do mergulho e ainda fazer compras.

Foto: Clécio Mayrink
Foto: Clécio Mayrink

Visitando

Em Recife ficamos muito bem hospedados na Pousada Casuarinas, que além de ter um custo muito bom, a pousada está localizada em uma excelente região e frequentemente é utilizada pelos mergulhadores. Nas proximidades você encontra restaurantes, supermercados e farmácia. Além disso, você está a apenas 200m da praia de Boa Viagem.

Aos consumistas de plantão, em Recife existem diversos shopping´s e destacamos o Paço Alfândega, que foi construído na região portuária do Recife antigo, e que possui uma arquitetura inigualável. Ele está a apenas cinco minutos de carro da Aquáticos.

Já em Porto de Galinhas, na principal rua da cidade, o turista encontra uma diversidade em alimentação, que possui uma boa variação de preços e atende a todos os tipos de clientes. Quanto as pousadas, pesquise muito antes de fechar a reserva. Existem pousadas localizadas bem no centro da cidade e outras com um preço mais convidativo, porém, mais distantes do centro. Pegue o endereço e veja antes no Google Earth a localização da mesma. A cidade de Porto de Galinhas é pequena e a maioria das pessoas não usam carro, mas ficando distante do centro, certamente você irá precisar estar com um veículo alugado.

Entre Recife e Porto de Galinhas, você pode ir de ônibus, o que certamente não é recomendável. Vá de táxi ou veículo alugado. De táxi, cobra-se em média R$ 120 o carro e só ida, o que não vale a pena. De Recife à Porto de Galinhas nossa equipe utilizou os serviços da locadora de veículos Loccar, que além de um custo bem em conta, entregou o veículo na Aquáticos em Recife e posteriormente foi buscá-lo no aeroporto sem custos adicionais. Na ocasião, um veículo com ar e km livre, saía em torno dos R$ 80, mas como alugamos um veículo sedan com ar e direção, a diária saiu por R$ 110, estando abaixo do valor cobrado pelos táxis e dando maior mobilidade a equipe. Além disso, o veículo era muito novo e impecável.

Até Recife, todas as grandes companhias aéreas realizam voos diários e facilmente você encontra diversos horários.

Foto: Clécio Mayrink
Foto: Clécio Mayrink

Dicas

  • As empresas aéreas estão sempre realizando promoções. Cadastre-se no sites dessas empresas e fique atento;
  • Não esqueça um protetor solar, pois o sol no nordeste é forte;
  • Dê preferência a roupas leves e o uso de bermudas. Casaco nem pensar;
  • Reserve sua hospedagem e mergulhos com antecedência, pois a procura é grande, face a qualidade dos serviços prestados e condições dos mergulhos;
  • Como o limite de bagagem permitido nas companhias aéreas gira em torno dos 20 aos 23kg, fique atento à isso para não pagar excesso de peso;
  • Se você não é de sentir frio durante os mergulhos em águas quentes e do tipo caribenhas, dispense a roupa de neoprene e leve somente uma camiseta de nylon ou neoprene, para não ter algum tipo de irritação ocasionada pelo uso do colete BC. Além de proteger, diminui consideravelmente o peso da bagagem;
  • Em tese, o melhor período de mergulho em Pernambuco é entre outubro à março, mas mar é mar, logo, se você pretende ir fora dessa época, entre em contato com as operadoras e certifique-se de que há condições de mergulho;

Agradecimentos

  • Ficam nossos agradecimentos aos proprietários e todas as equipes das operadoras de mergulho Aquáticos e Aicá Diving, pelo maravilhoso serviço e suporte fornecido;
  • Patrícia da Pousada Casuarinas, pelo excelente atendimento e suporte a nossa equipe;
  • Colaboradores do Brasil Mergulho pela disponibilidade das fotos dos naufrágios.
Clecio Mayrink

Nascido no Rio de Janeiro, ingressou no mergulho em 1987 pela CMAS e realizou Dive Master em 1990 pela PADI. Hoje é mergulhador Técnico Trimix (Mergulho Profundo) e de cavernas (Technical Cave Diver e Advanced Cave Side Mount / No Mount).

Foi membro da expedição de mapeamento da Lagoa Misteriosa em Bonito-MS em 2008, idealizador do site Brasil Mergulho em 1998 (MTB 0081769/SP) e atuou como consultor para a ONU, UNESCO, Segurança Pública, além de diversos órgãos públicos no Brasil.