Brasil Mergulho - A referência em mergulho
 

Principal     Pontos de Mergulho
  
Imprimir Favoritos Recomende
RAPA NUI (Ilha de Páscoa)

Um pequeno ponto de terra, perdido na imensidão azul do oceano pacífico, cercado de água e mistérios por todos os lados. Isto é a Ilha de Páscoa, ou Rapa Nui, como os nativos atualmente chamam este lugar, fruto da erupção de três vulcões no meio do oceano.

O lugar mais próximo daqui é a costa chilena, a 3.700 Km de mar de distância. Para o norte, são 3.800 Km até Galápagos. A oeste, são 4.000 Km de oceano até o Thaiti. Olhando para o sul, 5.000 Km nos separam do Polo Sul. Este é o lugar mais isolado do globo terrestre. Em nenhum outro ponto se está tão longe de qualquer outro lugar habitado como aqui.

Do alto dos 511 metros do Maunga Terevaka, ponto culminante da  ilha, a visão é impressionante. Para qualquer parte que se olhe, pode-se ver o oceano infinito a se perder no horizonte, na curvatura dos confins do globo terrestre. Uma sensação absoluta de imensidão, uma solidão confortante num instante de pura contemplação dos elementos: ar, terra e água. Muita água !

 

De onde veio esta gente ?

A origem da colonização ainda é um mistério. A ciência não tem uma explicação definitiva para demonstrar como aquela gente teria conseguido realizar a façanha de navegar 4.000 quilômetros e alcançar aquele ponto remoto, até então desconhecido de todos, mas calcula-se que a colonização date de aproximadamente 400 AC. Para os nativos, seus antepassados aportaram ali, na praia sagrada de Anakena, vindos da Polinésia, depois que o seu Rei ancestral teve um sonho no qual o mar invadia toda a terra e apenas um remoto ponto perdido no oceano, o Umbigo do Mundo (Te Pito O Te Henua), a ilha de Rapa Nui seria salvo. Após preparar os barcos com os víveres para a grande odicéia, indicou um ponto no horizonte e mandou seu filho navegar até aquela terra sagrada.

Aqui, sem nenhum contato com o mundo exterior, eles desenvolveram uma cultura complexa, misteriosa e encantadora. Desenvolveram um conhecimento astronômico profundo, construíram centenas de enormes esculturas, os Moais, em homenagem aos seus ancestrais - estes totens circundam toda a ilha protegendo sua população – e criaram o rito do Homem Pássaro, uma disputa onde os homens desciam um enorme despenhadeiro, nadavam quase mil metros até uma pequena ilha de onde tinham de trazer o primeiro ovo colocado por uma fragata naquela estação e então fazer o percurso de volta e retornar com o ovo intacto. O vencedor seria o próximo rei. Os mortos eram homenageados com uma escultura de um pássaro nas rochas.

Até que num domingo de páscoa, no quinto dia do mês de abril de 1722, o capitão holandês Jacob Hoggeveen, aportou na ilha. Era o primeiro rosto desconhecido já visto pelos 6.000 habitantes da ilha viam. Algumas décadas depois a população era de apenas 111 sobreviventes.

Hoje, Rapa Nui é um imenso museu a céu aberto. Os Moais, enormes estátuas rituais que dominam a paisagem, se espalham em todo o contorno da ilha. Cavernas com inscrições rupestres, petroglifos, a água do mar, com seu tom de azul inigualável, que assoita as rochas, tudo aqui traz o passado e o mistério à tona.

 

Rapa Nui hoje

O único povoado da ilha, Hanga Roa, é uma simpática vila cheia de flores, cachorros, cavalos, seus donos e alguns turistas que circulam extasiados. Poucos carros e algumas motos. Aqui, o tempo passa devagar. As pessoas não têm pressa, o dinheiro não tem muita importância (talvez porque não haja muito o que se fazer com ele naquele paraíso dominado pela natureza) e todos parecem viver numa grande comunhão. Até para nós, que ficamos lá apenas oito dias, foi possível perceber como as pessoas são disponíveis, abertas e despreendidas. Todos se cumprimentam na rua e a qualquer momento, andando pela rua, você pode ser convidado para participar de um almoço ou churrasco numa casa de amigos que você até então nunca tinha visto.

