Viajando para Bali

Foto: Arley Eishima

O local

Localizada no coração da biodiversidade marinha, a Indonésia, junto com sua vizinha Filipinas, é o país onde se pode encontrar a maior variedade de vida marinha no planeta. Composta por mais de 17.000 ilhas, a Indonésia se espalha entre o norte da Austrália e o sudeste Asiático cruzando a linha do Equador.

Bali é uma das províncias que compõe a República da Indonésia. Situada a leste de Jakarta, a capital do país, Bali sempre foi associada ao surf, sendo de longe, o destino mais procurado pelos turistas no país. Como destino de mergulho, a Indonésia oferece uma infinidade de lugares espalhados entre as diversas ilhas de modo que, a grande vantagem de se mergulhar em Bali se dá pelo fato de ter um aeroporto internacional, o que evita deslocamentos em outros aviões, a necessidade de fretamentos e principalmente o isolamento já que é uma ilha enorme com muitas coisas para fazer e lugares para conhecer.

Para esta viagem, foram eleitos 3 lugares com características distintas quanto a vida marinha: Lembongan em Bali para os mola-mola e raias manta, Gili Trawangan em Lombok (fora de Bali) para as tartarugas e tubarões e Tulamben para o naufrágio USS Liberty e vida macro. Mas que não necessariamente se restringe a estes lugares ou que em outros lugares não se vá encontrar, seria mais uma questão de maior probabilidade.

A viagem

Chegar até Bali é uma tarefa árdua. As principais opções seriam entre Singapore Airline (São Paulo / Barcelona / Cingapura / Bali) ou Qatar (São Paulo / Doha / Cingapura / Bali), e ambas em torno de 24 horas de vôo, fora espera em aeroportos e 11 horas de fuso horário.

Lembongan foi o nosso primeiro destino sendo necessário uma travessia de cerca de 40 minutos de barco partindo de Sanur. Depois de Lembongan, saímos de Bali e fomos até a ilha de Gili Trawangan em Lombok a cerca de 2 horas de barco. Na sequência voltamos para Bali, saindo de Gili e navegando cerca de 2 horas até Padang Bay e depois mais ou menos uma hora de carro até o norte de Bali no vilarejo de Tulamben.

Pontos de mergulhos e arredores

Lembongan – Ilha prioritariamente turística mas mantém uma cultura de subsistência baseado no cultivo de algas, pesca e agricultura. Frequentada por mergulhadores e surfistas, é uma ilha tranquila sem muito agito restringindo suas atividades basicamente aos relacionados obviamente à água. Banhado diretamente pelo oceano Índico, além de fortes correntezas, Lembongan apesar de estar próximo a linha do Equador pode receber águas frias (abaixo de 17 graus) e por isso é bom se informar antes de cair na água. Além disso é um local extremamente sujeito as marés e deste modo, deve-se procurar saber o melhor horário para se cair na água e principalmente não atrasar. Por estas características, praticamente todos os mergulhos em Lembongan são feitos em drift.

Fora os mergulhos, como costumam brincar os divemasters, você tem algumas opções como jantar em seu hotel ou jantar no hotel ao lado.

Principais pontos de mergulho visitados:

Cristal Bay: Seu nome condiz com o site, águas cristalinas. Ponto mais procurado pelos mergulhadores, costuma ficar lotado de barcos, mas não somente em função de suas águas transparentes e vida abundante, é o local mais provável para encontrar um mola-mola. Se a temperatura da água estiver ok pra você aqui, então não vai precisar se preocupar com os outros lugares, pois é um dos pontos com a água mais fria na região;

Manta Point: Estação de limpeza das raias manta. Segundo ponto de mergulho mais visitado pelos mergulhadores. Neste ponto, a probabilidade de você cruzar com uma raia manta geralmente é grande;

Pura Ped: Local com uma cobertura de corais sem igual, proporciona uma quantidade e variedade de peixes muito grande.

