Octopus tradicional – Seu fim não está longe

O Octopus foi criado para trazer mais segurança ao mergulhador, permitindo a ele, fornecer gás ao seu dupla numa eventual situação de emergência. Usando o Octopus, os dois mergulhadores podem continuar respirando e regressar à superfície de forma segura e mais tranquila.

Antes da existência dele, os mergulhadores precisavam realizar o compartilhamento de gás usando o mesmo regulador, o que além de não prover boa eficiência, obrigava aos mergulhadores a ficarem colados um ao outro, para poderem respirar pelo mesmo regulador.

Outro aspecto, é que o Octopus acaba sendo uma segunda fonte alternativa de gás para o próprio mergulhador, caso seu segundo estágio tenha algum tipo de problema durante o mergulho, coisa raríssima de acontecer.

Em todo o caso, o uso do Octopus muitas vezes traz um desconforto ao mergulhador, porque acaba sendo mais um item para ser transportado durante o mergulho. A mangueira dando volta e exposta também é outro motivo de reclamações e questionamentos de muitos, e alguns chegam a questionar sobre a real necessidade de utilização do Octopus, tendo em vista que ele nunca é usado.

O fato é que a regra é mundial e infelizmente o uso do Octopus é necessário e obrigatório para a segurança dos mergulhadores, e não há como deixar de utilizar esse equipamento. Ele é o tipo de equipamento que compramos esperando nunca ter que usá-lo, e só quem precisou de um sabe o quanto é importante ter um Octopus de qualidade e confiável.

Octopus de traqueia ganha mercado

Lançado anos atrás, o modelo de Octopus de traqueia anda ganhando cada vez mais espaço no mercado do mergulho.

Esse modelo é comercializado já com uma traqueia de colete equilibrador e substitui os comandos de acionamento e desinflagem do colete, além de ficar localizado junto ao peito do mergulhador e permitindo um rápido acesso numa situação emergencial.

Levando em consideração que normalmente o mergulhador que fica sem gás e corre pra pegar o regulador da boca de seu dupla, o acesso ao Octopus de traqueia por aquele que fornece o gás, acaba sendo mais rápido e menos estressante.

Além do acesso rápido, a outra grande vantagem para o mergulhador, é que esse modelo utiliza a própria mangueira do colete equilibrador para fornecer gás ao mergulhador, e com isso, temo menos uma mangueira na configuração, eliminando uma possibilidade de ponto de enrosco e peso.

Atualmente o custo do Octopus de traqueia reduziu bastante e isso está fazendo com que muitos mergulhadores adotem esse modelo em sua configuração.

Modelo Tusa IR-3

Hoje existe uma forte tendência mundial em adotar o Octopus de traqueia como modelo mais indicado aos mergulhadores que possuem seus próprios equipamentos.

Em comparação com o modelo mais comum, o modelo conectado a traqueia traz segurança, agilidade e menos uma mangueira. Se você quiser conhecê-lo de perto, no Brasil a Dive Supply importa um modelo da Tusa que pode ser facilmente encontrado na rede de lojas da Narwhal, em São Paulo.

Clecio Mayrink

Nascido no Rio de Janeiro, ingressou no mergulho em 1987 pela CMAS e realizou Dive Master em 1990 pela PADI. Hoje é mergulhador Técnico Trimix (Mergulho Profundo) e de cavernas (Technical Cave Diver e Advanced Cave Side Mount / No Mount).

É juiz internacional de apneia pela AIDA e foi membro da expedição de mapeamento da Lagoa Misteriosa em Bonito-MS em 2008.

Foi o idealizador do site Brasil Mergulho criado em 1998 (MTB 0081769/SP), atuou como consultor para a ONU, UNESCO, além de diversos órgãos públicos no Brasil.