A hospedagem aqui lembra a de Fernando de Noronha. Casas de família adaptadas para receber poucos hóspedes de cada vez e uns dois ou três hotéis um pouco maiores, com piscina e serviços mais requintados e totalmente dispensáveis, principalmente num lugar como este. A "cidade" oferece tudo que se pode precisar. Pequenos mercados que vendem de tudo, padarias, lojas de artesanato e souvenires, internet, farmácia, feira, bares e alguns restaurantes. A comida agrada todos os sentidos: paladar, visão, olfato e até a audição, com o som do mar ou de um nativo conversando na língua local.

 

As operadoras de mergulho e suas lendas

No primeiro dia fizemos um reconhecimento geral da ilha, conhecendo os principais pontos e, de volta à cidade, Hanga Roa, fomos conhecer as duas operadoras de mergulho locais: Orca e Mike Rapu (se pronuncia mique rápu e não maike). A ansiedade era grande pois, além da vontade incontrolável de penetrar naquele azul absurdo, estava louco para saber mais sobre a história destas duas operadoras. A mais antiga, Orca, pelo que tinha escutado no Brasil, fora fundada por um integrante do grupo de Jacques Custeau, que se apaixonou por uma nativa e abandonou o Calypso e seu comandante. Hoje, quem dirige a operadora é seu irmão, que se mudou para lá logo depois, na década de setenta, enfeitiçado por suas histórias. A outra pertence a um verdadeiro mito local. Mike Rapu, um nativo de Rapa Nui, foi várias vezes campeão chileno e sul americano de caça-sub. Mike Participou de dois campeonatos mundiais, sendo recordista de apnéia com lastro constante, com a marca de 77m. Escolhemos a história e a simpatia dos nativos e no outro dia saímos para o primeiro mergulho, com o Juan e o Roberto, da Mike Rapu Diving Center...

 

Os mergulhos

O barco, uma pequena lancha, fica atracada na pequena marina da operadora, a uns oito ou dez metros de distância da operadora. Isto mesmo, é só atravessar a pequena rua de terra e embarcar. Após todo este trabalho, mais cinco minutos de navegação e estávamos prontos para cair na água. O tom de azul, de uma água que percorreu pelo menos 3.700 quilômetros do pedaço de terra mais próximo, é absolutamente indescritível. Dentro d’água é impossível calcular a visibilidade. Simplesmente se vê tudo o tempo todo. Os outros mergulhadores, o barco a superfície, tudo. Este primeiro mergulho é feito num "naufrágio" artificial de um Moai - uma grande escultura de pedra colocada ali para que os instrutores possam avaliar a habilidade do mergulhador forasteiro - que repousa no fundo de areia branca, entre enormes formações de corais. A vida não é muito diversificada, mas bem exótica, pois os animais que ali habitam se diferenciaram em cor e forma de seus parentes do distante continente, sendo que 26% das 160 espécies ali encontradas são endêmicas. Muitos peixes trombeta, borboletas, budiões, tartarugas entre outros. Mas o grande atrativo do mergulho, e que por si só vale a viagem, é a cor e transparência da água e as formações do relevo de rocha ou coral. Nos outros pontos de mergulho, paredões profundos e incrivelmente azuis se perdem na imensidão. Cavernas e fendas completam o cenário. Talvez o que tenha me impressionado aqui é a possibilidade de fazer um mergulho no azul, num ponto com mais de cento e cinquenta metros de profundidade, a não mais que duzentos metros da costa, pois a profundidade cai muito rapidamente e a água é totalmente cristalina mesmo na praia. Outra atração do mergulho é a navegação, quando se pode ver os altos costões, as cavernas e os Moais de um outro ângulo.

