Máscara de mergulho com lentes de grau – Lentes de Contato – Cirurgia

Mergulhadora usando máscara com lente de grau - Foto: Clécio Mayrink

Enxergar embaçado é muito desagradável para quem tem problemas de visão. Pior ainda, quando o objetivo principal no hobby de uma pessoa, é justamente apreciar a vida marinha durante seus mergulhos.

Eu mesmo usei durante algum tempo, máscaras com lentes de grau, e confesso que o primeiro mergulho utilizando elas, foi inesquecível… era como enxergar de novo. Enxergava tudo e alguns detalhes que até então, passavam despercebidos.

Um amigo meu por exemplo, percebeu que sua visão estava piorando, ao tentar ler os números em seu mini-manômetro. Após reposicioná-lo à sua frente, percebeu que o problema não era de máscara “embaçada”, e sim, de sua vista já cansada. Infelizmente a coisa é assim, e nos damos conta que há a necessidade de uma correção visual, quando realmente precisamos obter uma informação importante. Muitas vezes no dia-a-dia, nem percebemos que nossa visão está “reclamando” e tentando mostrar que há algo errado em nosso organismo.

Com o intuito de sanar esse problema, algumas empresas especializadas em ótica, partiram para um mercado até então inimaginável: produzir lentes de grau para máscaras de mergulho.

Lente2Para adquirir as lentes de grau, basicamente, o mergulhador leva sua receita juntamente com sua máscara até uma dessas empresas que produzem lentes especiais para máscaras de mergulho, e o vendedor irá fazer um orçamento, que terá uma variação de custo conforme o grau de correção que o mergulhador necessita e tamanho da lente, pois este tamanho irá variar de acordo com a máscara que o mergulhador deseja utilizar com as lentes de grau. Hoje (julho / 2010), o custo médio gira em torno dos R$ 250.

Apesar dessas empresas atenderem à maioria de modelos de máscaras, o mais aconselhável, é a utilização de uma máscara que tenha lentes individuais, evitando o modelo denominado Full Frame, pois fica esteticamente melhor, além de um custo mais em conta. Aliás, nem sempre é possível fabricar lentes de grau para máscaras Full Frame. É preciso uma análise antes por parte da empresa que irá fabricar a lente, para confirmar ou não, a possibilidade da fabricação do produto.

Hoje encontramos alguns fabricantes de equipamentos de mergulho produzindo lentes de grau para certos modelos de máscaras, contudo, isso não é tão indicado, pois sempre há diferenciações nas características entre indivíduos, e essas lentes visam atender de forma genérica e não particular em si.

Outra questão importante e onde o mergulhador sempre deve estar atento, é jamais deixar a máscara com lentes de grau em qualquer local. O cuidado com ela deve ser triplicado, uma vez que, qualquer arranhão ou quebra das lentes, irá prejudicar o mergulhador durante a atividade, principalmente se ele estiver em uma viagem, por exemplo.

Imagine estando você em uma viagem em grupo pelo Mar Vermelho e no primeiro dia, a máscara bate em algo e quebra uma das lentes…

Você teria que mergulhar com outra máscara com lentes tradicionais e o belo visual foi para o brejo.

Lente1Lentes de Contato

Frequentemente encontramos mergulhadores perguntando nos fóruns de mergulho, se há alguma contra-indicação quanto ao uso de lentes de contato durante o mergulho, e mergulhadores que já utilizam essas lentes, normalmente respondem que não há problemas quanto ao uso, contudo, o manuseio deve ser redobrado em função da possibilidade de perda da lente embaixo d´água, e principalmente quanto a limpeza das mesmas, pois é imprescindível uma limpeza frequente afim de evitar chance de uma infecção por fungos e bactérias, que pode ser ampliada, após o contato da lente com a água, seja ela do mar ou de locais onde se mergulha com água doce.

É certo, que ninguém sabe ao certo se o uso de lentes de contato chegar a trazer algum tipo de problema no futuro, pois não há um estudo aprofundado quanto ao assunto.

Cirurgia para a correção de grau

Hoje é mais do que comum, as pessoas realizarem cirurgias para a correção de grau, mas apesar de ser um procedimento comum, sabemos que em toda e qualquer cirurgia, há sempre riscos. Os índices de problemas ocorridos em função da intervenção cirúrgica, são baixos, mas existem.

Quando a cirurgia é viável, o mergulhador não deve pensar em mergulhar por pelo menos 3 (três) meses. Há quem diga que o melhor, é não mergulhar por pelo menos 6 (seis) meses, pois os olhos requerem um bom tempo para estarem 100% ok.

Assim como as lentes de contato, não existem estudos aprofundados sobre a cirurgias de correção de grau X mergulho.

Há seis anos decidi realizar a cirurgia para a correção visual. Hoje mergulho com qualquer máscara e não tive problemas, mas cada caso é um caso, e as condições de um indivíduo para outro, sempre serão diferentes.

Conclusão

Como disse anteriormente, o mergulhador deve pensar e avaliar muito antes de tomar uma decisão sobre qual caminho seguir, pois cada caso é um caso. É certo, que a máscaras com lentes de grau, são sem dúvida, a forma mais segura de mergulhar com a correção visual do mergulhador, mas como tudo na vida, existem suas vantagens e desvantagens, cabendo ao mergulhador avaliar muito bem as formar para corrigir o seu problema de visão. Se a decisão for a cirurgia, recomendo se consultar com alguns especialistas antes de efetuar a cirurgia. Não faça nada ou tome uma decisão de forma apressada.

Se você optar por uma lente de grau para sua máscara de mergulho, você pode entrar em contato com a Ótica Firenze, que além de já ser bastante conhecida entre os mergulhadores, essa empresa já atua há muitos anos nessa área.

Ela está localizada na Alameda dos Maracatins, 310 no bairro Moema, São Paulo. O telefone de contato é (11) 5051-1831 / 5051-1899.

Clecio Mayrink
Nascido no Rio de Janeiro, ingressou no mergulho em 1987 pela CMAS e realizou Dive Master em 1990 pela PADI. Hoje é mergulhador Técnico Trimix (Mergulho Profundo) e de cavernas (Technical Cave Diver e Advanced Cave Side Mount / No Mount). É juiz internacional de apneia pela AIDA e foi membro da expedição de mapeamento da Lagoa Misteriosa em Bonito-MS em 2008. Produziu documentários sobre as Bahamas, Bonaire, Galápagos e Laje de Santos, visitando mais de 30 países. Foi o idealizador do site Brasil Mergulho criado em 1998 (MTB 0081769/SP), atuou como consultor para a ONU, UNESCO, além de diversos órgãos públicos no Brasil.