Pilhas Eneloop da Sanyo – Mais força e rapidez nos flashs

Quem realiza fotografia submarina usando flash, sabe a diferença que há quando utilizamos pilhas de boa qualidade. O problema, é o custo dessas pilhas, pois além de elevado, por serem fabricadas no exterior, elas requerem a substituição para cada mergulho, pois mesmo usando pilhas alcalinas, elas acabam não tendo carga suficiente para um rendimento compatível com a atividade efetuada.

No que diz respeito ao custo, cogitamos sempre na utilização das pilhas recarregáveis para depender somente de um carregamento enquanto não estamos mergulhando, mas acabamos tendo um problema de performance dessas pilhas, pois como a carga delas vai sendo “drenada” a cada foto, consequentemente o tempo de reciclagem do flash aumenta exponencialmente a cada disparo.

Para quem não sabe, o tempo de reciclagem, é o tempo necessário para que o flash recarregue até um determinado ponto que possibilite o disparo, exigindo uma carga X das pilhas. Essa carga é drenada constantemente para um capacitor, que nada mais é, do que uma peça eletrônica capaz de armazenar energia “temporária” para ser usada de uma só vez pelo flash.

Com o tempo, a carga da pilha irá baixar, fazendo com que o flash leve muitos segundos para que obtenha carga que permita o um disparo. Com isso, perde-se muitas fotos que poderiam fazer a diferença em termos de qualidade.

Pilhas Sanyo Eneloop

Conversando com um grande fotógrafo amigo meu, o Carlos Montechi, ele indicou as pilhas recarregáveis da Sanyo, mais precisamente da linha Eneloop, pois segundo ele, elas são muito superiores em qualidade e mais indicadas para quem pratica fotografia submarina, e fui atrás para saber o motivo desse diferencial.

Analisando rapidamente, a tecnologia empregada na fabricação das pilhas Eneloop, seria diferenciada em relação às demais pilhas. Tais diferenças não são claras e expostas no site do fabricante, e infelizmente só encontramos informações demonstrando resultados superiores em relação as demais pilhas. Dentre os resultados, está a diminuição do tempo de reciclagem dos flashs e a perda de carga. Basicamente, você dispara o flash e a pilha recarrega ele de forma muito mas rápida.

Nos testes, utilizei dois flashs da Inon modelo Z-240, com pilhas alcalinas, levando até 6s para uma carga completa. Usando as pilhas Eneloop, esse tempo baixou para 1.5s em média.

Outro ponto importante, é quanto à perda anual de capacidade de armazenamento de carga. Toda pilha e bateria, acabam tendo uma perda anual quanto à capacidade de armazenamento de carga, já as pilhas Eneloop, essa perda é inferior as demais baterias, promovendo um tempo de uso ainda maior.

Acabei adquirindo 2 kits completos de pilhas e carregadores Eneloop, e usei essas pilhas em uma viagem recente à Bonaire, realizando centenas de fotos, onde obtive um resultado muito satisfatório.

Cheguei a realizar três mergulhos com as mesmas pilhas, onde somente no terceiro mergulho, os flashs começaram a indicar a necessidade de troca das pilhas por outras recarregadas.

Em dez dias de mergulhos, a trocas foram poucas, demonstrando que o investimento realizado foi muito bom e dá retorno.

No passado, utilizava pilhas alcalinas, gastando tempo e dinheiro na aquisição de novas pilhas a cada troca, mas agora, basta recarregar as pilhas Eneloop, e está tudo pronto para a utilização.

Do que conheço em termos de pilhas e baterias existentes no mercado, confesso que os resultados me surpreenderam, me fazendo indicá-las, pois o uso da linha Eneloop, faz toda a diferença durante um mergulho para fotos submarinas.

Se você for comprá-las, deve ter em mente, a necessidade de comprar um carregador da própria marca, pois carregadores de pilhas e baterias de Níquel Metal Hidreto (NiMh), possuem características diferentes, como por exemplo, o “Auto Cut”, que é uma análise constante que o carregador faz durante a recarga. Ele desliga o carregamento de forma automática quando a carga chega ao seu final, prolongando a vida útil das pilhas e não deixando que elas fiquem extremamente aquecidas.

Outro ponto importante é quanto à origem dessas pilhas, pois como tudo que é bom, é passível de haverem falsificações à venda, como é o caso de algumas marcas famosas encontradas frequentemente no mercado e que podem danificar seu equipamento.

No meu caso, tive a oportunidade de adquiri-las na BH Photo de Nova Iorque, mas em uma rápida pesquisa na Internet, vi que é possível encontrá-las já à venda no Brasil.

Avalie essa aquisição, pois não é um investimento baixo e o retorno é garantido.

O único inconveniente, é quanto ao tempo de recarga. Ele é demorado e dependendo da necessidade, aconselho a ter um segundo kit de pilhas com carregador.

Clecio Mayrink

Nascido no Rio de Janeiro, ingressou no mergulho em 1987 pela CMAS e realizou Dive Master em 1990 pela PADI. Hoje é mergulhador Técnico Trimix (Mergulho Profundo) e de cavernas (Technical Cave Diver e Advanced Cave Side Mount / No Mount).

Foi membro da expedição de mapeamento da Lagoa Misteriosa em Bonito-MS em 2008, idealizador do site Brasil Mergulho em 1998 (MTB 0081769/SP) e atuou como consultor para a ONU, UNESCO, Segurança Pública, além de diversos órgãos públicos no Brasil.