Gili Trawangan

Ilha 100% dedicada ao turismo, é possível encontrar desde as hospedagens mais simples aos grandes resorts, das comidas mais simples na praça aos restaurantes requintados. Em Gili você pode escolher ficar na região “central”, próximo ao agito, aos restaurantes e baladas ou então afastado, até mesmo isolado, mesmo estando em uma ilha com menos de 10Km2. Você pode optar por relaxar fazendo massagem ou escutando um reggae ou mesmo beber nos pubs e baladas com som ao vivo. Enfim, Gili foi feita para agradar gregos e troianos, mas Gili é Gili, não tem nada a ver com Indonésia, não tem nada a ver com a Ásia, é um lugar para você curtir a sua maneira.

Da mesma forma que Lembongan, Gili é um local sujeito a correnteza e maré, assim os mergulhos por lá são feito em correnteza (drift) e noturnos estão fora de questão, ou são muito raros. A vantagem de Gili por estar mais ao norte é de não estar sujeito às águas geladas trazidas pela corrente antártica, tendo uma temperatura mais agradável girando em torno de 26 a 29 graus em média.

Apesar de ser um ótimo lugar para se passar uns dias, poder levar a família e pessoas que não mergulham, Gili infelizmente está longe de ser um destino de mergulhadores. Existem muitos pontos onde a prática é possível mas em função da pesca a base de dinamite que os nativos faziam no passado, a camada de corais em Gili está quase que totalmente devastada.

Os corais estão se recuperando mas é um processo demorado e principalmente comparando com Lembongan, Gili se torna pouco atrativa uma vez que mergulhar na Indonésia a sua expectativa vai lá pra cima. Em contrapartida, em Gili existem vários sites onde estruturas metálicas dos mais diversos formatos estão sendo deixadas para ajudar a recuperação dos corais, tornando locais bem divertidos para procurar bichos e se infiltrar por elas.

Principais pontos de mergulho visitados:

  • Shark Point: Mergulho com tubarões, mas sujeito a fortes correntezas;
  • Sunset Point: O ponto mais preservado em Gili, possível cruzar com galhas branca por aqui também;
  • Biorock: Um dos diversos sites em fase de recuperação com estruturas metálicas para a fixação de corais.

Tulamben

Ao norte da ilha principal de Bali, o vilarejo de Tulamben é o principal destino para os mergulhadores que vão a Bali. Com sua areia preta, escurecida em função da atividade vulcânica no passado, o site é perfeito para os amantes da vida macro. Com inúmeras espécies de nudibrânquios, camarões, caranguejos, etc. O segredo dos mergulhos em Tulamben é procurar. Olhar atentamente cada pedrinha, cada coral, porque em muitos desses lugares eles estão escondidos, ou mesmo a mostra, mas tão bem camuflados que olhos destreinados sequer saberiam diferenciar um coral de um caranguejo.

Por si só, este vilarejo é um local exclusivo para mergulhadores. Com suas praias cheia de pedras, de longe seria um local agradável para banhistas a procura apenas de um lugar ao sol em frente ao mar. Nesse caso, quem não mergulha ficaria restrito à piscina do hotel. Assim como em Lembongan, as opções de noite seriam escolher em que hotel jantar.Mas por outro lado, estando na ilha principal de Bali, as opções são inúmeras, mas dependeria da contratação de passeios que precisariam de carro e tempo, sendo assim um pouco difícil de fazer entre os mergulhos.

Em função do tamanho da ilha, Tulamben é menos sujeito aos efeitos da correnteza, e desta forma nem todos os mergulhos são em correnteza. Assim como em Gili, a temperatura da água gira em torno de 26 a 29 graus.

Principais pontos de mergulho visitados:

Libery: Naufrágio da Segunda Guerra Mundial, é o site mais procurado em Tulamben e praticamente impossível não encontrar ou outro grupo mergulhando por lá. Com uma vasta cobertura de coral ao seu redor, fica praticamente impossível para um fotógrafo decidir entre grande angular ou macro. Além de ser possível encontrar diversos tipos de seres minúsculos como o cavalo marinho pigmeu, logo de manhã já indo embora, ou no final do dia, já voltando, é possível cruzar com os grandes Bumbheads Parrotfishes pelo caminho.

