Maior número de megapixels não significa qualidade

É comum a gente ver pessoas comentando que uma câmera é melhor que outra, simplesmente por ter um maior número em megapixels, o que não é verdade.

Existe um grande marketing por parte dos fabricantes com relação a isso, fazendo com que as pessoas acreditarem que mais e mais megapixels, é possível obter mais qualidade, e câmeras com número de megapixels inferior, estarão sendo colocadas como coisa do passado.

Podemos afirmar claramente, que uma câmera com 8 megapixels por exemplo, pode não possuir uma qualidade tão superior a uma com 5 megapixels.

Para capturar uma imagem, uma câmera digital baseia-se em um sensor, que é um conjunto de fotocélulas que possuem a capacidade de captação de luz. Um sensor de 8 megapixels por exemplo, possui 8 milhões de fotocélulas.

Para ficar mais claro o conceito, imaginemos que um sensor com 5 megapixels tivesse 5cm² de área. Logo, 1 (um) megapixel estaria ocupando 1cm² de área. Se tivermos um sensor com 5cm² de área e 8 milhões de fotocélulas, teríamos que ter um agrupamento de fotocélulas com diâmetros inferiores aos de um sensor com 5 milhões de fotocélulas, para que todas elas possam caber em um mesmo espaço. O problema maior, é que fotocélulas de tamanho inferior captam menos luz e consequentemente piora a relação sinal / ruído.

Até algum tempo atrás, câmeras com 1 ou 2 megapixels possuíam sensores de pequenos tamanhos, e conforme o número de fotocélulas foi aumentando, os sensores tiveram seus tamanhos aumentados, se tornando um problema, pois uma câmera tem suas dimensões máximas. A primeira solução foi diminuir o tamanho das fotocélulas para que coubesse em um determinado espaço limitante, e com isso, o usuário saiu perdendo em qualidade na fotos obtidas com alto número de megapixels.

O que deverá acontecer em um futuro próximo, serão novas soluções para este problema, como novos tipos de sensores e chips. Contudo, tome cuidado para não ser enganado pela quantidade de megapixels que uma câmera oferece.

Pesquise e avalie cada câmera antes de adquirir uma. Uma boa fonte de informação e com a possibilidade de realização de comparações on-line, é o site Digital Photography Review (DPreview).

Clecio Mayrink

Nascido no Rio de Janeiro, ingressou no mergulho em 1987 pela CMAS e realizou Dive Master em 1990 pela PADI. Hoje é mergulhador Técnico Trimix (Mergulho Profundo) e de cavernas (Technical Cave Diver e Advanced Cave Side Mount / No Mount).

Foi membro da expedição de mapeamento da Lagoa Misteriosa em Bonito-MS em 2008, idealizador do site Brasil Mergulho em 1998 (MTB 0081769/SP) e atuou como consultor para a ONU, UNESCO, Segurança Pública, além de diversos órgãos públicos no Brasil.