Um ilustre desconhecido – Black Adder

Há até pouco tempo jazia quase esquecido na praia da Boa Viagem em Salvador um naufrágio conhecido por Black Adder.

A cerca de duzentos metros da praia com profundidade variando de oito a quinze metros, se encontra um navio de casco de ferro e três mastros que tem como atração principal sua proa, que mantém grande parte de suas estruturas proporcionando uma bela visão.

Quando mergulhei neste navio e me deparei com o casco de ferro, minha expectativa era de encontrar caldeiras, motor e hélice, mas nenhum desses itens estava lá.

Imaginei então que estes itens tivessem sido retirados em alguma fase da vida deste navio.

A presença de mastros indicava que este navio podia ter sido um navio de propulsão mista, que utilizava as forças do vento e do vapor. Após retornar para casa e tendo ficado intrigado com o que tinha visto, iniciei via internet uma pesquisa sobre a verdadeira identidade deste navio.

Até aquele momento, as informações disponíveis eram:

O nome: Black Adder; a nacionalidade: Norueguesa; o ano de afundamento: 1905; e sua carga: Carvão. Mesmo assim não havia confirmação sobre a veracidade destas informações.

Alguns meses se passaram até que me deparei com o registro de um veleiro de três mastros e casco de aço chamado “Black Adder”. Construído em 1870 na Inglaterra pelo estaleiro Maudslay, Son & Field por encomenda do senhor John Willis.

John Willis era um proeminente armador inglês, que também era dono do mundialmente famoso “Cutty Sark” que até hoje encanta visitantes na Inglaterra.

Rodrigo Coluccini
Criador e proprietário da Revista Deco Stop, foi um dos responsáveis pela divulgação em larga escala das informações sobre naufrágios no litoral brasileiro, fato antes restrito a poucos. É co-autor do manual de naufrágios da certificadora PDIC. Seu trabalho é citado em vários livros atuais sobre história maritima brasileira confirmando a importância de seu trabalho.