Fadiga do Maxilar X Bocais de Reguladores

Um tema interessante e pouco comentado, é a fadiga do maxilar, uma queixa comum entre os mergulhadores, especialmente entre os novatos.

Isso ocorre com frequência durante o mergulho e logo nos primeiros 15min de imersão.

Mordendo o bocal com força e por um determinado tempo, alguns mergulhadores simplesmente se queixam que o 2º estágio sai de sua boca e dores. Em outras circunstâncias, o mergulhador reclama de uma leve dormência.

Não estamos habituados a ficar com um regulador na boca por um período prolongado, e mantê-lo seguro na boca, faz com que o maxilar comece a doer após algum tempo, devido esforço do maxilar para segurar o bocal do regulador.

Muitas vezes, mergulhadores novos acreditam que para manter o bocal do regulador na boca, é preciso morder com força, o que é um erro. Relaxar é o suficiente para segurar o bocal na medida certa, sem que haja um incômodo.

Para alguns mergulhadores, mesmo os experientes, este problema provocar uma constante dor no pescoço e um mergulho muitas vezes desagradável.

Pior ainda, quando o mergulhador possui problemas de alinhamento dos dentes, onde em alguns casos, o regulador chega a ficar saindo mais facilmente da boca, forçando o mergulhador a morder ainda mais.

Para chegar a uma solução, a primeira coisa a ser feita é olhar para o posicionamento do colete equilibrador.

Se o primeiro estágio do seu regulador estiver muito alto ou muito baixo em relação à você, isto pode facilitar a saída do segundo estágio de sua boca quando você virar a cabeça, e para evitar isso, você instintivamente morde com mais força o bocal, trazendo as dores em seu maxilar com o transcorrer do mergulho.

Bocais2Se a posição do cilindro em relação à você estiver correta e você se sentir relaxado, substitua o bocal.

Por exemplo, procure por um bocal ortodôntico, pois ele trará o benefício de reduzir a fadiga do maxilar, tendo em vista que o seu formato, distribui melhor o peso do segundo estágio do regulador, além de permitir uma mordida muito mais confortável e sem desconforto.

Antes da compra, busque por um bocal de fabricantes reconhecidos e de qualidade, pois existem bocais com desenho ortodôntico, porém moles (com fina espessura de silicone), que ao invés de minimizar a fadiga, este irá contribuir para outros eventos relacionados a mordida no bocal. Normalmente nos bocais de qualidade, encontramos a patente estampada no mesmo.

Uma solução interessante, são os bocais da SeaCure.

A SeaCure é uma empresa que desenvolveu um bocal muito parecido com um bocal de futebol.

Após a compra, o mergulhador ferve a água em uma panela, e coloca o bocal SeaCure de molho por alguns instantes. Feito isso, coloca-se o bocal na sua própria boca e morda-o. O bocal irá se moldar à estrutura e alinhamento de seus dentes e guardar o posicionamento dos mesmos. Isso fará com que o bocal esteja 100% adequado ao posicionamento de seus dentes, trazendo um esforço muito menor ao mergulhador.

Este tipo de bocal não deve ser usado por outra pessoa, para evitar que o mesmo perca o molde.

Clecio Mayrink
Nascido no Rio de Janeiro, ingressou no mergulho em 1987 pela CMAS e realizou Dive Master em 1990 pela PADI. Hoje é mergulhador Técnico Trimix (Mergulho Profundo) e de cavernas (Technical Cave Diver e Advanced Cave Side Mount / No Mount). É juiz internacional de apneia pela AIDA e foi membro da expedição de mapeamento da Lagoa Misteriosa em Bonito-MS em 2008. Produziu documentários sobre as Bahamas, Bonaire, Galápagos e Laje de Santos, visitando mais de 30 países. Foi o idealizador do site Brasil Mergulho criado em 1998 (MTB 0081769/SP), atuou como consultor para a ONU, UNESCO, além de diversos órgãos públicos no Brasil.