Descobrindo o Chapeirão Atlântida

Foto: Clécio Mayrink

Era novembro de 2003, quando fomos passar três dias à bordo do Iate Titan e do Catamarã Horizonte Aberto dos amigos Jean Pierre e Jacqueline.

Chapeirao-Abrolhos1No segundo dia de mar, pedimos ao Hamilton, instrutor responsável pela operação no Horizonte Aberto e ao Caleb, capitão da embarcação, que nos levasse a um ponto de mergulho onde tivesse uma profundidade em torno dos 30m, para que pudéssemos levar nossos alunos do curso avançado para finalizar o check-out , pois faltava apenas o mergulho profundo para o término do curso e certificação dos mesmos.

Fomos informados que o ponto de mergulho mais próximo do arquipélago com as características desejadas, seria o Recife Califórnia, aproximadamente à uma hora e meia de navegação, e como os dois responsáveis pelas embarcações foram extremamente solícitos em atender ao pedido, decidimos enfrentar as três horas de navegação pelo mar azul, tendo à bordo a Berna e Andreza, duas guardas do parque administrado pelo IBAMA, e que também desejavam fazer um mergulho profundo.

Chapeirao-Abrolhos2Após quinze ou vinte minutos de navegação, um dos alunos, Bruno Alvares, que para passar o tempo observava a sonda da embarcação, nos questionou sobre uma estranha formação aos 8m de profundidade que apareceu na tela, e que depois caía até aos 32m.

Uma mistura de excitação e curiosidade gelou a coluna de todos. O que seria esta formação ?  Teríamos descoberto um novo ponto de mergulho ?   O que será que havia lá em baixo ?

Chapeirao-Abrolhos3Quando percebi, já estávamos dentro d’água, eu e o Hamilton saltamos apenas de sunga para matar a grande curiosidade. Não foi preciso mais do que alguns metros para depararmos com um imenso chapeirão em formação, que por não ter ainda chegado à superfície, não desenvolveu a forma de cogumelo.

Ele possui uma enorme base no fundo e se afunila a medida que a profundidade diminui, apresentando paredes verticais e em outros lugares torres como em uma catedral gótica. Voltamos ao barco extasiados com a beleza das formações e da quantidade de vida no local, e após o nosso relato, todos os mergulhadores resolveram de forma unânime, que aquele seria o lugar do nosso mergulho.

Descemos todos e não era difícil perceber a emoção de cada um com a beleza do local, e com o fato de sabermos que éramos os primeiros a descer e conhecer aquele chapeirão. Ao retornarmos à superfície, só ouvíamos os gritos de comemoração pelo belíssimo mergulho, além do orgulho pela descoberta de um novo ponto que certamente viria a se tornar famoso.

Chapeirao-Abrolhos4Hamilton, como que para realçar o que todos já sabiam, gritou a todos: Descobrimos um ponto maravilhoso, vamos batizá-lo de Chapeirão Atlântida. Ao retornar a embarcação, colhemos no GPS, as coordenadas e as meninas do IBAMA comunicaram através do rádio à sua base no arquipélago, a recente descoberta.

No início do mês de janeiro passado, retornamos a Abrolhos e nossa principal curiosidade era com relação ao Chapeirão Atlântida. Será que ele tinha sido mais explorado ?  Como estariam os mergulhos por lá ?

A primeira surpresa foi ver os instrutores e dive masters locais Chapeirao-Abrolhos5comentando sobre as belezas do “nosso” chapeirão com a mesma naturalidade com que falavam de velhos pontos de mergulho, como das Cavernas da Siriba, do Naufrágio do Rosalinda, ou dos Chapeirões da Sueste.

Melhor surpresa porém, foi reservada pelo próprio Hamilton, que durante o breve intervalo, fez várias incursões pelo local, descobrindo grutas, salões, passagens e demais atrativos que levaram os mergulhadores a tecer comparações com pontos famosos do Caribe.

Fazíamos o primeiro mergulho mais profundo e no segundo experimentávamos as lindas passagens cheias de cardumes a profundidades menores. Saímos de Abrolhos ainda mais maravilhados e orgulhosos, principalmente por sabermos que, de alguma forma, ajudamos a proporcionar a todos que visitam e vierem a visitar Abrolhos, momentos inesquecíveis.

Nivaldo Savergnini (Bô), mergulha há 20 anos, é instrutor pela PADI e proprietário da operadora Atlântida Mergulho em Belo Horizonte – MG.

Nivaldo Savergnini

Mergulha desde 1983, é instrutor pela PADI e proprietário da operadora Atlântida Mergulho em Belo Horizonte-MG.