Seraya Secret: O mergulho na areia preta mais imprevisível em Tulamben. Neste site é possível encontrar as criaturas mais incomuns e minúsculas, excelente para os amantes dos nudibrânquios, camarões e outras pequenas vidas. Local muito concorrido entre os fotógrafos.

Coral Garden: Outro mergulho difícil de decidir entre macro e grande angular. Aqui você encontra desde minúsculas lagostas peludas até tubarões galha preta adultos.

Intervalo de superfície

Lembongan é uma ilha pequena, então não há muito o que fazer fora as atividades relacionadas a água ou compra de artesanato. Um passeio que alguns turistas costumam fazer é visitar/conhecer o mangue (Mangrove Forest).

Quase na mesma linha, Gili não tem muitas opções mas ainda assim é um local muito mais agitado e movimentado que Lembongan. Assim, fora a parte de compras, massagem, restaurantes e barzinhos, o que se pode fazer em Gili é alugar uma bicicleta e dar uma volta completa pela ilha. Alguns chegam a fazer andando ou correndo, mas mesmo de bicicleta as vezes se torna um exercício pesado, pois vários trechos no lado de trás da ilha são feitos em areia fofa o que faz com que muitas vezes tenhamos que empurrar a bicicleta pela “estrada”.

Tulamben em si também não tem nada, mas a partir dele é possível agendar inúmeros passeios. Porém seria até mais interessante que ao invés de permanecer em Tulamben, procurar uma região mais central na ilha de onde poderia ser feito os diversos passeios de uma maneira mais proveitosa. Pensando nisso, muitos turistas escolhem Ubud para ficar uns dias e conhecer um pouco mais de Bali.

Ubud é considerada o centro cultural de Bali, pois na região se concentram a grande parte dos artistas e artesãos da ilha. Assim, Ubud é o local mais indicado para as comprinhas de lembrancinhas, ou mesmo para casa. Uma infinidade de peças artesanais para enfeitar uma sala, utensílios, essências e óleos para massagem, roupas, enfim, Ubud é um centro de comércio turístico com produtos de qualidade e preço baixo. De noite, várias opções de restaurantes, barzinhos, assim como shows da tradicional dança balinesa. Aqui também é possível conhecer o mercado, mas há um ponto interessante.

O mercado funciona normalmente o dia todo e durante o dia é repleto de turistas. Porém durante as primeiras horas da manhã, até mesmo antes do nascer do sol, o mercado já está aberto, mas sem os turistas que ainda dormem, o mercado fica lotado com o balineses fazendo suas compras do dia a dia, assim se você quiser conhecer o lado, digamos, verdadeiro de Bali deverá acordar cedo ao menos um dia para visitar e conhecer um pouco desta rotina do povo da Indonésia.

Em relação as atrações, Ubud oferece uma infinidade de passeios que vão depender do seu interesse e tempo. Apesar de ser um país em sua maioria mulçumano, Bali tornou-se uma ilha hindu em função de migrações no passado, assim, seu templos são uma atração que valem uma visita.

Por ser um povo extremamente religioso e devotado, templos serão vistos aos montes e praticamente cada casa tem o seu mini templo particular, por isso fica meio difícil decidir qual visitar pois as opções são inúmeras.

Para facilitar então cito 2 dos mais visitados entre os turistas: O Besakih, chamado de templo mãe, é na verdade um conjunto de templos, sendo o mais importante para o povo balinês. O Tirta Gangga, o palácio das águas, um dos mais bonitos.

Para os que gostam de aventura, por seu uma ilha vulcânica existem opções de trilhas para vários de seus pico, opções de rafting, etc. Mas se aventura, cultura, compras ainda não basta, ainda resta o lado vamos dizer econômico/gastronômico da região. Dois passeios muito procuradas pelos turistas são os passeios pelos campos de arroz, onde você irá ter contato com o processo de plantio e cultivo do arroz que é a principal atividade econômica da ilha depois logicamente do turismo. O outro é a degustação do Luwak Kopi ou Civet Coffe, um dos cafés mais caros do mundo, produzido através do processo digestivo do Luwak (animal típico da região).

