Mergulho no Brasil X Bons e maus profissionais

Talvez seja um desabafo, talvez não…

Todos os dias vemos alguns profissionais do mergulho ganhando dinheiro, e outros, só chorando e dizendo que o mercado está mal.

Fazendo uma rápida análise desse mercado, a resposta para essas reclamações é simples: a falta de profissionalismo destes que reclamam é a razão.

O que é o mercado hoje dos profissionais de mergulho ?

Uma grande fatia do mercado contém pessoas que atuam nesse mercado há tempos e conhece à fundo o funcionamento das coisas. Quando digo “funcionamento das coisas”, me refiro ao entendimento dos impostos envolvidos, importação, custos de uma empresa, ganhos, garantia e segurança dos mergulhadores, além de outros pontos.

A outra fatia contém pessoas mais novas, porém, com formação diferente, e que de formas diferentes, conseguem discernir as necessidades que uma empresa de mergulho possui, para dar a continuidade aos negócios.

Já a terceira e menor fatia, contém alguns poucos que não se preocupam com as necessidades de sua empresa, não analisam o processo, querem obter lucros sem investimentos, sem marketing, e acreditam que para ter muitos alunos e boas vendas, basta adicionar um percentual irrisório para ganhar alguma coisa, o que logicamente não é verdade.

Essa última fatia, é a mais preocupante e péssima para o mercado do mergulho, pois normalmente não são pessoas esclarecidas, prestam um péssimo serviço realizando cursos de mergulho com baixa qualidade, fazendo com que seus alunos e futuros mergulhadores que poderiam se tornar sólidos clientes no que diz respeito à compra de equipamentos e realização de turismo, acaba em sua maioria, largando a atividade. E pior, alguns ainda saem dizendo que a atividade não oferece segurança, pois durante o curso o equipamento apresentou problemas, o instrutor não ensinou nada, ou coisas do tipo.

Essas empresas precisam compreender que o mergulho é uma atividade relativamente cara e que infelizmente, jamais poderá ser a atividade de 100% da população. Não é possível querer fazer milagres no mergulho sem investimentos em marketing, pessoal e na divulgação da própria empresa.

O mercado é grande e nosso país, nem se fala. Há espaço para todos, desde que essas pequenas empresas trabalhem corretamente e de forma profissional.

Maus profissionais e empresas oferecendo serviços de qualidade ruim, deveriam sumir do mercado, pois elas contribuem para denegrir um esporte realmente seguro.

Não será a hora de refletir sobre isso ?

Clecio Mayrink
Nascido no Rio de Janeiro, ingressou no mergulho em 1987 pela CMAS e realizou Dive Master em 1990 pela PADI. Hoje é mergulhador Técnico Trimix (Mergulho Profundo) e de cavernas (Technical Cave Diver e Advanced Cave Side Mount / No Mount). É juiz internacional de apneia pela AIDA e foi membro da expedição de mapeamento da Lagoa Misteriosa em Bonito-MS em 2008. Produziu documentários sobre as Bahamas, Bonaire, Galápagos e Laje de Santos, visitando mais de 30 países. Foi o idealizador do site Brasil Mergulho criado em 1998 (MTB 0081769/SP), atuou como consultor para a ONU, UNESCO, além de diversos órgãos públicos no Brasil.