Vital de Oliveira

Data: 20/07/1944

GPS:

Localização: 25 milhas ao sul do Farol de São Tomé

Profundidade (m): 55

Visibilidade (m): 2 – 10

Motivo: Torpedeado pelo submarino alemão U-861

Estado: Inteiro

Carga: Material bélico

Tipo: Navio auxiliar

Nacionalidade: Brasil

Dimensões (m): 82.30 / 12.30/ 4.31

Deslocamento (t): 1.300

Armador: Marinha do Brasil

Estaleiro: Ailsa Shipbuilding Co.

Propulsão: Mista, armado em iate e, vapor, com dois motores de tripla expansão de 540HP, acoplados a dois hélices. Tinha o carvão como combustível.

Fabricação: 1910

Notas:

O Navio Auxiliar Vital de Oliveira, ex-Itaúba, da Companhia Nacional de Navegação Costeira, foi o segundo navio a ostentar esse nome na Marinha do Brasil, em homenagem ao Capitão-de-Fragata (post-mortem) Manuel Antônio Vital de Oliveira, morto na Guerra do Paraguai em 2 de fevereiro de 1867, no bombardeio a Curupaiti, a bordo do Monitor Encouraçado Silvado, do qual era Comandante.

Foi construído pelo estaleiro Ailsa S.B. Co., em Troon, Inglaterra. Como Vapor Itaúba, foi incorporado pela primeira vez como transporte das forças que foram enviadas ao Paraguai em 1911. O Itaúba foi o primeiro e único navio a ostentar esse nome na Marinha do Brasil. Em 29 de outubro de 1931, pelo Aviso n.º 3.785, o MM informou ao CEMA sua decisão de mandar incorporar a Esquadra, temporariamente os Paquetes Itajubá, Itaúba e Itapema, da Companhia de Navegaçào Costeira. Em 2 de dezembro de 1932, pelo Aviso 3.139 o MM resolveu mudar o nome do Itaúba para Vital de Oliveira, e o classificou como Navio Auxiliar de 2ª classe.

1932

Após sua incorporação, foi classificado como navio de Instrução ligado à Diretoria de Ensino Naval, mas por pouco tempo.

Em 14 de novembro, passou a subordinação de Navegação, por trinta dias; voltou à Diretoria de Ensino.

1933

Em 3 de junho, pelo Aviso n.º 1.914voltou a subordinação da Diretoria de Navegação e foi reclassificado como Navio Faroleiro.

1934

Por ocasião da substituição do farol de ferro por um outro de cimento armado, o navio de serviço dos faróis, Vital de Oliveira, fez um longo reconhecimento hidrográfico das ilhotas no Atol das Rocas, e levantou uma nova carta de n.º 51.

1935

Passou por grandes reparos.

1936

Realizou comissão de apoio aos faróis da costa norte.

Em 13 de maio, o Comandante do Vital de Oliveira sugeriu a transferência do farol Gurupy / Apeú.

Em 21 de maio, partiu do Rio de Janeiro para Natal, com a missão de transportar material para o rádio farol que ali se construía, de inspecionar as obras que se realizavam em Abrolhos e de entregar o Suprimento Anual para os Faróis da Bahia. Escalou em Recife, Natal, Fernando de Noronha e Atol das Rocas.

No retorno, recebeu a missão complementar de realizar um levantamento hidrográfico expedito no porto de Tamandaré, em Pernambuco. Ao demandar a barra desse porto, encalhou nos baixios existentes nas proximidades. Safou-se sem maiores danos, com o pronto auxilio do NAux José Bonifácio.

Após esse acidente voltou ao Rio de Janeiro, rebocado pelo Rebocador “Comandante Dorat” do Lloyd Brasileiro. Os reparos necessários, foram realizados nas oficinas do Lloyd Brasileiro, na Ilha de Mocanguê Pequeno, e só terminaram no fim de 1939.

1937

No final do ano realizou a substituição das boias de espera das barras norte e sul de Paranaguá (PR).

1939

Tão logo ficou pronto dos reparos, decorrentes de seu acidente ocorrido em Pernambuco, partiu do Rio de Janeiro para os Rochedos de São Pedro e São Paulo, a fim de recolher o material abandonado naqueles penedos. No regresso inspecionou os faróis e balizamentos da costa norte e leste e recolheria as sucatas de ferro que encontrasse.

1940

Em 1º e 3 abril, esteve nos Rochedos de São Pedro e São Paulo para desmontar o rádio-farol ali instalado pelo Tender Belmonte entre os anos de 1930 e 1932, em faina que teve como encarregado o 1º Ten. Miguel Floriano Peixoto de Abreu.

1941

Durante todo o ano esteve desligado da Diretoria de Navegação, na Esquadra, a fim de participar do abastecimento da Ilha da Trindade e operações de guerra.

1944

Em 8 de abril, foi reclassificado como Navio Hidrográfico pelo Aviso n.º 1276. Retornou depois a categoria de Navio Auxiliar.

No dia 19 de julho, às 10h suspendeu de Vitória (ES) rumo ao Rio de Janeiro, ao fim de mais uma comissão de reabastecimento de bases e transporte de pessoal, tendo na escolta o CS Javarí – CS 51. Trazia a bordo um total de 270 pessoas entre oficiais, graduados e praças da MB (dos quais 120 da guarnição) e um menor de 8 anos de idade, irmão de um Grumete, embarcado como passageiro em Salvador; além de carga de madeira.

Foi torpedeado por boreste a popa e posto a pique às 22:30h pelo submarino alemão U-861, quando se encontrava a 25 milhas ao sul do Farol de São Tomé. Era seu comandante o CF João Batista de Medeiros Guimarães Roxo, que se salvou. Soçobrou em apenas 6 minutos, perecendo 99 homens entre tripulantes e passageiros e o menor.

2015

O naufrágio foi encontrado por um grupo de mergulhadores do Rio de Janeiro e Espírito Santo, através de indicações de pescadores. O grupo decidiu criar um projeto para produzir um documentário que ainda não foi ao ar e mantendo em sigilo a localização do naufrágio.

Redação
Se você possui mais informações sobre o assunto acima, entre em contato com a nossa equipe e ajude a tornar este site ainda mais completo. Isso ajudará os mergulhadores e todos aqueles que estiverem buscando por mais informações.