Mergulhadores não respiram oxigênio

Foto: Clécio Mayrink

Sempre vemos na televisão muitos jornalistas cometendo sempre o mesmo erro… dizer que o mergulhador respira “oxigênio”, quando o correto deveria ser “respira ar comprimido”.

Qual a diferença ?

O ar que respiramos na superfície contém 78% de nitrogênio + 21% de oxigênio e 1% de outros gases.

Ou seja, a maior parte do ar inspirado por nossos pulmões contém na verdade o nitrogênio, e não oxigênio puro.

Respirar somente o oxigênio durante longo tempo e sob pressão, trariam consequências sérias para o nosso organismo, pois não estamos adaptados para isso. Respirar oxigênio sob pressão, potencializa ainda mais os danos causados pelo oxigênio puro. O mergulhador poderá ter intoxicação pulmonar, intoxicação do Sistema Nervoso Central, convulsão, vertigem, distúrbios respiratórios, distúrbios visuais, dentre outros.

Se mergulharmos usando apenas oxigênio, literalmente morreríamos.

Então, se não podemos respirar oxigênio puro por longo tempo, como pacientes em hospitais recebem oxigênio puro e mergulhadores técnicos usam ele para a descompressão, sem passarem mal e terem problemas ?

São situações diferentes, porém, em ambos os casos, a resposta é simples: a baixa dosagem recebida.

No caso dos pacientes internados, eles recebem o oxigênio puro através das narinas ou por máscaras de inalação, que por sua vez, os dois formatos permitem que ao inspirar o oxigênio puro, ele também vai inspirar o ar do ambiente, fazendo com que haja uma diluição do oxigênio puro recebido, tornando-o incapaz de causar danos ao organismo. Sendo assim, o paciente estaria recebendo uma quantidade maior de oxigênio em seus pulmões, porém, de forma diluída.

No caso do mergulhador técnico, muitas vezes ele utiliza um stage (cilindro adicional) com oxigênio 100% puro, cujo objetivo é acelerar o processo de descompressão e não para mergulhar o tempo todo usando apenas oxigênio 100% puro.

Neste caso em especial, ele só irá respirar o oxigênio 100% puro em baixas profundidades (limite de 6m) e por pouco tempo. Caso este tempo de uso seja elevado, o mergulhador deverá seguir um protocolo onde a cada X minutos, precisará respirar outra mistura mais pobre em oxigênio (com mínimo de 21% de oxigênio), aliviando os efeitos que o uso do oxigênio puro poderia causar aos pulmões do mergulhador em questão.

Portando, lembre-se que jamais um mergulhador amador irá mergulhar respirando apenas “oxigênio”. Ele sempre estará usando ar comprimido ou no máximo um Nitrox, mistura esta, com percentual mais elevado de oxigênio, para que se tenha um tempo de fundo maior não descompressivo.

Daí você diz: Mas o título fala que o mergulhador não respira oxigênio quando na verdade, ele respira com certo percentual…

Sim, ele respira oxigênio com percentual mais baixo junto com outros gases, mas se você leu até aqui, significa que o título do artigo fez seu papel… chamar sua atenção para ler o artigo e entender um pouco mais sobre o assunto.

Se você quer entender de forma aprofundada, recomendo a leitura do artigo O Oxigênio e o Mergulho, do Dr. Augusto Marques.

Clecio Mayrink
Nascido no Rio de Janeiro, ingressou no mergulho em 1987 pela CMAS e realizou Dive Master em 1990 pela PADI. Hoje é mergulhador Técnico Trimix (Mergulho Profundo) e de cavernas (Technical Cave Diver e Advanced Cave Side Mount / No Mount). É juiz internacional de apneia pela AIDA e foi membro da expedição de mapeamento da Lagoa Misteriosa em Bonito-MS em 2008. Foi o idealizador do site Brasil Mergulho criado em 1998 (MTB 0081769/SP), atuou como consultor para a ONU, UNESCO, além de diversos órgãos públicos no Brasil.