Há oito dias, 12 garotos de um time de futebol e seu técnico de 25 anos, chegaram no início da tarde à entrada da caverna Tham Luan Nang, na Tailândia. Eles prenderam suas bicicletas ao gradil, pegaram suas mochilas e entraram no local para aparentemente explorar as profundezas de uma montanha ao norte do país, e não foram mais vistos desde então.

O lugar na Província de Chiang Rai é a quarta caverna mais longa da Tailândia e bastante popular por turistas e com quem vive ali por suas impressionantes formações rochosas de pedra calcária.

Algumas horas depois do grupo entrar, um guarda notou que as bicicletas ainda estavam por ali, mesmo depois do horário de fechamento do parque e deu-se então o início de uma angustiante busca. Especialistas em cavernas disseram que, contanto que eles estejam em um local acima do nível da água que inundou a caverna, há chance de sobreviverem. Tudo depende se o grupo encontrou um local com água potável.

A natureza porosa da pedra calcária também favorece que haja oxigênio suficiente no interior, mas sabe-se que cavernas na região podem conter bolsões de ar de má qualidade, com um alto nível de dióxido de carbono.

“O que inundou foi uma passagem estreita de cerca de 2 km que leva para dentro da caverna. Se os meninos estiverem do outro lado dela, podem estar em uma câmara mais elevada que ainda pode estar seca”, disse Joshua Morris, que organiza tours por montanhas e cavernas na Tailândia e colocou duas de suas equipes para ajudar no resgate.

Um robô subaquático também foi empregado para enviar informações sobre o nível de água no interior da caverna e as condições do local.

Enquanto isso, mergulhadores da marinha tailandesa foram acionados para sair em busca do grupo na rede de cavernas inundada. Quatro mergulhadores britânicos e militares americanos também estão auxiliando.

Gráfico: Bangkok Post

Por:

Redação

Se você possui algum conteúdo relacionado ao mergulho e acha que pode ser interessante dividir com outros mergulhadores ?

Clique aqui para entrar em contato conosco e enviar o conteúdo a principal revista eletrônica sobre mergulho do Brasil.