UT 240 – Undersea Technologies

Controlado por computador, auto – mesclável, circuito fechado, sistema pessoal de suporte de vida.

No UT 240, existem 2 cilindros, um com oxigênio e o outro com um diluente, que pode ser o Hélio, o Nitrogênio ou o Neon. O UT 240 utiliza um sofisticado e totalmente integrado computador que, mistura o oxigênio com o diluente, proporcionando ao mergulhador a melhor mescla para cada profundidade e fase da imersão, garantindo a máxima eficiência tanto na descompressão quanto na utilização do gás.

O UT 240 é composto por:

1 – Absorvente > Com capacidade para 3.5 litros (duração de até 4 horas).

2 – Duas bolsas respiratórias (com dreno) > A posição é frontal e estão disponíveis em 3 tamanhos, de acordo com a capacidade pulmonar do mergulhador. A bolsa maior tem o volume total de aproximadamente 8 litros.

3 – Dois cilindros de gás > Um de oxigênio; um de diluente (Hélio, Nitrogênio ou Neon). É sugerido um tamanho de 3 litros. A unidade pode acomodar cilindros de 1 a 10 litros.

4 – Computador de descompressão integrado > Totalmente integrado para o controle da imersão, em tempo real; algoritmo intercambiável com base – nitrogênio ou para a mescla de gás diluente, com uma PPO2 constante; transição automática para uma PPO2 maior, durante a descompressão.

5 – Sistema de alerta e detector integrado de CO2 > Os sensores situados nas bolsas monitoram o CO2 e um aviso é dado, caso o nível se torne perigoso.

6 – Gravação dos dados da imersão > Profundidade/tempo, perfil, gás usado, PPO2, etc são gravados através de toda a imersão e podem ser transferidos para um PC ao final da imersão.

7 – Display com os dados da imersão > Display de cristal líquido, montado para um áudio – alarme adicional e HUD (Display dentro da máscara).

O UT 240 pode operar com a mistura de nitrogênio e hélio como diluente, e o planejamento da imersão e o software interno podem manejar isto, apesar de não ser recomendado. Não haverá tanta economia de dinheiro que requeira esta operação.

Além dos 152 metros de profundidade mergulhadores podem experimentar a HPNS (Síndrome Nervosa das Altas Pressões).

Em profundidades extremas, algum nitrogênio pode ser acrescentado na mescla gasosa, a fim de contrabalançar os efeitos da HPNS, mas estas profundidades estão além daquelas recomendadas para o UT 240.

O UT 240 pode fornecer tempos mais longos de não – descompressão, e menores tempos de descompressão, do que quaisquer sistemas existentes.

Por exemplo:

A 24 metros com ar = máximo de 40 minutos (US Navy)
A 24 metros com o UT 240 = máximo de 77 minutos.

Ou seja, quase o dobro !

A 18 metros com ar = máximo de 60 minutos (USNavy)
A 18 metros com s UT 240 = até que o material absorvente se esgote, +/- 4 horas.

Ou seja, 4 vezes mais !

A descompressão do mergulhador é dependente do gás inerte respirado (nitrogênio ou hélio), da pressão parcial e do tempo e não apenas da profundidade e do tempo.

Ao reduzirmos a pressão parcial do gás inerte, reduzimos também a quantidade deste gás inerte, que é absorvida pelos tecidos e, por conseguinte, diminuímos as obrigações descompressivas. No UT 240, a pressão parcial do gás inerte (gases diluentes) é mantida ao mínimo possível, e a PPO2 na mais alta, quanto for razoavelmente segura.

As vantagens fisiológicas e operacionais de se usar mesclas, com PPO2 altas, são:

  • Extensão dos limites de não – descompressão.
  • Redução do tempo de descompressão;
  • Redução do gás inerte residual após a imersão, aumentando o tempo em imersões sucessivas ou reduzindo o intervalo de superfície:
  • Redução no potencial da doença descompressiva.

A mescla gasosa é geralmente limitada pela toxidade do oxigênio e pela narcose do gás diluente.

O oxigênio se torna tóxico a uma pressão parcial maior do que 1.8 bar. Sendo assim o oxigênio puro não deve ser usado em profundidades maiores do que 10 metros. O Nitrox 32, usado em alguns rebreathers semi – fechados, não deve ser usado abaixo dos 40 metros e a BSAC recomenda para o ar, a profundidade máxima de 50 metros.

O rebreather UT 240 trabalha com uma pressão parcial constante do oxigênio de 1.4 bar, sendo assim, a PPO2 pode ser mantida acima do nível tóxico. Este fator não faz com que a unidade seja limitada pela profundidade.

Ao usar – se o nitrogênio, como diluente, a profundidade máxima recomendada é de 50 metros. Com o hélio, o UT 240 tem sido testado a profundidades maiores que 200 metros.

Carlos Nelli Borges

Carlos Nelli Borges é Master Scuba Instructor pela PADI, Instrutor de Rebreather pela TDI (E.1211.I) e Instrutor Trainer Rebreather pela RAB (BR-133-02/98), possindo mais de 1.200 mergulhos com rebreathers.

Foi representante da Dräger no Brasil entre 1997 e 2000. Atualmente atua como instrutor na África do Sul.