Pontos de Mergulho no Estado de Santa Catarina

Foto: Clécio Mayrink

Baía Norte

Tem o fundo de pedras e areia, com profundidade média de 10m. Neste local, arraias das espécies chita, manteiga e prego são vistas com facilidade. Outras espécies particularmente comuns são os falsos voadores, frades, linguados, tricolores, marimbaus, polvos e cardumes de salemas.

Calhau de São Pedro

Tem o fundo de pedras e profundidade média de 16m. Trata-se do ponto dentro da Reserva mais próximo do continente. Por esse motivo, a visibilidade não é das melhores e as condições de mergulho são quase sempre ruins. O lugar é pouco abrigado e a corrente é constante. A fauna por sua vez, é bem representada por peixes grandes como meros e garoupas, peixes de passagem e grandes cardumes.

Garganta do Diabo

Tem o fundo de pedras e profundidade média de 12m. Esse point consiste em um enorme buraco no lado de fora da Ilha Deserta. Os mergulhos são feitos apenas em dias de mar e vento plenamente favoráveis: frades, anjos-rainhas, tricolores, xaréus, enchovas, olhetes e arraias estão entre as espécies mais comuns.

Ilha do Mata-Fome

Local mais próximo da costa com vida marinha bem diversificada.

Ilha das Aranhas

O nordeste da ilha de Florianópolis, é um ponto maravilhoso, possuindo quatro fendas, onde é possível mergulhar em seu interior e em locais de grande profundidade, além dos costões rochosos com vida marinha bem diversificada.

Ilha do Xavier

Localizada em frente à Praia Mole, possui paredão rochoso com fundo de areia, onde há também, uma caverna cheia de vida marinha. Nos mergulhos, normalmente são encontrados polvos, cação-viola, moréias, além do naufrágio Alalunga VII que se encontra entre os 25 e 30m de profundidade

Ilhotes

Tem o fundo de pedras e profundidade média de 18m. Nesse local, o mergulho tem de ser feito ao abrigo dos dois ilhotes. Caso contrário, os mergulhadores ficam expostos demais à correnteza. Trata-se de um point diferenciado. Graças à proximidade com o canal, é constante a presença de várias espécies de peixes de passagem, como olhetes, enchovas e xaréus, além de frades adultos e arraias.

Parcel de Fora

Tem o fundo de pedras e profundidade média de 20m. Trata-se de um dos melhores pontos de mergulho do sul do país. Para visitá-lo, é preciso ter sorte e contar com ausência de vento e corrente, já que o lugar é completamente desabrigado. Praticamente todas as espécies de peixes encontradas na Reserva do Arvoredo podem ser vistas, só que em maior número. Há grande quantidade de esponjas e anêmonas, dando um toque extra de cor as pedras que compõem o parcel. Existem também muitas tocas e grutas. Mas vale lembrar: esse é um point recomendado apenas para mergulhadores avançados e, sobretudo, experientes.

Parcel do Boi

Com fundo de pedras e profundidade média de 15m. É necessário ter condições ideais. Este ponto fica consideravelmente afastado da Ilha do Arvoredo, na direção oeste. É conhecido pela ocorrência de peixes grandes, como meros, garoupas e frades. Peixes de passagem também são vistos com bastante frequência.

Parcel do Portinho

Com fundo de pedras e profundidade média de 16m. Esse parcel fica cerca de 30 metros para fora do Portinho. O local exige atenção dos mergulhadores, pois está consideravelmente afastado da ilha e apresenta correntes com frequência. São encontrados frades, tricolores, moréias e polvos.

Pedra da Baleia

Com fundo de pedras, areia e algas calcárias e profundidade média de 10m. Local pouco abrigado das correntezas devido à existência de um canal que os separa da ilha. O local é caracterizado por grandes pedras submersas, formando grutas e tocas. As espécies mais frequentes são as garoupas, badejos, peixes-morcegos, arraias, nudibrânquios e cavalos-marinhos, além dos cardumes de salemas e marimbaus.

