Por uma questão de estética e saúde, muitos mergulhadores utilizam o aparelho ortodôntico para corrigir o posicionamento dos dentes, e com isso, surgem algumas dúvidas se a utilização dele causa algum tipo de dificuldade para mergulhar.

O aparelho utilizado na maioria dos casos possui pequenas peças metálicas denominadas “brackets”, que são fixados nos dentes por uma resina especial, permitindo a fixação por meses (ou até anos) nos dentes do mergulhador até o término do tratamento com os dentes alinhados.

Esses brackets utilizam metais de alta resistência como o aço inox e titânio, que são resistentes à água salgada e não havendo qualquer possibilidade de ferrugem e oxidação.

Hoje no mercado também encontramos brackets fabricados em porcelana e que chamam menos a atenção por não se destacarem como o modelo metálico, porém, são mais caros e menos resistentes.

Quando um mergulhador utiliza um aparelho ortodôntico, o principal problema que ele pode ter é com o bocal do segundo estágio do regulador de mergulho. Alguns modelos de bocal possuem anatomia especial para deixar o regulador mais estável na boca do mergulhador, possuindo um prolongamento para ter maior contato na área superior na boca, e esse prolongamento superior pode acabar tendo ter contato direto com os brackets, dificultando a colocação do segundo estágio na boca do mergulhador, ou até, impedindo o uso do segundo estágio em alguns casos mais raros.

Modelo de bocal comum e que dificulta o uso com aparelho – Bocal prolongado – Bocal moldável

Bocal moldável

Uma solução para o caso acima, é substituir o bocal do segundo estágio por um modelo com formato mais extenso de mordida, pois ele trará mais benefícios ao mergulhador.

  • Haverá mais espaço para o encaixe dos dentes;
  • Permitirá uma mordida melhor e mais firme do mergulhador;
  • Permite que o bracket se encaixe perfeitamente;
  • Elimina possíveis dificuldades que o mergulhador venha a ter.

Outra possibilidade é utilizar um bocal moldável, que como o próprio nome diz, ele se molda ao formato dos dentes do mergulhador. Como aspecto negativo, o custo do bocal moldável é mais elevado, mais complicado de encontrá-lo no Brasil, e com o passar do tempo, há grandes chances dele perder a função, pois com a movimentação dos dentes, esse tipo de bocal deixará de ter o encaixe perfeito como antes.

A calma faz a diferença

Um cuidado importante que o mergulhador deve ter ao utilizar um aparelho ortodôntico, é com a colocação do segundo estágio na boca. Colocar ele na pressa, poderá fazer com que o mergulhador morda o bocal de forma incorreta, aumentando a chance de algum bracket se soltar do dente, obrigando ao mergulhador o imediato retorno ao dentista para a recolocação do bracket que se desprendeu.

Imagine estar no exterior em uma viagem de mergulho e algum desses brackets se soltarem por um descuido ?

Brackets nos dentes

Pior ainda, se o fio ortodôntico que passa pelos brackets se deslocar e permitir que a ponta fique solta, certamente causará ferimentos na boca do mergulhador.

A dica fundamental é que o mergulhador utilize um regulador com bocal adequado, coloque lentamente o segundo estágio do regulador na boca, e obviamente, ir frequentemente ao dentista.

Colaboração: Dr. José Maurício Rodrigues

Por:

Clecio Mayrink
Editor - Brasil Mergulho

Nascido no Rio de Janeiro, ingressou no mergulho em apneia em 1983 e no autônomo em 1986, participando da primeira turma de Dive Master da PADI no Rio de Janeiro em 1990. É mergulhador Técnico Trimix, Technical Cave Diver e Advanced Cave Sidemount / No Mount, possuindo mais de 30 anos de experiência em mergulho.

Foi membro da expedição de mapeamento da Lagoa Misteriosa em Bonito-MS, em 2008, é o idealizador do site Brasil Mergulho em 1998 (MTB 0081769/SP) e atuou em diversas matérias e documentários no Brasil e no exterior, sendo uma referência em mergulho e naufrágios para diversas entidades como ONU, UNESCO e diversos órgãos públicos no Brasil.