Após a Segunda Guerra Mundial, o governo suíço tinha dado permissão ao exército para eliminar qualquer equipamento militar não utilizado desta forma, mas Genebra proibiu a prática em 1962.

Este outono, mergulhadores encontraram quatro caixas de munições a uma profundidade de cerca de 50m de profundidade. Elas não estavam enterradas sob sedimentos e, portanto, continuavam bastante expostas e consideravelmente perigosas.

“As munições podem conter arsênico, cianeto e produtos cancerígenos associados com explosivos. Não queremos ter isso na água potável ou afetando a vida selvagem aquática”, disse a especialista em sedimentos da Universidade de Genebra, Stéphanie Girardclos, à televisão pública suíça RTS.

Segundo o mergulhador Lionel Rard, presidente da Odysseus, as caixas danificadas estão a cerca de 150m de uma tubulação e de um sensor de água potável.

“Queremos simplesmente que as autoridades tomem medidas para limpar o lago. Não estamos aqui para julgar o que foi feito no passado. Por outro lado, aqueles que agora sabem o que está acontecendo e que têm os meios para intervir serão julgados pelas gerações futuras”, disse.

Gilles Mulhauser, diretor da Secretaria Estadual de Água de Genebra, disse à RTS que não estava particularmente preocupado: “Na nossa opinião, não há poluição grave nas proximidades dessas munições”.

Mas ele reconheceu que a falta de sedimentos criou uma nova situação. “Teremos que analisar essa situação e ver até que ponto devemos ordenar obras ou ações específicas”.

Nos lagos de Brienz, Lucerna e Thun, as autoridades locais decidiram que é mais seguro deixar as munições no lugar, pois estão a cerca de 200m abaixo da superfície, com sedimentos suficientes para evitar a corrosão.

Por:

Redação

Se você possui algum conteúdo relacionado ao mergulho e acha que pode ser interessante dividir com outros mergulhadores ?

Clique aqui para entrar em contato conosco e enviar o conteúdo a principal revista eletrônica sobre mergulho do Brasil.