Pedras Negras

Com fundo de pedras e profundidade média de 10m. Encontra-se grande variedade de animais marinhos, como moréias, nudibrânquios, arraias de várias espécies, peixes trombetas, lagostas, meros, polvos e tartarugas.

Ponta do Letreiro

Com fundo de pedras e profundidade média de 14m. Encontram-se peixes de passagem, como olhetes, enchovas e xaréus, entre outros. Garoupas de grande porte também podem ser vistas, além das coloridas espécies de menor tamanho, como anjos-rainhas e frades juvenis.

Ponta Norte

Com fundo de pedras e profundidade média de 14m. Ponto de mergulho repleto de tocas, geralmente habitadas por garoupas de bom tamanho. Quase sempre mergulhadores são acompanhados por frades.

Ponta Sul

Com fundo de pedras e profundidade média de 15m. Melhor ser cauteloso nesse ponto de mergulho, que é menos abrigado e está sujeito a correntes. Trata-se de um bom local para observação de peixes de passagem e cardumes de médio porte. Frades, tricolores, lagostas e moréias também são comuns.

Portinho

Com fundo de areia e a profundidade média de 4m. Bastante abrigado dos ventos, este ponto pode ser visitado com vento leste ou nordeste fraco. Espécies como o falso voador, arraias e tartarugas são comuns. Cardumes também são frequentes, sendo uma das grandes atrações a Toca das Salemas, localizada no lado de fora do Portinho. Como o próprio nome diz, ele abriga um grande número de salemas graúdas.

Porto Norte

Com fundo de algas calcárias e profundidade média de 8m. O fundo de algas calcárias é a grande atração desse ponto de mergulho. Há também os restos de um pequeno naufrágio, completamente desmantelado. Moréias, lagostas, falsos voadores, várias miriquitis e nudibrânquios de diferentes espécies são vistos com muita facilidade.

Recanto do Capim

Com fundo de areia e profundidade média de 8m. Local caracterizado pela presença de pedras enormes que formam inúmeras grutas e reentrâncias. Robalos, tartarugas e arraias são algumas das espécies vistas com relativa frequência.

Saco da Mulata

Com fundo de pedras e profundidade média de 12m. No meio das pedras encontram-se muitas garoupas, polvos e moréias. A presença de alguns peixes de passagem também é frequente, devido à proximidade do canal que divide a ilha e os ilhotes. Perto do canal, existem fortes correntes.

Saco das Balas

Com fundo de pedras e profundidade média de 12m. Nesse local não há correntes e a ausência de vento é quase absoluta. Tartarugas são vistas frequentemente e peixes de passagem visitam o lugar com regularidade.

Saco do Capim

Com fundo de areia e profundidade média de 8m. A grande atração desse local é a existência de uma gruta dividida em dois salões. Dentro delas, encontramos cardumes de salemas e robalos e algumas arraias, sobretudo da espécie popularmente conhecida como arraia-prego. 

Saco do Farol

Com fundo de pedras e profundidade média de 12m. Dois canhões de procedência desconhecida são as maiores atrações desse point. Eles estão a aproximadamente 6m de profundidade. Existem ainda algumas grutas, geralmente habitadas por cardumes de salemas. Trata-se de um dos locais com maior concentração de tartarugas em toda a reserva. Outros animais comuns são polvos, cavalos-marinhos, frades, tricolores, arraias e nudibrânquios. 

Saco D’água

Com fundo de areia e profundidade média de 11m. Na encosta da ilha predominam os grandes blocos de pedra, formando várias grutas e tocas. Nelas escondem-se meros, trombetas, lagostas e cavalos-marinhos. Cardumes de tainhas e outras espécies são frequentes, assim como alguns peixes de passagem.

Ilhas Próximas

Ilha do Arvoredo, Ilha do Campeche, Ilha Moleques do Norte, Ilha Moleques do Sul, Ilha do Badejo.

Redação

Se você possui mais informações sobre o assunto acima, entre em contato com a nossa equipe e ajude a tornar este site ainda mais completo. Isso ajudará os mergulhadores e todos aqueles que estiverem buscando por mais informações.