Wanderley

Data: 23/06/1969

GPS

Localização: 40 milhas ao sul de Porto Seguro, nas proximidades da cidade de Cumuruxatiba.

Profundidade (m):

Visibilidade (m):

Motivo: Encalhe em um banco de corais.

Estado:

Carga:

Tipo: Navio Balizador Faroleiro – Classe Santana

Nacionalidade: Brasil

Dimensões (m): 27 / 6.54 / 2.50

Deslocamento (t): 173

Armador: Marinha do Brasil

Estaleiro

Propulsão: 1 motor Bolinder de 4 cilindros “cabeça quente” de 640 hp. Eletricidade: 1 motor gerador de 110V. Velocidade: 10 nós.

Fabricação: 1954

Notas: O Navio Balizador Faroleiro Wanderley, foi o único navio a ostentar esse nome em homenagem ao Faroleiro Jayme Mendes Wanderley, ex-Fuzileiro Naval que chegou a ser Ordenança de Almirante e um experiente profissional, que por muito tempo, serviu no balizamento de Belém.

Faleceu no farol de São João, no Maranhão. Foi o último de uma serie de três construidos pelo estaleiro Luna Projetos e Construções Ltda., na Ponta da Areia, em Niterói. Foi incorporado e entregue a Base Almirante Moraes Rego em 1954. Posteriormente foi transferido para Natal (RN).

1962 a 1967

Permaneceu abandonado e inoperante na Base Naval de Natal, até ser recuperado com reparos no casco e na superestrutura, tudo em madeira, além do motor Bolinder, esse graças a partes do NB Faroleiro Arêas – H 27, parado em Belém, e o NB Faroleiro Santana – H 28, recém naufragado em Maceió.

1967

Depois de recuperado em Natal, foi transferido para Salvador. Na travessia Natal – Salvador o navio navegou 450 milhas náuticas, em uma viagem onde “pegou” tudo, tendo durado um mês.

Em 13 de outubro, foi instalado a bordo o embrião do recem criado Serviço de Sinalização Náutica do Leste – SSN-E (ou SSN-2) responsável pelos faróis e o balizamento dos estados da Bahia e Sergipe.

1968

Em 19 de abril, o embrião do então SSN-E (ou SSN-2), foi finalmente instalado em terra junto a sede da Capitania dos Portos da Bahia.

Em 22 de outubro, chegou a Camuruxatiba, um porto privado protegido por um cordão de coral a cerca de 40 milhas ao sul de Porto Seguro, onde estava prevista a construção de um farolete, onde fundeou a tarde ao largo para demandar o porto na manhã seguinte. A noite o navio garrou e foi de encontro ao cordão de coral, sendo jogado sobre os recifes.

1969

Em 23 de junho, foi dado baixa pelo Aviso n.º 0706, depois de ser declarado perda total.

Bibliografia – Dantas, Ney. A História da Sinalização Náutica Brasileira e breves memórias, Rio de Janeiro. Ed. FEMAR, 2000.

Fonte: Navios de Guerra Brasileiros

Redação

Se você possui mais informações sobre o assunto acima, entre em contato com a nossa equipe e ajude a tornar este site ainda mais completo. Isso ajudará os mergulhadores e todos aqueles que estiverem buscando por mais informações.