Aqui, as saídas são de apenas um mergulho, pois os pontos ficam tão perto da operada que não faz sentido ficar uma hora a bordo esperando pela segunda imersão. Normalmente eles fazem várias saídas por dia, dependendo do movimento. É até engraçado; você chega na operada e diz que quer marcar um mergulho e ele te responde. Agora !   Vamos pegar os equipamentos !  Claro que não é assim na alta estação, que vai de dezembro a março, mas durante o resto do ano, este é povo mais tranquilo e despreendido que eu já vi. A saída custa em torno de U$ 40 com todo o equipamento deles (todo mesmo, inclusive máscara e nadadeira) mas é fácil conseguir bons descontos ou mergulhos de cortesia se você combinar uma série de mais de três ou quatro mergulhos, ou se não for sair sozinho para mergulhar, ainda mais porque os brasileiros são praticamente desconhecidos por estas bandas. Uma coisa que me chamou atenção é que, apesar do isolamento, todo o equipamento da operadora em que mergulhei, a Mike Rapu, é muito novo. Tanto o compressor os cilindros e o barco, quanto o material que nos é cedido, como roupa, coletes e reguladores.

 

Quando ir

Para quem, como eu, quer fugir da alta estação, a melhor época do ano é o segundo semestre. Embora o tempo numa ilha tão isolada seja muito inconstante, a partir de agosto há uma maior predominância de dias ensolarados e a temperatura fica em torno de 25°C.

A temperatura da água é bastante agradável, e a média anual é de algo em torno de 24°C.

A única companhia que voa para chegar até Rapa Nui é a LAN Chile, que tem vôos regulares quase diários em modernas e confortáveis aeronaves, com duração de aproximadamente quatro horas. No nosso caso, nós compramos um pacote de oito dias saindo de Santiago do Chile – no site Visit Chile, incluindo traslados, estadia e um tour pela ilha, por um preço de U$ 800,00, o mesmo preço que é cobrado pelas passagens de avião.

Para chegarmos até Santiago, apelamos para o programa de milhagem da TAM, que voa direto a capital chilena, que aliás foi o que possibilitou a nossa viagem. A LAN também fazem este trajeto. Pode-se alugar motos, quadriciclos e carros (tipo jeep) por cerca de U$ 40,00 a diária ou contratar os diversos serviços de passeios guiados pela ilha, dentre os quais um dos mais interessantes é conhecer a ilha a cavalo acompanhado por um guia nativo.

 

Na Internet

Operadoras de Mergulho:

 

Informações Gerais:

 


O Moai
 


Bernardo e Patrícia

 
Bernardo Campos, Dive Control pela SSI, Intro to Cave e Technical Nitrox pela IANTD e Cave Diver pela NSS/CDS. Produz vídeos sub, já tendo filmado nas cavernas no México, Goiás e Mato Grosso, além de vários pontos de mergulho no Brasil e exterior.

E-mail: videosub1@yahoo.com.br














 
  Topo
 
     
    Termos de Uso     Mídia     Anuncie     Fale Conosco  
     
    Conheça também  
 
     
Apoiamos
Daniel Botelho
Instituto Laje Viva
Revista Mergulho
Coral Restoration Foundation    
Projeto Meros do Brasil    
Conexões

 
   
  O site Brasil Mergulho é integrante da Brasil Mergulho Produções e foi criado com a missão de oferecer informações sobre Mergulho e todos os assuntos relacionados de forma qualificada, rápida e gratuita. O Brasil Mergulho Produções não se responsabiliza pelo conteúdo exposto, não comercializa produtos e não atua na área de cursos e treinamentos de mergulho. Caso você não concorde com algum conteúdo exposto neste portal ou possua alguma dúvida em relação aos termos de uso do portal, entre em contato com nossa equipe para mais esclarecimentos. Publicidades e campanhas aqui veiculadas, não refletem nossa opinião. Mergulhar requer cursos e treinamentos.