Dicas

Dedique alguns dias em Bali para as atividades fora o mergulho. A quantidade de dias vai depender do tempo e interesse em conhecer as outras coisas, mas no mínimo uns 3 dias é recomendado.

Para se chegar até Bali são mais de 24h de vôo, sem contar o tempo em aeroporto esperando as escalas e conexões. Assim, tendo tempo, faça uma parada de ao menos uma noite na Europa por exemplo para dar uma quebrada e poder descansar um pouco melhor.

Leve dinheiro, na Indonésia costuma-se cobrar uma taxa adicional para pagamentos em Cartão de Crédito. É de 3% mas somando o IOF daqui (6.38%) já dá uma sobretaxa de quase 10% no valor.

Não é comum aceitar dinheiro estrangeiro nos estabelecimentos, assim você terá que trocar os seus dólares ou euros por rupias. Procure trocar uma quantidade razoável em alguma casa de câmbio próxima ao centro (perto do aeroporto) pois a taxa tende a piorar nos locais mais remotos.

Porém, não há a necessidade de se trocar muito dinheiro pois o custo de vida na Indonésia, mesmo nos lugares turísticos, é baixo. Uma boa refeição varia de R$ 10 a 20, mas logicamente pode ficar mais caro em função do prato e do requinte do estabelecimento, mas mesmo nesses lugares, comparativamente o preço é baixo.

Se levar algum equipamento que necessite recarga, leve um adaptador de tomadas. Os plugues seguem o padrão europeu (pinos redondo, plugue redondo fundo).

Leve roupas leves e muito protetor solar, se for alérgico a picadas de mosquito, um repelente é recomendado. Se quiser levar pouca roupa pra carregar menos peso na mala, não tem problema, o serviço de lavanderia é muito barato. Vai de centavos a poucos reais nas peças mais caras.

Ficando menos que 30 dias na Indonésia, não há a necessidade de se tirar o visto antecipadamente, pode-se tirar o visto na hora pagando U$ 25.

É possível enviar o seu passaporte ao consulado da Indonésia em Brasília para antecipação do visto e pagando uma taxa de R$ 90 fora despesas com correio. Financeiramente é muito melhor deixar para tirar o visto na hora, porém a fila para pagar e a fila da imigração são tão grandes que pode ser uma boa opção deixar a parte da documentação acertada antes de ir viajar. Com uma fila especial para quem já tem o visto, gastando um pouco mais, você pode salvar cerca de uma hora de espera até poder entrar na Indonésia, e principalmente para quem já voou mais de 24horas, essa diferença financeira parecerá irrisória.

Curiosidades

Bali por ser uma das únicas províncias hindus na Indonésia, possui costumes, vestimentas diferentes do resto do país.

Por serem muito religiosos, em todos os lugares você encontrará uma oferenda, seja dentro do carro, na entrada de uma loja, em frente a uma estátua ou templo. São tantos em tantos lugares, que para turistas desacostumados como nós fica praticamente impossível em alguma hora em algum lugar não chutar, pisar ou esbarrar alguma das oferendas estragando-as.

Segundo a tradição de balinesa os filhos independente do sexo recebem seu nome de acordo com a ordem de nascimento. Existem algumas variações, mas via de regra segue: Primeiro filho, Wayan, o segundo Made, o terceiro Nyoman e o quarto Ketut. Se tiverem um quinto filho volta ao primeiro nome, Wayan e assim por diante.

Arley Eishima
Engenheiro e mergulhador avançado pela PADI desde 2001 com especializações em Nitrox e Biologia Marinha. Já mergulhou em diversos pontos no Brasil e no exterior. Costuma conciliar 3 dos seus maiores hobbys em uma só atividade no mergulho: Mergulhar, fotografar e identificar os seres em seu catálogo pessoal de biologia marinha.